Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Boa tarde,

    Permitam-me que partilhe mais um exemplo do que se faz mal no nosso país, nomeadamente ao nível do projecto de sistemas Etics ( isolamento pelo exterior).
    Num pedido de proposta que recebemos transcrevemos parte do mesmo: conforme se pode ver é pedido no caderno de encargos o sistema Dryvit, misturando-se logo a seguir produto da Viero (Adesan) para terminar com Weber (Weber.Plast).
    Este é precisamente um exemplo do que não se deve fazer: misturar produtos de diferentes marcas.
    Este é precisamente um exemplo dos "responsáveis" para que por vezes tanto "mal" se diga dos sistemas etics, seja pela pressão do preço, seja pela pressão das marcas, seja porque desconhecimento de como configurar adequadamente o sistema ou seja simplesmente "porque sim"...

    As soluções de isolamento térmico pelo exterior ( homologadas ou não) deverão sempre ser compostas por componentes do mesmo fabricante estando assim, à priori, garantida a compatibilidade entre todos os componentes, e teóricamente, assegurada uma maior longevidade do sistema.

    Nota: não vendo nem comercializo qualquer uma das marcas referidas....mas sim uma marca concorrente ;-)

    Cumprimentos
    Concordam com este comentário: rsa.construcoes
      Mau exemplo.jpg
  2.  # 2

    LOLOL...
  3.  # 3

    Boa noite,

    Ora aqui vai mais um exemplo de uma má finalização de um sistema etics.
    Na imagem podem ver a aplicarem o revestimento final num belo dia de inverno (hoje) e a chover.
    Depois surgem as criticas ao sistema...

    Cumprimentos
      Etics2.jpg
    • TOM
    • 15 Fevereiro 2011

     # 4

    Bom dia,
    Acho que vi ainda pior, numa construção a seco choveu em cima do osb e estavam a aparafusar a esferovite também com chuva.....
    •  
      alv
    • 15 Fevereiro 2011 editado

     # 5

    Vivam!

    Piso Radiante:

    É exactamente isto que me parece ser o bresilius da questão. Já o referi noutros post´s, mas nenhum comentário:

    Será que ninguém chama à perna os projectistas que escrevem estes cadernos de encargos. Imagine o construtor a cumprir esse disparate, fiscalizado por fiscal daqueles que nos aparecem em obra e que acabados de sair das faculdades, só sabem ler e pedir papeis. Quem vai ser responsável? O sistema, O instalador, Quem?

    Não imaginam os disparates de memórias descritivas de cadernos de encargos de conceituados e menos conceituados projectistas (chamo-lhes assim, para que a classe visada não me caia em cima) me aparecem diariamente. Tenho uma pasta com "paletes" delas em que intitulo de "mimos e disparates". Reparem que só reparo naquilo em que domino; Imaginem o que vem descrito daquilo que nós não dominamos das outras especialidades.

    Por isso continuo a perguntar: E os projectistas que preconizam disparates e soluções disparatadas, ninguém é responsável?

    "Fassam" parte
    Concordam com este comentário: josealmeida
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Toinalmeida
  4.  # 6

    Boa tarde,

    Será que ninguém chama à perna os projectistas que escrevem estes cadernos de encargos
    Serão que são eles os unicos culpados ou algumas marcas passam a mensagem errada?

    Imagine o construtor a cumprir esse disparate
    Cumprem e dizem "ámen".
    Dou-lhe um exemplo, que como é da área, provavelmente saberá. Em finais de 2008 foi aprovado o DL 220 regime jurídico da segurança contra incêndios em edifícios, abreviadamente designado por SCIE. Em determinada altura remete-nos para a Portaria 1532 tb de 2008. Essa portaria entre muitas especificidades abordar especificamente as conformidades que um sistema etics deverá ter. Não imagina o nº de obras feitas actualmente que têm aplicados produtos que não cumprem a legislação nacional.
    Desconhecimento de quem? Ou serão mais as velhas "ligações" para as marcas deste ou daquele projectista?....enfim.

    Quem vai ser responsável? O sistema, O instalador, Quem?
    Pela mesma legislação que referi anteriormente só escapa o instalador.

    Deixo apenas mais um foto, que já tinha deixado noutro post, mas que no fundo mostra mais uma aplicação errada da solução de isolamento térmico pelo exterior.
    E neste caso estamos perante uma marca de topo aplicada por um aplicador certificado pela marca.
    Na imagem vemos a fibra de vidro a ser aplicada directamente sobre o EPS quando deveria existir um barramento prévio para incorporar posteriormente a fibra de vidro.
    Neste caso o aplicador poupou alguma argamassa de barramento e poupou um procedimento no entanto a probabilidade de problemas aumentou substancialmente. Imagem se fosse o revestimento de uma escola....

    Cumprimentos
      Rede mal aplicada.jpg
    • eu
    • 15 Fevereiro 2011

     # 7

    Colocado por: Piso RadianteNa imagem vemos a fibra de vidro a ser aplicada directamente sobre o EPS

    Na minha casa estavam a começar a fazer isso, pois é muito mais fácil e rápido de aplicar a rede.

    Mandei parar a aplicação e instruí-os a cumprir as regras do sistema. Lá começaram a trabalhar como deve ser, mas muito a contragosto... tomara, aplicar primeiro uma camada de barramento e só depois a rede dá muito mais trabalho...
  5.  # 8

    se o problema em cima fosse so a rede
  6.  # 9

    se o problema em cima fosse so a rede


    Ou é engano das fotos, ou não existe cruzamento entre as placas, estão todas alinhadas???
    Concordam com este comentário: PedroRR
    •  
      alv
    • 16 Fevereiro 2011 editado

     # 10

    Vivam!

    ......porque.....


    Colocado por: pdavidmarquesse o problema em cima fosse so a rede


    ...........acabe lá com o suspense! É aqui que é necessário que "Fassam" parte!
  7.  # 11

    Colocado por: alvVivam!

    ......porque.....




    ...........acabe lá com o suspense! É aqui que é necessário que "Fassam" parte!
    e do batista ou da minha vista, mas não vejo por exemplo as buchas de fixação? mas como ja referi noutros topicos não falo mal do trabalho de ninguem, haveria mais uma ou duas questões, mas tambem não vou referir, como alguem por vezes recomenda peçam sempre produtos certificados e na mão de obra pedir instaladores oficiais das marcas ( julgo que seja isto )

    cumprimentos

    PDavid Marques
  8.  # 12

    Colocado por: pdavidmarquese do batista ou da minha vista, mas não vejo por exemplo as buchas de fixação? mas como ja referi noutros topicos não falo mal do trabalho de ninguem, haveria mais uma ou duas questões, mas tambem não vou referir, como alguem por vezes recomenda peçam sempre produtos certificados e mão de obra certificada ( julgo que seja isto )

    cumprimentos

    PDavid Marques
    peço desculpa não sei como retirar o comentario, é que afinal ja vi a fixação esta por menos uma vejam, um prego de meia galiota, não tinha reparado
  9.  # 13

    Boa noite,

    Tenho uma vivenda geminada (apenas num dos lados) na zona de Lisboa com cerca de 40 anos. Para correcção de pontes térmicas e melhoramento do conforto térmico estava a pensar aplicar a solução de isolamento ETICS:

    1. A intervenção de isolamento ETICS não carece de autorização camarária uma vez que se está a intervencionar ou "alterar" a fachada da vivenda?

    2. Agradeço feedback de que quem tenha tido experiência real deste tipo de intervenção e sugestões de empresas que garantam uma boa qualidade de trabalho com produtos certificados ETICS.

    Obrigado
    paulovv
  10.  # 14

    Colocado por: paulovvTenho uma vivenda geminada (apenas num dos lados)


    Não conheço vivendas geminadas em mais do que um lado.
  11.  # 15

    Caro Picareta,

    Esclareço que no meu entenderde leigo normalmente exitem 3 tipos de vivendas em relação à sua configuração:

    A. Vivendas isoladas (não geminadas)
    B. Vivendas geminadas apenas num dos lados (estando o outro livre com terreno à volta)
    C. Vivendas geminadas nos 2 lados (ou em banda)

    A minha é do tipo B. No entanto a parte mais importante são os pontos 1 e 2.

    Obrigado,

    paulovv
  12.  # 16

    Colocado por: paulovvC. Vivendas geminadas nos 2 lados


    Conhecidas por moradias em banda.

    Felizmente isto não está legislado, podemos-lhe chamar o que quisermos. Estava só a picá-lo...está-me no sangue, como se percebe pelo meu nome.
  13.  # 17

    Boas,

    O ETICS é no fundo o vulgar Capoto, correcto?

    Eu julgo que é preciso licensiar a obra na câmara e pagar o "dizimo" sim, infelizmente.
    Há pouco ocorreu uma pequena obra de recuperação de um telhado e o construtor só avançou depois da respectiva licença estar confirmada.
    Em obras de grande visibilidade, julgo que é exigido... e os contrutores procuram evitar chatisses. Ou paga a licença ou paga aos fiscais! :)
  14.  # 18

    Colocado por: Piso RadianteBoa noite,

    Ora aqui vai mais um exemplo de uma má finalização de um sistema etics.
    Na imagem podem ver a aplicarem o revestimento final num belo dia de inverno (hoje) e a chover.
    Depois surgem as criticas ao sistema...

    Cumprimentos
      Etics2.jpg


    Na minha moradia também começaram a aplicar o capoto, entretanto começou este tempo e pararam (está uma parede revestida). Como hoje caiu muita saraiva para estes lados (zona do vale do sousa) a minha dúvida é se a saraiva não terá dado cabo do material que está exposto!?

    Não tive oportunidade de passar na obra a ver se estava alguma coisa danificada...
  15.  # 19

    Boa noite,

    se o problema em cima fosse so a rede

    A rede além de estar directamente aplicada sobre o EPS tb me parece não ter a qualidade que deveria. As deformações que apresenta nas imagens não deveriam acontecer e existindo simplesmente não deveria ser utilizada.
    Esta aplicação tem várias potenciais problemas:
    - espessura de 3cm: do ponto de vista de estabilidade dimensional do EPS não é de todo uma escolha tranquila.
    - nº de buchas: existem mas em nº insuficiente; tratando-se de uma remodelação deveria levar no minimo 6/m2. Devido ao facto de usarem EPS com 3cm optaria pelo menos por 8/m2.

    Ou é engano das fotos, ou não existe cruzamento entre as placas, estão todas alinhadas???

    Estão travadas. Tenho fotos melhores onde se pode ver o travamento contudo têm a marca estampada...logo opto por não as colocar mas, é uma das marcas de referência em Portugal.

    como alguem por vezes recomenda peçam sempre produtos certificados e mão de obra certificada ( julgo que seja isto )

    Produtos certificados à priori ninguém pode aldrabar agora mão de obra certificada?
    Certificada por quem? Quem fiscaliza?
    O exemplo acima da rede é um trabalho de uma marca com conformidade e executada por uma empresa certificada pela marca.
    Vejo o exemplo.

    A intervenção de isolamento ETICS não carece de autorização camarária uma vez que se está a intervencionar ou "alterar" a fachada da vivenda?
    Se "invadir " a via publica e/ou alterar a estética da moradia precisará das respecticas autorizações.
    Encare o revestimento etics como uma pintura. De qualquer forma consulte a sua junta de freguesia e/ou camara municipal e coloque a sua dúvida.
    Existem autarquia que cobram uma taxa qualquer....em Oeiras sei que é simbólica.

    O ETICS é no fundo o vulgar Capoto, correcto?

    Correcto.

    Na minha casa estavam a começar a fazer isso, pois é muito mais fácil e rápido de aplicar a rede.
    Mandei parar a aplicação e instruí-os a cumprir as regras do sistema

    Ao que nós chegámos!!!
    O cliente a alertar o aplicador e depois insistem no conceito de "aplicador certificado pela marca".
    Não seja o cliente a "abrir a pestana" e muitas vezes leva autenticos barretes qd se agarra ao "aplicador certificado pela marca".

    Cumprimentos
  16.  # 20


    Produtos certificados à priori ninguém pode aldrabar agora mão de obra certificada?
    Certificada por quem? Quem fiscaliza?
    O exemplo acima da rede é um trabalho de uma marca com conformidade e executada por uma empresa certificada pela marca.
    Vejo o exemplo.
    caro piso radiante peço desculpa pelo lapso o que quis dizer foi instaladores oficiais das marcas, isto escrever colocar o comentario sem ler primeiro e o que da, mas presumo que tenha entendido o que eu quis dizer, obrigado

    rectificado