Iniciar sessão ou registar-se
    • Rogu
    • há 6 dias editado

     # 1

    Sou Arquitecto tenho estado a investigar soluções para pavimentos/lajes em contacto com o solo, no âmbito da reabilitação.

    A questão seria lançar a discussão sobre qual a melhor forma de realizar um pavimento/laje em contacto com o solo, em construções com paredes de alvenaria de pedra ou taipa, rebocadas com rebocos antigos a base de cal, evitando capilaridades e salitres, e ao mesmo tempo usar materiais o mais ecológicos possíveis, que permitam a respiração da laje e claro soluções económicas.

    A questão seria realizar uma laje que respire, de forma a não potenciar o Salitre nas paredes. Isto porque desconfio que quanto mais impermeável for a laje maior será a capilaridade e por conseguinte o maldito salitre.

    Tem alguma experiência neste âmbito? Qual pensam ser a melhor solução? Tem ideias para eliminar o betão e o plástico que não são nada soluções ecológicas?

    Já usei as seguintes soluções:

    1-Laje Ferca (materiais de cima para baixo, e=espessura)
    -revestimento com tijoleira artesanal e=3cm
    -assentamento da tijoleira em cama de reboco de cal e=1/2cm
    -massame armado em betão e=5cm
    -instalação de sistema de aquecimento através de piso radiante (opcional)
    -isolamento térmico com aglomerado negro de cortiça e=2cm
    -massame armado com malha-sol #∅6//0.20 conforme recomendado pela ferca e=5cm
    -módulos Coupolex lâmina de ar=7cm e= 9,5cm
    -betão de limpeza e=5cm
    -terreno compactado
    (convém ventilar a lamina de ar através de uma entrada e uma saída de ar, através de tubagens)

    Vantagens:
    Solução económica, sem recurso a brita, trava completamente a capilaridade ascendente solo, mas que pode potenciar capilaridade nas paredes??

    Desvantagens:
    Utilização de plástico, laje que não respira, muita utilização de betão e plástico o que não é nada ecológico.


    2-Solução convencional
    -revestimento com tijoleira artesanal e=3cm
    -assentamento da tijoleira em cama de reboco de cal e=1/2cm
    -massame armado em betão e=5cm
    -instalação de sistema de aquecimento através de piso radiante (opcional)
    -isolamento térmico com aglomerado negro de cortiça e=2cm
    -brita drenante ou seixo rolado e=20cm
    -instalação de tubos de drenagem em pvc corrugados e ranhurados dentro da espessura de brita
    -filtro geotextil para evitar a subida de terra para a brita drenante
    -terreno compactado

    Vantagens: menos betão e menos plástico, embora ainda seja necessário usar algum, como eliminar estes materiais?


    3-Solução Vernacular e Ecológica que ando a investigar

    -revestimento com tijoleira artesanal e=3cm
    -assentamento da tijoleira em cama de reboco de cal e=1/2cm
    -laje realizada a base de cal e areia e= 10cm (pode tende a rachar e danificar as tijoleiras)**
    -brita drenante e=20 a 50cm
    -terreno compactado
    -geotextil

    **vi algures que esta laje poderia ser realizada misturando: 100 litros de fibra de cânhamo, 20 litros (15kg) de cal aérea CL90, 30 litros(20kg) de pedra pomes moída, 20 litros (20kg) de gesso et 30 litros de água.

    Alguém tem alguma informação sobre este tipo de lajes?
  1. Ícone informação Anunciar aqui?

  2.  # 2

    Eu ferca, não gosto... E de económico não tem nada.

    A solução da laje térrea terá que ser vista com o tipo de solo do local da construção.

    O betão e brita/entroncamento, ainda assim acaba por ser o mais ecológico e económico.

    As tijoleiras não são assentes em reboco... Mas em argamassa de assentamento... Numa betonilha de assentamento.

    O tipo de obra, nova ou reabilitação, também condiciona as técnicas a utilizar.

    Em taipa, obra nova é conveniente e está generalizadoa utilização de um ensoleiramento geral em betão...
    Tenha em atenção que a edificação terá de cumprir com os requisitos de resistência sísmica.

    Ideia.. Pode fazer os copulex com recipientes de terracota adaptados... Deixa de ter esse material plástico.
  3.  # 3

    Caro Pedro Barradas,
    Obrigado pela sua resposta.
    Essa ideia de recipientes de terracota adaptados é interessante, já tinha pensado em algo desse género mas não sei bem como o fazer praticamente. Caixas de ovos? Côcos? Vasos?
    Como estava a pensar fazer isso concretamente?

    Mas a questão é que se tivermos uma parede de taipa ou de alvenaria de pedra, não convem usar Betão na laje de pavimento, nem telas.

    Pois o Betão e as telas não permitem a respiração do pavimento, o que vai provocar condensações e humidades na base das paredes. Estas humidades vão acabar por subir por capilaridade pelas paredes e provocar salitres e o apodrecimento dos rebocos.

    Entao como fazer uma laje de pavimento sem Betão, nem telas ?

    Estou farto de pesquisar e não encontro nenhuma solução em Portugal.

    • Rogu
    • há 2 dias editado

     # 4

    A melhor solução que encontrei até agora foi em sites franceses. É esta:

    -Tijoleira Artesanal e=3cm
    -Massa para assentamento da tijoleira à base de cal e areia e=0,5cm
    -Regularização à base de cal e areia e=4cm
    -Laje de Cal, Gesso, Palha de Cânhamo e Areia de Pozolana ou de Pedra Pomes e=15cm
    -Enrrocamento ventilado. minimo e=20cm
    -Geotextil a base de fibras recicladas;

    Esta laje à base de produtos ecologicos e naturais permite a respiração do pavimento, assegura o isolação térmica. Se o enrocamento for bem feito as humidades também não subiram...

    Mas agora encontrar palha de cânhamo cá em Portugal é que ainda não encontrei...
  4.  # 5

    Encontrei esta solução neste site que me parece bastante profissional aliance4.fr
    Em anexo as instruções para a realização da laje e do enrocamento...
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">