Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Bom dia,

    Após alguma pesquisa não consegui encontrar uma resposta concreta à minha dúvida pelo que solicito a vossa ajuda.

    Estou comprador de um terreno e ao perguntar na Câmara Municipal sobre informações acerca do mesmo fiquei a saber que está previsto no PDM uma estrada que atravessa o terreno, obriga a expropriação e ainda deixa uma pequena parcela do outro lado.
    Apesar disto, o meu maior problema e espanto é que me disseram que poderia dar-se o caso de ser eu a suportar os custos de infraestruturas e arruamento da parcela que atravessa este terreno.
    Para mim foi uma surpresa e não me faz qualquer sentido mas se me dizem é porque terá alguma razão de ser.
    Agora a questão que tenho é que não sei como obter informações cercas acerca desta situação e não sei como calcular os custos inerentes para poder negociar o valor final do terreno pois daí dependerá o interesse de compra ou não.

    Alguém já passou por esta situação? Como resolveu? Conseguem dar uma ordem de grandeza dos custos? Que informações devo pedir?

    Obrigado pela ajuda.
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 2

    Os custos com o arruamento não paga de certeza, agora se quer construir casa vai ter que pagar as infraestruturas necessárias, água, esgotos, electricidade, .... a executar no novo arruamento.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Schummy
  4.  # 3

    Essa parte eu entendo. A questão é se o terreno for atravessado por uma nova rua, como se processa a questão dos custos partindo do principio que já tenho as minhas ligações feitas na outra frente de rua do terreno.

  5.  # 4

    Colocado por: Schummycomo se processa a questão dos custos

    Que custos?
  6.  # 5

    Colocado por: Picareta
    Que custos?

    Da estrada que lá vai passar. Tal como referi no post inicial, a CM diz que terei de pagar eu a construção da estrada e infraestruturas que passarão dentro do meu terreno (além de ser expropriado).
  7.  # 6

    Humm acho q entendeu mal o q lhe foi comunicado...
  8.  # 7

    Alguém tem mais algum input acerca deste assunto?
    Obrigado.
  9.  # 8

    (partindo dos dados que aqui indicou) (e é uma opinião que vale o que vale)

    Se está previsto um arruamento em que terá de ser expropiado, diria que receberia dinheiro porque iria perder parte do terreno. E esse cálculo à partida seria feito com base no que esse terreno permitiria (de origem) construir.

    Se pretende construir uma casa, e nesse novo arruamento não existe infraestruturas: águas, esgotos, electricidade, comunicações. Essas sim, teria de pagar por elas. Pelo menos as 3 primeiras.

    No entanto, poderia tentar negociar com a câmara: em vez de receber o valor da expropiação, a câmara suportava os custos de infraestruturas do novo arruamento.
    E se tiver a coisa correr mesmo muito bem, poderia, caso o valor da expropiação fosse alto, negociar incluive as taxas urbanisticas da casa a construir. É pedir muito, mas pedir não custa.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Schummy
  10.  # 9

    Acho que isso nao vai acontecer.
    Sobre a parcela após a expropriação, teria que ser feito um loteamento, caso se pretendesse várias construções.
    Isto requer cedencias e compensações.

    Por outro lado, estar previsto a existencia de uma via pública, não garante a data em que a mesma venha a ser executada...


    Solução mais frequente: o particular faz o loteamento, contempla a nova rua, paga a execução da mesma e das infraestruturas e cede para dominio público. À semelhança de um loteamento normal.

    Colocado por: paulovalente(partindo dos dados que aqui indicou) (e é uma opinião que vale o que vale)

    Se está previsto um arruamento em que terá de ser expropiado, diria que receberia dinheiro porque iria perder parte do terreno. E esse cálculo à partida seria feito com base no que esse terreno permitiria (de origem) construir.

    Se pretende construir uma casa, e nesse novo arruamento não existe infraestruturas: águas, esgotos, electricidade, comunicações. Essas sim, teria de pagar por elas. Pelo menos as 3 primeiras.

    No entanto, poderia tentar negociar com a câmara: em vez de receber o valor da expropiação, a câmara suportava os custos de infraestruturas do novo arruamento.
    E se tiver a coisa correr mesmo muito bem, poderia, caso o valor da expropiação fosse alto, negociar incluive as taxas urbanisticas da casa a construir. É pedir muito, mas pedir não custa.
  11.  # 10

    Isso depende de quem quer fazer a via.
    Se é a câmara ou o proprietário.

    Se for o proprietário, é claro que ele suporta todos os custos.
    Se for a câmara a interessada, é a câmara que suporta os custos.

    Agora o timming, isso é toda uma outra grande questão.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Schummy
  12.  # 11

    Falo é da solução que, na prática, é encontrada na maior parte das vezes.

    Colocado por: paulovalenteIsso depende de quem quer fazer a via.
    Se é a câmara ou o proprietário.

    Se for o proprietário, é claro que ele suporta todos os custos.
    Se for a câmara a interessada, é a câmara que suporta os custos.

    Agora o timming, isso é toda uma outra grande questão.
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">