Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Boas a todos,

    Possivelmente este assunto já foi aqui discutido mas dou por mim a ver publicações algo antigas e que não se reflectem aos tempos de agora, mas de qualquer maneira cá vai.

    Neste momento estou a pensar sair de casa dos pais com a minha namorada, tenho 26 anos ela 29, ela ganha 690€, eu irei mudar de emprego e vou ganhar 800€ pelo menos durante 8 meses, somos da zona de Leiria.
    Acontece que eu sou da opinião que a mudar seja de vez, mas a falta de experiência leva-me a ter algumas dúvidas em relação ao que precisamos financeiramente para viver uma vida "digna".

    Falando de números, temos neste momento 47000€ como "pé de meia", e a opção de arrendamento é para esquecer, uma renda em Leiria ronda os 400€ a 500€ e é ai que entra a opção de comprar uma casa/apartamento.
    Dentro do que andei a ver não queria comprar nada acima dos 120000€, ou seja, não pedir mais de 2/3 do que temos como "pé de meia" ao banco, mas por mais que faça as contas dos possíveis gastos de viver por minha conta acho que falta sempre algo, e gostava que realmente quem passe por estes custos todos os dias me possa dar uma ideia desse mesmo custo, por exemplo, luz/agua/gás, comida, etc etc.

    Despesas fixas mensais que tenho em mente são:
    -90€ luz/água/gás
    -50€ tv/net/telemóveis
    -300€ alimentação (nesta tenho muitas dúvidas)
    -160€ combustíveis (talvez menos visto que iríamos ficar a menos de 10km do trabalho cada um)
    -60€ despesas com 2 carros a nível de impostos
    -230 a 400€ para prestação da casa (890€ - 1060€ dependendo do tempo da prestação)
    -16€ IMI (arrendondei para 200€ ano não sei será o mais correcto)
    -30€ condominio


    Com isto também queria perceber a vossa opinião sobre quantos anos deveria pagar um empréstimo de 80000€, partindo sempre do pior cenário que é os 1200/1400€ mensais.

    - a 20 anos a prestação seria aproximadamente 390€
    - a 30 anos a prestação seria aproximadamente 280€
    - a 40 anos a prestação seria aproximadamente 230€

    (valores tirados do simulador do Crédito Agrícola, usei este por ser o banco que utilizo)

    Ao mesmo tempo, saber se existem alguns apoios para habitação jovem e quais (se conhecerem claro, foi o meu irmão que me falou nisto)
    Eventualmente e se o futuro assim quiser o meu vencimento irá subir, neste momento sou pintor automóvel em progressão de carreira, mas sendo eu um bocadinho pessimista prefiro fazer as contas pelo pior cenário pois nunca se sabe o dia de amanha...

    Bem com isto dito venham daí essas opiniões e experiências de vida!

    EDIT: adicionei condominio e IMI

    Cumprimentos,
    Tankian
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 2

    Boas.
    Não se esqueça que os juros estão historicamente baixos, e têm maior probabilidade de subir do que baixar.
    Pode demorar uns anos, mas tenha em conta a subida destes durante a duração do empréstimo.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: tankian
  4.  # 3

    Boa noite. Tenho a minha vida organizada mais ou menos por esses valores. Na altura da compra da casa tive de investir um pouco do pé de meia nas obras de restauração da mesma. Se conseguir comprar a casa pretendida e manter o pé de meia no valor dos 10 ou 20 mil, Consegue pagar as suas contas e ainda se dar a luxos regularmente. Desde que nao se descontrole claro :)
    Estas pessoas agradeceram este comentário: tankian

  5.  # 4

    Uma forma de 'fixar' a prestação é contratar taxa fixa, mas esta opção é mais 'cara' neste período de taxas muito baixar sendo que podem gerar 'ganhos' num cenário de subida das taxas de juro
    Estas pessoas agradeceram este comentário: tankian
  6.  # 5

    Colocado por: tankianBoas a todos,

    Possivelmente este assunto já foi aqui discutido mas dou por mim a ver publicações algo antigas e que não se reflectem aos tempos de agora, mas de qualquer maneira cá vai.

    Neste momento estou a pensar sair de casa dos pais com a minha namorada, tenho 26 anos ela 29, ela ganha 690€, eu irei mudar de emprego e vou ganhar 800€ pelo menos durante 8 meses, somos da zona de Leiria.
    Acontece que eu sou da opinião que a mudar seja de vez, mas a falta de experiência leva-me a ter algumas dúvidas em relação ao que precisamos financeiramente para viver uma vida "digna".

    Falando de números, temos neste momento 47000€ como "pé de meia", e a opção de arrendamento é para esquecer, uma renda em Leiria ronda os 400€ a 500€ e é ai que entra a opção de comprar uma casa/apartamento.
    Dentro do que andei a ver não queria comprar nada acima dos 120000€, ou seja, não pedir mais de 2/3 do que temos como "pé de meia" ao banco, mas por mais que faça as contas dos possíveis gastos de viver por minha conta acho que falta sempre algo, e gostava que realmente quem passe por estes custos todos os dias me possa dar uma ideia desse mesmo custo, por exemplo, luz/agua/gás, comida, etc etc.

    Despesas fixas mensais que tenho em mente são:
    -90€ luz/água/gás
    -50€ tv/net/telemóveis
    -300€ alimentação (nesta tenho muitas dúvidas)
    -160€ combustíveis (talvez menos visto que iríamos ficar a menos de 10km do trabalho cada um)
    -60€ despesas com 2 carros a nível de impostos
    -230 a 400€ para prestação da casa (890€ - 1060€ dependendo do tempo da prestação)


    Com isto também queria perceber a vossa opinião sobre quantos anos deveria pagar um empréstimo de 80000€, partindo sempre do pior cenário que é os 1200/1400€ mensais.

    - a 20 anos a prestação seria aproximadamente 390€
    - a 30 anos a prestação seria aproximadamente 280€
    - a 40 anos a prestação seria aproximadamente 230€

    (valores tirados do simulador do Crédito Agrícola, usei este por ser o banco que utilizo)

    Ao mesmo tempo, saber se existem alguns apoios para habitação jovem e quais (se conhecerem claro, foi o meu irmão que me falou nisto)
    Eventualmente e se o futuro assim quiser o meu vencimento irá subir, neste momento sou pintor automóvel em progressão de carreira, mas sendo eu um bocadinho pessimista prefiro fazer as contas pelo pior cenário pois nunca se sabe o dia de amanha...

    Bem com isto dito venham daí essas opiniões e experiências de vida!


    Cumprimentos,
    Tankian

    Sem pensar muito ..fazia taxa fixa a 30 anos e disciplinava me para amortizar sempre que possível...vivia descansado sem pensar em carrosséis a subir a descer... á 4 anos andava nos 5.5 % ....mais spread...confirme só quanto ficaria a pagar se a taxa aumentasse 5% ...duplicou ou triplicou a prestação...? Consulte a union de créditos imobiliários...fazem por volta de 2.90 já com spread e poupa dinheiro nos seguros pq pode fazer fora...
  7.  # 6

    Colocado por: amartinsBoas.
    Não se esqueça que os juros estão historicamente baixos, e têm maior probabilidade de subir do que baixar.
    Pode demorar uns anos, mas tenha em conta a subida destes durante a duração do empréstimo.


    Sim isso é uma verdade, o meu irmão fez a 40 anos, mas parte de mim custa a aceitar estar tanto tempo preso a um empréstimo.

    Colocado por: Miguel_Coelho24Boa noite. Tenho a minha vida organizada mais ou menos por esses valores. Na altura da compra da casa tive de investir um pouco do pé de meia nas obras de restauração da mesma. Se conseguir comprar a casa pretendida e manter o pé de meia no valor dos 10 ou 20 mil, Consegue pagar as suas contas e ainda se dar a luxos regularmente. Desde que nao se descontrole claro :)


    Sim a ideia nunca seria investir o "pé de meia" na totalidade, é sempre bom termos algum para um imprevisto.
    O que me mete mais confusão é chegar ao fim do mês e ter apenas 200€ ou 300€ para colocar de parte...

    Já agora aproveito para perguntar a parte da alimentação acha suficiente?
  8.  # 7

    Colocado por: smart
    Sem pensar muito ..fazia taxa fixa a 30 anos e disciplinava me para amortizar sempre que possível...vivia descansado sem pensar em carrosséis a subir a descer... á 4 anos andava nos 5.5 % ....mais spread...confirme só quanto ficaria a pagar se a taxa aumentasse 5% ...duplicou ou triplicou a prestação...? Consulte a union de créditos imobiliários...fazem por volta de 2.90 já com spread e poupa dinheiro nos seguros pq pode fazer fora...


    Lá está essa parte acho que será a pior, decidir como quero pagar o empréstimo, mas pronto daí procurar as vossas opiniões e tirar algumas ilações delas.
  9.  # 8

    Colocar de parte, eheheh... se sobrarem em média 100euros de parte já é fixe... há os invernos, não vão comprar um T1, será um T3/T3+1,... os 90euros de despesas sao um bocadinho optimistas, talvez se tiver AQS para contrabalançar no verão...

    Ha os eletromesticos que avariam, os passeios de fds, as férias e de vez em quando o jantar fora para sair da rotina...

    Sobra pouquinho, pode sobrar mais mas é dificil resistir a certas coisas...
  10.  # 9

    Tankian
    Também eu quando comprei a minha 1 casa (apartamento) fiz crédito à 35 anos com ideias de o pagar ASAP, bem me enganei :
    - conheci a minha mulher
    - aproveitar os tempos a dois e passear um pouco
    - ela vir morar comigo
    - o casamento
    - 2 filhos (um de 7 e outro de 3)
    E quase 15 anos depois ainda vivia no mesmo apartamento até que parti para a construção (comecei o ano passado)

    Entretanto as prioridades mudam e o que dizemos que cremos fazer hoje, amanhã pode acontecer algo que muda esses planos.

    Com isto apenas pretendo referir que, na minha modesta opinião, a casa que comprar têm de acomodar possíveis mudanças de planos.
    Pensando racionalmente procure um prazo o mais alargado possível, pois como pode amortizar em qualquer momento o valor final é relativo.
    Procure algo que lhe permita ter alguns luxos/poupanças (mesmo que não os use, desta forma se mudar de planos terá menos preocupações e essas mudanças serão mais naturais
  11.  # 10

    Ve uma casa que gostes faz o credito ao maior tempo possivel, esquece o seres velho e ainda estares a pagar a casa, interessa é baixar ao maximo a prestacao para teres a melhor qualidade de vida agora.

    O dinheiro parece chegar mas só agora em teoria, desses 47000, 7 vao logo para escrituras impostos e afins, das 30 de entrada, guardas 10 para mobilar a casa, pedes 70000 ficas a pagar por volta de 250 por mes, facilmente gastas o teu ordenado na prestaocao, despesas etc, sobrar nao deve de sobrar muito, quando sobra o mundo encarrega.se de o levar, o carro berra, avaria algo em casa, vais a uma festa e compras uma prendinha, compras uma roupinha lolol..
    Concordam com este comentário: Nelhas, desofiapedro, mandrongo
  12.  # 11

    Colocado por: tankianBoas a todos,

    Possivelmente este assunto já foi aqui discutido mas dou por mim a ver publicações algo antigas e que não se reflectem aos tempos de agora, mas de qualquer maneira cá vai.

    Neste momento estou a pensar sair de casa dos pais com a minha namorada, tenho 26 anos ela 29, ela ganha 690€, eu irei mudar de emprego e vou ganhar 800€ pelo menos durante 8 meses, somos da zona de Leiria.
    Acontece que eu sou da opinião que a mudar seja de vez, mas a falta de experiência leva-me a ter algumas dúvidas em relação ao que precisamos financeiramente para viver uma vida "digna".

    Falando de números, temos neste momento 47000€ como "pé de meia", e a opção de arrendamento é para esquecer, uma renda em Leiria ronda os 400€ a 500€ e é ai que entra a opção de comprar uma casa/apartamento.
    Dentro do que andei a ver não queria comprar nada acima dos 120000€, ou seja, não pedir mais de 2/3 do que temos como "pé de meia" ao banco, mas por mais que faça as contas dos possíveis gastos de viver por minha conta acho que falta sempre algo, e gostava que realmente quem passe por estes custos todos os dias me possa dar uma ideia desse mesmo custo, por exemplo, luz/agua/gás, comida, etc etc.

    Despesas fixas mensais que tenho em mente são:
    -90€ luz/água/gás
    -50€ tv/net/telemóveis
    -300€ alimentação (nesta tenho muitas dúvidas)
    -160€ combustíveis (talvez menos visto que iríamos ficar a menos de 10km do trabalho cada um)
    -60€ despesas com 2 carros a nível de impostos
    -230 a 400€ para prestação da casa (890€ - 1060€ dependendo do tempo da prestação)
    -16€ IMI (arrendondei para 200€ ano não sei será o mais correcto)
    -30€ condominio


    Com isto também queria perceber a vossa opinião sobre quantos anos deveria pagar um empréstimo de 80000€, partindo sempre do pior cenário que é os 1200/1400€ mensais.

    - a 20 anos a prestação seria aproximadamente 390€
    - a 30 anos a prestação seria aproximadamente 280€
    - a 40 anos a prestação seria aproximadamente 230€

    (valores tirados do simulador do Crédito Agrícola, usei este por ser o banco que utilizo)

    Ao mesmo tempo, saber se existem alguns apoios para habitação jovem e quais (se conhecerem claro, foi o meu irmão que me falou nisto)
    Eventualmente e se o futuro assim quiser o meu vencimento irá subir, neste momento sou pintor automóvel em progressão de carreira, mas sendo eu um bocadinho pessimista prefiro fazer as contas pelo pior cenário pois nunca se sabe o dia de amanha...

    Bem com isto dito venham daí essas opiniões e experiências de vida!

    EDIT: adicionei condominio e IMI

    Cumprimentos,
    Tankian



    E daqui a 8 meses? Ganha mais?
  13.  # 12

    Faça bem as suas contas... Está a fazê-las muito por baixo...
    Não quero desanimá-lo mas achar que como pintor de automóveis vai ganhar muito mais de 800€ nos próximos anos é ser muito optimista...
    Quanto à outras contas:

    Despesas fixas mensais que tenho em mente são:
    -90€ luz/água/gás - talvez um pouco mais
    -50€ tv/net/telemóveis - cá por casa TV/net/telemóveis cerca de 65€/mês (somos 2 pessoas)
    -300€ alimentação (nesta tenho muitas dúvidas)- dependendo dos vossos hábitos pode chegar
    -160€ combustíveis (talvez menos visto que iríamos ficar a menos de 10km do trabalho cada um) - se não andarem por muito longe ao fim de semana
    -60€ despesas com 2 carros a nível de impostos - isso apenas dará para os IUC se ambos os carros forem de baixa cilindrada e matriculados a ntes de Julho de 2007, faltam duas inspecções anuais (31.43€X2) mais a manutenção dos respectivos carros, faltam os seguros de ambos os carros (cerca de 200€x2)
    -230 a 400€ para prestação da casa (890€ - 1060€ dependendo do tempo da prestação) - não esquecer de acrescentar os respectivos seguros
    -16€ IMI (arrendondei para 200€ ano não sei será o mais correcto) - não chega se comprar uma casa de 120.000€ mesmo pagando a taxa mais baixa na sua zona (este ano 0.3%) dá um custo anual com o IMI de 360€
    -30€ condominio - talvez não chegue principalmente se o edificio tiver elevador
    - falta roupa e calçado, assim como outras despesas eventuais como jantares fora, aniversários, etc...
    Não se esqueça do valor a gastar na escritura/crédito assim como a compra de mobilia para a casa.
    Pondere bem e faça as suas contas novamente...
    Boa sorte
    Concordam com este comentário: mandrongo
  14.  # 13

    Boas,

    Posso deixar aqui a minha experiência e a minha forma de abordar a questão:

    Quando eu e a minha mulher optamos por comprar casa, decidimos encontrar uma casa cujo o preço do crédito todos os mês, a vulgar prestação, na sua totalidade ( prestação, seguros, etc) fosse passível de ser paga , se ambos ganharmos o salário mínimo nacional, contanto claro com o resto das despesas.
    Neste momento os nossos empregos dão-nos um retorno muito superior ao valor de 2 salários mínimos e mesmo assim continuamos com a mesma perspetiva de vida e na mesma casa. Em caso extremo , de situações de desemprego , doença , ou empregos a ordenados baixos , continuamos a poder paga-la.
    A nossa escolha de casa na altura passou por uma casa antiga, de boas dimensões , que permitisse ser alvo de remodelações a medida que o agregado familiar crescesse e que o dinheiro permitisse.
    Renovamos primeiro o suficiente para os 2. E vivemos 6 anos num espaço pequeno, onde só tenho boas recordações.
    Veio um filho , e renovamos mais um pouco , e agora estamos a renovar mais um pedaço , pensando noutro.
    Escolhemos pagar a 40 anos com a prestação mais baixa. Ok, vamos pagar mais em juros e toda a vida? Vamos.
    Mas na minha modesta opinião, a menos que tenha uma profissão de retorno exponencial a médio prazo, com filhos e com alguns luxos ( passear, uns jantares fora, uns brinquedos pós putos, etc.) dificilmente vai poupar para amortizar em quantidades significativas.
    O típico agregado familiar português tendo em conta o nível médio de rendimentos, vai pagar a casa até morrer.
    É ter consciência de que é uma prestação para o resto da vida.
    Compramos uma casa velha grande, e fomos renovando a medida do espaço que precisamos e que faz falta.
    Foi assim que o meu avô sempre me ensinou. Dizia ele, quando deres por ela, aos poucos, vais chegar lá. À casa que sonhas. Mas vai devagar.
    Para lhe explicar com dados concretos , e repito , não ganhamos ordenados mínimos :
    Até a cerca de 15 dias, tivemos sempre uma televisão de 32 na sala onde vimos tudo durante 6 anos.
    6 anos durou um frigorifico á antiga, que já tinha sido comprado em 2000.
    A minha opinião pessoal, e já a expressei aqui em outros tópicos :
    Nem todos podem ter casas super modernas com coberturas lindas e mil e uma janelas.
    Nem todos podem ter televisões de 1800 euros, mais BMW ou Mercedes a porta e frigoríficos americanos.
    Ter uma casa simples , com coisas simples, com estores de rolo ou de mola, sem ar condicionado , não mata ninguém e não é vergonha nenhuma.
    Se quer comprar, se gosta da casa , e se a prestação é jeitosa, compre.
    Se quer alguma segurança , procure analisar o sitio onde vai comprar, em quanto é avaliada, quais as casas a volta, acessos, e procure perceber se mesmo que o mercado imobiliário caia, se consegue em situação de aperto pelo menos vender e livrar-se do crédito.

    Agora se for ponderado e racional q.b, deve faze-lo sem dramas.

    Abraço
    Concordam com este comentário: Mariasevera, Ivo M, Jota5, Toino
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Mariasevera, Toino
  15.  # 14


    Sem pensar muito ..fazia taxa fixa a 30 anos e disciplinava me para amortizar sempre que possível...vivia descansado sem pensar em carrosséis a subir a descer... á 4 anos andava nos 5.5 % ....mais spread...confirme só quanto ficaria a pagar se a taxa aumentasse 5% ...duplicou ou triplicou a prestação...? Consulte a union de créditos imobiliários...fazem por volta de 2.90 já com spread e poupa dinheiro nos seguros pq pode fazer fora...


    ???
    Há 4 anos andava nos 5,5%???? o tempo passa mais depressa do que pensa...
    Há 4 anos a Euribor a 6 meses ( a mais utilizada na altura) andava em 0%!!!! E a 12 meses andava nos 0,1%!!
    Quase 5,5% atingiu em 2008, há 11 anos portanto, tendo começado esse ano a 4,7 e terminado a 2,97%.
    Todos os que fizeram taxa fixa, pelo menos nos últimos 20 anos, e para trás não vi, se é que há 20 anos havia essa possibilidade, perderam MUITO dinheiro, TODOS!!
    Ainda este mês a Euribor desceu...E o único banco que pagava transferências gratuitas de crédito com taxa fixa acabou de cancelar essa "oferta".
    Taxa fixa para amortizar??? Portanto além de pagar mais juros (porque é só disso que se trata) ainda fala em amortizar, pagando 2% pelo que valor que amortiza em vez de 0,5%... Bom negócio!!!
    Concordam com este comentário: Nelhas, Miguel_Coelho24
  16.  # 15

    Outra questão que devem pensar é a da propriedade do imóvel.
    Na eventualidade de uma separação (que hoje é muito comum...) como irá ser se as contribuições de ambos não forem idênticas em relação ao pé de meia e às prestações?
  17. Ícone informação Anunciar aqui?

  18.  # 16

    Colocado por: smst16€ IMI (

    Há isenção para habitação própria permanente.
  19.  # 17

    Colocado por: tankian-60€ despesas com 2 carros a nível de impostos

    Só?

    Eu só com o meu pago 250€ de impostos/ano.
  20.  # 18

    Taxa Fixa?
    Estou com o Luís, não faz sentido nenhum.
    Até porque é uma questão de pensar no modelo de negócio apresentado de forma bastante simples:
    Se precisamos do dinheiro de alguém, esse dinheiro têm um custo. Concordo.
    O juro desse dinheiro é taxado pelo financiador com base em taxas variáveis, que o financiador apresenta e demonstra, tanto termos de previsões como de montantes.
    Quanto mais tempo para pagar, mais juros. Concordo.
    Se a taxa subir, paga mais. Se descer paga menos.
    È com isso também que o financiador paga ao seu próprio financiador.
    Os Bancos pedem dinheiro emprestado, para nos emprestar. Conforme as condições que o obtêm, conforme as condições que o emprestam.
    Ganham dinheiro com isso? Claro. Principalmente se conseguirem financiar-se a condições que permitam circular esse financiamento a alguém a condições ainda melhores. Melhores para eles claro.
    Ao pedir ao financiador, para suportar perdas ou ganhos com base na subida das taxas, pagando sempre o mesmo, alguém acha que o financiador é parvo?
    O custo dessa segurança para a pessoa têm de ser muito elevado.
    Eu empresto dinheiro a alguém com base em juros indexados á subida do preço do arroz.
    Se o devedor me pede para pagar sempre o mesmo , independentemente do mercado, eu como financiador passo a assumir 3 riscos.
    O risco do dinheiro emprestado, o risco da desvalorização do bem hipotecado, e o risco de suportar as subidas do preço do arroz.
    Na cadeia de financiamento eu passo a ter de suportar perante o 3 financiador o valor das subidas, podendo passar períodos a perder liquidez nessa operação.
    Para eu , banco fazer isso, tenho de lhe imputar valores que permitam retirar o máximo de proveito, de modo a minimizar o risco futuro.
    Ele pode nunca acontecer? Pode, excelente, o banco ganha toneladas de dinheiro consigo.
    E se acontecer?
  21.  # 19

    Tankian,

    Em primeiro lugar, deixe-me elogiá-lo pela sua prudência.
    Em segundo lugar, pela clareza do seu raciocínio.
    Em terceiro lugar, pelo uso correctíssimo do português.
    Acredite que conheço muitos doutores que ao seu lado são uns grandes burros.

    Posto isto:

    Ao custo da prestação bancária tem de somar o condomínio (se apartamento) e também o IMI (dividido pelos doze meses do ano). Este é o "bolo" que pode comparar com a renda (no arrendamento o IMI é por conta do senhorio e normalmente o condomínio também).

    Ao ser proprietário tem também outro risco: qualquer problema em casa ou no condomínio (infiltrações, elevadores, coberturas, danos) são parcialmente por sua conta. Um prédio sem elevador pode ser uma boa ideia, pois normalmente é a parcela mais pesada no condomínio (e exercita as pernas nas escadas sem pagar ginásio).

    Será provavelmente preferível pedir um prazo mais alargado ao banco para pagar uma prestação menor, e amortizar quando lhe for possível. E os créditos podem ser renegociados: se daqui a algum tempo achar que as suas opções de hoje não são as melhores, pode negociar com o banco (ou outro banco) melhores condições.

    O único "espinho" no seu raciocínio, para mim, é "que a mudar seja de vez". Neste momento não há empregos para a vida, as coisas mudam, as circunstâncias alteram-se, os filhos nascem, etc... Pense num horizonte de médio prazo, mas não "de vez". As casas também se vendem e compram-se outras.

    Boa sorte, você parece ter espinha e cabeça no lugar para lidar com isto.
  22.  # 20

    Colocado por: Mariasevera
    Há isenção para habitação própria permanente.


    Durante poucos anos, mas na verdade paga um IMT à cabeça na compra equiparável à isenção.
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">