Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 121

    Ao contrario este era só barro, obra em tempo de chuva.
      DSCF7378.jpg
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 122

    Colocado por: zedasilvaNão são é para construir com sapatas isoladas de 50x50

    Exatamente, o importante é que a tensão de cedência das fundações seja a adequada
  4.  # 123

    Colocado por: riscosAo contrario este era só barro

    São os piores.
    A minha casa está implantada num desses, uma boa me...
  5. Procura serviços ou materiais para a sua casa? Contrate quem ajuda no fórum.

  6.  # 124

    Colocado por: zedasilvaO problema é na realidade isso não existe. O empreiteiro abre um buraco com 1m a 1,5m e toca a encher aquilo de betão.

    Se o DT e a fiscalização não assumem as suas responsabilidades, isso é outra história.
    Eu sempre que fui DT de uma obra estava lá na altura em que a retro fazia os primeiros buracos para saber com o que contar. Já me aconteceram casos de ter de passar de sapatas para ensoleiramento, ou mesmo ter que executar fundações indiretas em estacas de betão moldado; e também o contrário já me aconteceu: a 50cms de profundidade aparecer rocha dura.
    Em todos estes casos o custo para o DO foi praticamente o mesmo que teria caso tivesse sido feita uma sondagem antes do projeto de estabilidade.
  7.  # 125

    Colocado por: J.FernandesSe o DT e a fiscalização não assumem as suas responsabilidades, isso é outra história.

    Certo.
    Mas infelizmente ainda é uma história bastante comum nas nossas obra.
  8.  # 126

    Dt só serve para encher chouriço!!
  9.  # 127

    Colocado por: riscosDt só serve para encher chouriço!!

    E para assinar o livro de obra no final.
  10.  # 128

    procure fissuras por assentamentos deferenciais na casa do vizinho.

    O assentamento diferenciais podem ter mais a ver com um mau projecto de fundações que com um mau terreno. Podem perfeitamente acontecer num terreno com boa tensão de segurança
    Concordam com este comentário: zedasilva, J.Fernandes
  11.  # 129

    Colocado por: j cardosoPodem perfeitamente acontecer num terreno com boa tensão de segurança

    Certo, mas mais um motivo para Jorge se acautelar
  12.  # 130

    E, ao contrário do que alguns querem fazer crer, a assunção à priori de uma capacidade média resistente do terreno por parte do projetista, é uma medida que em geral poupa dinheiro ao D.O. Por uma razão simples: é que, com o mínimo de bom senso por parte do projetista, só numa pequena minoria de casos é que a capacidade do terreno assumida não se verificará, ou seja, na maioria dos casos evitar-se-á uma sondagem em fase de projeto com todos os custos inerentes.
    Concordam com este comentário: Skinkx
  13.  # 131

    Colocado por: zedasilvaE para assinar o livro de obra no final.


    Não precisa, basta o Fiscal..
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Eng.Ricardo
  14.  # 132

    Colocado por: J.Fernandessó numa pequena minoria de casos é que a capacidade do terreno assumida não se verificará

    Certo!
    O problema é quando essa minoria bate à minha porta.

    Colocado por: J.Fernandesna maioria dos casos evitar-se-á uma sondagem em fase de projeto com todos os custos inerentes.

    Muitas vezes esse custo não vai além da vontade do DO em abrir um buraco no terreno.
  15.  # 133

    Colocado por: zedasilvaCerto!
    O problema é quando essa minoria bate à minha porta.

    Se é um procedimento que serve para 90% dos casos ou mais, eu chamo-lhe um bom procedimento.

    Colocado por: zedasilvaMuitas vezes esse custo não vai além da vontade do DO em abrir um buraco no terreno.

    Buraco esse que irá ser sempre aberto no início da obra, sem custos adicionais. Já mandar abrir um buraco em fase de projeto implica alugar uma retro durante umas horas, de acordo que não é um custo exorbitante, mas é sempre mais um custo.
  16.  # 134

    Colocado por: J.FernandesSe é um procedimento que serve para 90% dos casos ou mais, eu chamo-lhe um bom procedimento.

    Correto!
    Mas como eu enquanto DO só faço uma casa na vida, se puder fazer diferente tanto melhor.

    Colocado por: J.FernandesBuraco esse que irá ser sempre aberto no início da obra, sem custos adicionais.

    Correto!
    Mas quem me garante que já em fase de obra não encontro um terreno não é aquilo que eu esperava?
    Será que se tivesse essa certeza não teria projetado as coisas de maneira diferente?
    Será que o custo que vou ter agora não poderia ter sido evitado?
    Concordam com este comentário: two-rok
  17.  # 135

    Colocado por: zedasilvaSerá que se tivesse essa certeza não teria projetado as coisas de maneira diferente?
    Será que o custo que vou ter agora não poderia ter sido evitado?

    Teria projetado as fundações de maneira diferente, naturalmente. Assim, o projetista vai ter que adaptar as fundações à nova capacidade resistente do solo, e, a menos que o contrato entre o DO e o projetista seja muito diferente daquilo a que estou habituado a ver, o DO não terá quaisquer custos adicionais.
  18. Ícone informação Anunciar aqui?

  19.  # 136

    Colocado por: J.Fernandesa menos que o contrato entre o DO e o projetista seja muito diferente daquilo a que estou habituado a ver, o DO não terá quaisquer custos adicionais.

    Quando em obra se constata que afinal o terreno não serve para aquele tipo de fundação?
    Depende do projetista, o projeto até pode não pagar, mas vai pagar as novas fundações que são sempre mais caras.
    Se tivesse sido calculo tudo direitinho desde o inicio, o empreiteiro dava orçamento na mesma ao m2 e a obra ficava no mesmo preço.
  20.  # 137

    Colocado por: J.Fernandes
    Na maior parte dos casos, em obras correntes como moradias e prédios de apartamentos, o engenheiro projetista assume uma capacidade resistente do terreno média, e faz a ressalva de que esta capacidade deverá ser verificada em obra. Posteriormente, o diretor da obra é que terá a responsabilidade de a verificar e no caso de dúvida pedir um estudo geotécnico.


    Acho que o que diz o J.Fernandes é aquilo que está no meu projeto de estabilidade, pois a única referência que há relativamente à classificação do solo de fundação é isto que anexo em imagem
      IMG_20180129_151448_937.jpg
  21.  # 138

    E nisso que me previno prefiro uma Tensão admissível de 0.25Mpa, é mais seguro..
    Concordam com este comentário: Keepper
  22.  # 139

    Colocado por: zedasilvamas vai pagar as novas fundações que são sempre mais caras.

    Obviamente. Se o projeto já as contemplasse, teria que as pagar na mesma, ou não?

    Colocado por: zedasilvao empreiteiro dava orçamento na mesma ao m2 e a obra ficava no mesmo preço.

    Dê-me o contacto desses empreiteiros que levam o mesmo preço seja por x m3 de betão em sapatas, ou por x+y.
  23.  # 140

    Eu compreendo essas derrapagens que o Zedasilva fala. Por ex, no meu caso não foi realizado nenhum estudo geotécnico e a solução adoptada foi o PISO TÉRREO.

    Não estou com isto a querer dizer que com esse mesmo estudo realizado fosse diferente a escolha do método construtivo!

    Suponhamos então que o estudo foi feito e que se optou na mesma pelo PISO TÉRREO. As diferenças a meu ver serão principalmente estas:

    NÃO FOI FEITO ESTUDO:

    Os empreiteiros quando derem orçamento vão orçamentar aquilo por baixo (como é óbvio). Vão assumir que há terreno firme próximo da superfície e colocar na proposta apenas 30cm's de brita, 15cm's de massame, etc etc.....

    REALIZADO O ESTUDO:

    P.ex, encontrou-se terreno firme aos 2,5m de profundidade. Neste caso todos os empreiteiros responderão ao mesmo (resultado do cálculo exato) sem surpresas e derrapagens.

    E nestes dois casos aqui mencionados haverá (Á partida) mais custos nesta 2ªopção, mas aqui o cliente já sabe ao que vai, pois em vez dos 30cm's de brita já terão que ser 60cm's, o comprimento/altura dos pilares tb já terá de ser maior, logo mais ferro, mais betão, mais etc, etc...

    Ressalvo o Á PARTIDA!, E porquê?....porque no caso em que não foi feito o estudo e se dá com essas diferenças já em fase de obra, como já foi feita a escolha do empreiteiro, ele tirará partido dessa situação e o cliente ficará "entre a espada e a parede" porque ele irá orçamentar esse extra de uma forma bem maior não ficando o DO com muitas opções.

    Por isso, concordo com o Zedasilva e concluo que ficará sempre mais caro ao DO não fazer o estudo inicialmente. ISTO É APENAS A MINHA OPINIÃO!!!
    Concordam com este comentário: two-rok
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">