Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    A minha irmã e companheiro pediram-me para ser fiador de um crédito de habitação. Ambos efectivos, mas sem poupanças. Pediram até um crédito pessoal para a entrada da casa.

    A princípio disse que sim, mas depois de conversar com a minha cara metade, andar a ler no forum e pela internet fora, cada vez sinto-me mais desconfortável com a situação e só quero dizer não. Mas não sei como.

    Sempre fui péssima a dizer não, e há uns bons anos já os meus pais me pediram para ser fiador e na altura senti que não tinha opção porque ainda vivia com eles.

    Sei que a melhor forma é dizer simplesmente que não... Qualquer comentário ajuda. Muito obrigada a todos!

    É uma situação muito chata de se estar... por um lado, quero ajudar a minha irmã, mas por outro lado não quero compremeter o meu futuro financeiro.
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

    • size
    • 3 Janeiro 2020

     # 2

    Colocado por: daydreamer
    Como recusar pedido de fiador


    Poderá ser complicado, perante a sua mãe, mas...
    Necessita de apenas coragem para dizer NÂO, argumentado ....
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
  3.  # 3

    Volta à baila esta questão...

    Alguém sabe se existe alguma forma de fazer um documento que transfira plenos poderes ao fiador para vender a casa em caso de incumprimento? Ou isto é impossível? É que é a única forma que eu vejo de algum dia aceitar ser fiadora. E seria uma opção para o daydreamer.

    E se um dia precisar de fiador sinceramente preferia assim, pra não "lixar" o outro. De qualquer forma se entrasse numa situação complicada preferia vender a casa antes sequer de arranjar problemas com o banco.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
  4. Procura serviços ou materiais para a sua casa? Contrate quem ajuda no fórum.

  5.  # 4

    Infelizmente são muitos os casos em que os fiadores ficam sem a sua própria habitação, por causa do incumprimento dos devedores.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
  6.  # 5

    Bom dia, daydreamer

    Eu também demorei algum tempo a aprender a dizer que não, e quando o fiz o único arrependimento foi não ter aprendido a fazê-lo mais cedo. Não é fácil, muda certamente a visão que os outros têm de nós, mudará certamente algumas dinâmicas e comportamentos, mas depois a coisa estabiliza, e é em tudo melhor.

    A sua irmã tem outras pessoas para quem se virar. Tem os seus pais, existirão também os pais do companheiro desta, e quiçá até irmãos. Portanto não há motivo algum para que, quando um familiar precisa de fiador, a Daydreamer seja sempre a comtemplada.

    Seja cordial, seja amável, mas acima de tudo seja honesta e faça valer a sua vontade. A vida é sua, é livre de tomar as suas decisões, sejam elas quais forem. Não é errado, nem a torna má pessoa, estabelecer limites e dizer que não.

    Diga à sua irmã que prefere que ela procure outros fiadores. Que se precisarem de outro tipo de ajuda, a pode procurar, e que fará o seu melhor para a ajudar, sempre que dentro das suas possibilidades e do razoável. Diga que não se sente à vontade, que já passou pela experiência, e que tão cedo não a quer repetir.
    Concordam com este comentário: imo, mmgreg, daydreamer, Sr.io
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
  7.  # 6

    Bom dia,
    Apesar de ser uma situação delicada, que provavelmente será motivo para umas discussões, não tem de recear dizer não se sentir confortável. O mais simples é saber exactamente porque se sente desconfortável, por ex. não ter capacidade financeira para fazer face a esse empréstimo em caso de incumprimento.

    Na maioria dos casos os bancos exigem fiadores quando identificam que pode vir a existir algum incumprimento – quer seja devido a uma taxa de esforço elevada, por apresentar uma situação financeira pouco estável, porque tem um historial de crédito irregular, etc.

    A grande maioria das pessoas não se apercebe que ao ser fiador assume o crédito com mais responsabilidades acrescidas que o próprio que pede o empréstimo uma vez que o fiador é o responsável pela dívida caso o cliente entre em incumprimento.

    Sugira procurar alternativas, outras instituições e sobretudo baixar a taxa de esforço do empréstimo não esquecendo nunca que as taxas de juro estão em mínimos mas que não se manterão para sempre assim.

    Votos de um bom ano
    Concordam com este comentário: Capuchinha, mario.nunes
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
  8.  # 7

    Acrescento que a Daydreamer estando num relacionamento, tendo uma cara metade, este tipo de decisões devem ser tomadas em equipa, porque afecta o casal, e não somente um dos membros.

    Porque se a Daydreamer aceitasse ser fiadora, e o pior cenário possível se tornasse realidade, não era só a Daydreamer que ficava em risco de ficar sem casa, era também a sua cara metade.

    Se a sua cara metade a aconselhou a não ser fiadora, isso também tem um peso considerável.
    • nvale
    • 3 Janeiro 2020 editado

     # 8

    Uma hipótese é dizer que não, pensou melhor e já não.

    A outra, de forma mais polida, é perceber o porquê da necessidade de ser fiadora, pedindo para ter conhecimento das taxas de esforço da sua irmã e companheiro, de todas as outras obrigações que têm, de perceber o risco a que está sujeita, pois em ultimo caso você(s) vão chegar-se à frente. Pede um tempo para analisar e depois diz que ponderou e que ela devia procurar outra ajuda. Ultimamente, estas ultimas formas de "casar" têm trazido muitos problemas aos fiadores. Aquando de divórcios e separações, com guerras existentes entre as partes, os fiadores assumem responsabilidades extra. Tenha cuidado.
    E ainda existe a situação de você(s) reunir(em) condições de poder ser fiadora. Imagine que a prestação será de 400 euros. Você teria capacidade para aguentar com mais esta prestação??? Ser fiador também não é só para quem quer, também é para quem pode.
    Concordam com este comentário: Capuchinha
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
  9.  # 9

    O que torna mais complicado esta situação é o facto de ter dito que sim ao principio e agora revogar essa decisão. Acaba por se tornar uma desilusão perante a sua irmã.
    Na minha opinião, deve falar abertamente com ela e explicar-lhe bem o porquê da sua nova decisão, sem rodeios, mas sem nunca apontar eventuais defeitos que a sua irmã possa ter tido como o facto de não terem amealhado algum para não terem de recorrer a créditos pessoais, ou seja, não faça a sua irmã sentir-se culpada pela sua decisão.
    Concordam com este comentário: mcc7
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
    • AMVP
    • 3 Janeiro 2020

     # 10

    Tb pode "empurrar" um pouco a responsabilidade da mudança de posição para a sua cara metade.
    Concordam com este comentário: Picareta
  10.  # 11

    Colocado por: daydreamerAmbos efectivos, mas sem poupanças. Pediram até um crédito pessoal para a entrada da casa.


    Agora, com emoções e laços familiares de parte, faça uma análise mais racional e factual da situação.

    Acha que os seus familiares escolheram um imóvel dentro das suas possibilidades, ou estão a esticar a corda? Como os avaliaria em questão de gestão das suas finanças?
  11.  # 12

    Colocado por: AMVPTb pode "empurrar" um pouco a responsabilidade da mudança de posição para a sua cara metade.
    Concordam com este comentário:Picareta


    Pode parecer a "saída mais fácil", mas a longo prazo eu não recomendaria. Mais vale fazer como com os pensos rápidos: arrancar logo que dói menos. Mais vale ser honesta. Diplomática, mas honesta.
    Concordam com este comentário: nvale, zed
    • AMVP
    • 3 Janeiro 2020

     # 13

    Colocado por: Capuchinha

    Pode parecer a "saída mais fácil", mas a longo prazo eu não recomendaria. Mais vale fazer como com os pensos rápidos: arrancar logo que dói menos. Mais vale ser honesta. Diplomática, mas honesta.


    Tem toda a razão, mas a honestidade pode ter um preço elevado daí às vezes mais vale suavizar a coisa.
  12.  # 14

    Colocado por: AMVPTem toda a razão, mas a honestidade pode ter um preço elevado daí às vezes mais vale suavizar a coisa.


    Também tem razão.
    Pessoalmente só usaria o meu marido como "bode expiatório" depois de falar com ele sobre isso, tipo "olha, não sei como descalçar esta bota, posso meter-te as culpas e dizer que tu é que não quiseste?"

    Porque pode ser um motivo para começarem a olhar para a cara metade da forista de lado, e terem atitudes menos simpáticas, e a pobre pessoa a pensar porque é que o ambiente ficou mais denso.
    Concordam com este comentário: AMVP
  13.  # 15

    É simplesmente que não. Sem explicar porquê.

    Vai ficar chateada consigo? Provavelmente. Mas é melhor ficar chateada consigo do que você perder tudo um dia.

    (E se pesquisar pelo meu nickname, vai ver que tive um familiar muito próximo que foi fiador e a coisa correu muito mal).
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
  14. Ícone informação Anunciar aqui?

  15.  # 16

    Colocado por: daydreamerA minha irmã e companheiro pediram-me para ser fiador de um crédito de habitação. Ambos efectivos, mas sem poupanças. Pediram até um crédito pessoal para a entrada da casa.

    A princípio disse que sim, mas depois de conversar com a minha cara metade, andar a ler no forum e pela internet fora, cada vez sinto-me mais desconfortável com a situação e só quero dizer não. Mas não sei como.

    Sempre fui péssima a dizer não, e há uns bons anos já os meus pais me pediram para ser fiador e na altura senti que não tinha opção porque ainda vivia com eles.

    Sei que a melhor forma é dizer simplesmente que não... Qualquer comentário ajuda. Muito obrigada a todos!

    É uma situação muito chata de se estar... por um lado, quero ajudar a minha irmã, mas por outro lado não quero compremeter o meu futuro financeiro.


    Desviando um pouco do assunto base, mas de modo a solucionar o seu problema, se ambos são efectivos não há razão efectiva para os bancos pedirem fiadores!!!
    Se conseguirem arranjar os 10% e se o valor não for completamente desajustado aos rendimentos eu deverei conseguir crédito sem fiadores. contactem-me que eu tento resolver isso!

    cumprimentos
    • zed
    • 3 Janeiro 2020

     # 17

    O banco pede fiador porque pode, não custa pedir e as pessoas até aceitam.

    Eu declinei um pedido para ser fiador de um familiar recentemente e eles lá arranjaram maneira de dar a volta à coisa... e se não arranjassem também não era eu que tinha de assumir esse risco. Afinal de contas, o banco é que vai lucrar.
  16.  # 18

    Colocado por: daydreamerA minha irmã e companheiro pediram-me para ser fiador de um crédito de habitação. Ambos efectivos, mas sem poupanças. Pediram até um crédito pessoal para a entrada da casa.

    A princípio disse que sim, mas depois de conversar com a minha cara metade, andar a ler no forum e pela internet fora, cada vez sinto-me mais desconfortável com a situação e só quero dizer não. Mas não sei como.

    Sempre fui péssima a dizer não, e há uns bons anos já os meus pais me pediram para ser fiador e na altura senti que não tinha opção porque ainda vivia com eles.

    Sei que a melhor forma é dizer simplesmente que não... Qualquer comentário ajuda. Muito obrigada a todos!

    É uma situação muito chata de se estar... por um lado, quero ajudar a minha irmã, mas por outro lado não quero compremeter o meu futuro financeiro.
    ~
    A Daydreamer já sabe a resposta. Mas para a ajudar, nós vincamos essa resposta. A melhor maneira é sentar-se com a sua irmã e dizer-lhe simplesmente que não pode. Estará lá para a apoiar em tudo, mas não pode de facto hipotecar a sua vida futura, a vida da sua família, ou até a eventualidade de um um préstimo para si para a socorrer agora a ela. O facto de a sua irmã e o companheiro não terem poupanças, também não augura nada de bom quanto a esta situação.

    A sua irmã pode eventualmente propor ao banco fazer um seguro de proteção ordenado. Ou tentem recorrer a outro banco. Mas o melhor mesmo, seria fazerem uma poupança durante uns tempos, e depois de provarem que têm disciplina a gerir o dinheiro, avançar para um empréstimo.
    Concordam com este comentário: Capuchinha, desofiapedro
    Estas pessoas agradeceram este comentário: daydreamer
  17.  # 19

    Colocado por: HAL_9000A Daydreamer já sabe a resposta. Mas para a ajudar, nós vincamos essa resposta. A melhor maneira é sentar-se com a sua irmã e dizer-lhe simplesmente que não pode. Estará lá para a apoiar em tudo, mas não pode de facto hipotecar a sua vida futura, a vida da sua família, ou até a eventualidade de um um préstimo para si para a socorrer agora a ela. O facto de a sua irmã e o companheiro não terem poupanças, também não augura nada de bom quanto a esta situação.

    A sua irmã pode eventualmente propor ao banco fazer um seguro de proteção ordenado. Ou tentem recorrer a outro banco. Mas o melhor mesmo, seria fazerem uma poupança durante uns tempos, e depois de provarem que têm disciplina a gerir o dinheiro, avançar para um empréstimo.


    Subscrevo na totalidade, palavra por palavra.
  18.  # 20

    Colocado por: daydreamerA minha irmã e companheiro pediram-me para ser fiador de um crédito de habitação.
    fuja
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">