Iniciar sessão ou registar-se
Esta discussão esteve inactiva por mais de 45 dias e foi fechada.
Por favor não inicie uma nova discussão, se precisar, peça por mensagem privada para reabrir esta.
  1.  # 1

    Da construção civil à hotelaria, passando pelo sector dos serviços, os empresários do Algarve queixam-se de não haver mão-de-obra que chegue. A compra e venda de moradias de luxo, cujo preço pode chegar aos 13 milhões de euros, virou a página da crise no chamado “triângulo dourado do turismo”: Quinta do Lago, Vale do Lobo e Vilamoura. Depois de um longo período de mais de meia dúzia de anos em queda, as gruas voltaram a erguer-se.

    Na área da construção civil — particularmente no segmento médio/alto —, o mercado voltou a dar sinais de recuperação. Desde o último trimestre do ano passado e primeiro trimestre de 2016 foram vendidas, no Vale do Lobo, 70 moradias — a maior parte das aquisições com o objectivo de deitar abaixo e construir de novo. Em casas com 20 ou 30 anos de idade, quando se pretende adquirir novos níveis de conforto, aconselham os técnicos, não compensa o restauro. É mais fácil (e às vezes mais barato) construir de novo.

    O preço do lote custa, em média, entre um a dois milhões de euros, mas também pode chegar aos cinco ou seis milhões. A mudança de gosto arquitectónico que se verifica no Vale do Lobo repete-se na Quinta do Lago, mas de forma mais expressiva, porque aqui há menos espaço urbanizável e é mais caro. Por isso, não é de estranhar que a opção — para quem tem milhões para gastar numa casa para férias — seja o deitar abaixo e voltar a construir no mesmo sítio, com a assinatura de arquitectos consagrados.

    ...



    https://www.publico.pt/economia/noticia/novo-negocio-do-algarve-e-demolir-casas-de-luxo-para-construir-de-novo-1738549
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 2

    Não vejo mal nenhum, muito pelo contrário! Sabendo que grande parte dos compradores é estrangeiro, isto é, entrada de capital no país, é sempre bom.

    Espero que não seja um negócio alicerçado em créditos bancários concedidos aos amigos que se revelarão um saco sem fundo... para isso já temos Duarte´s Limas e amigos do BPN!
    Concordam com este comentário: FFAD
  4.  # 3

    Colocado por: Rui A. B.Não vejo mal nenhum, muito pelo contrário! Sabendo que grande parte dos compradores é estrangeiro, isto é, entrada de capital no país, é sempre bom.

    Espero que não seja um negócio alicerçado em créditos bancários concedidos aos amigos que se revelarão um saco sem fundo... para isso já temos Duarte´s Limas e amigos do BPN!
    Concordam com este comentário:FFAD
    a mim faz-me uma confusão , começar a perder nacionalidade ! nisso porque Dinheiro em Portugal voa ui Voa bem e depois nem terra nem dinheiro ahahhahahahahhhh.
  5.  # 4

    Colocado por: LuisPereiraseja o deitar abaixo e voltar a construir no mesmo sítio


    Para casas desta gama, mesmo com 20 ou 30 anos não acredito que saia mais barato construir novo (e bem) do que remodelar.

    Contudo quem as compra não está muito preocupado, e assim sempre pode escolher a arquitectura XPTO com a assinatura de quem quiser...

    Depois com um pouco de sorte apanha um empreiteiro daqueles e fica uma c@g@d@!
  6.  # 5

    Construi-se tanta bost@ que não me admira nada

Esta discussão esteve inactiva por mais de 45 dias e foi fechada.
Por favor não inicie uma nova discussão, se precisar, peça por mensagem privada para reabrir esta.
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">