Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Boa noite a todos

    Tenho a seguinte dúvida:
    Pedimos orçamento para pintar as fachadas de um prédio (3 blocos) que têm também terraços ao nível do R/C e casa da porteira.
    A casa da porteira fica no último andar, isolada nesse piso e um pouco recuada.
    A empresa já efectuou a pintura, mas não pintou nada relacionado com a casa da porteira, nem as chaminés, nem os muretes interiores da cobertura, afirmando não fazer parte da fachada. Os muros dos terraços foram pintados por dentro e por fora, bem como as varandas.
    Nunca tinha pintado um prédio com estas características (casa da porteira) e por isso mesmo nem pus a hipótese dessa área estar excluída. Noutras duas ocasiões com prédios diferentes, as chaminés e paredes exteriores das clarabóias foram pintadas sem ter sido necessário discriminar esses trabalhos nos orçamentos.
    Alguém me pode esclarecer se essas frentes e as chaminés deveriam estar, por si, incluídas numa pintura total das fachadas dos edifícios ou não? O que é considerado fachada?
    Precisava de ajuda neste sentido, pois não quero abrir uma guerra sem razão.
    Obrigada a quem puder esclarecer.
  2.  # 2

    Deixo aqui uma foto da frente do prédio
      F9F4CD3D-BE55-4E99-8D8E-69AADC839CA1.jpeg
      D9D62BD7-F93C-4A41-B828-460C09B0045D.jpeg
  3.  # 3

    Pelo que percebi houve uma conjugação de uma memória descritiva dos trabalhos a fazer demasiado lata com um empreiteiro "chico-esperto" e oportunista. Se ele não fosse oportunista tê-lo-ia questionado quanto ao exacto âmbito do trabalho e quais as áreas abrangidas.
    Para que não caia em lapsos idênticos no futuro as áreas objecto de obras devem estar devidamente identificadas, incluindo a metragem.

    No meu entendimento tudo isso faz parte da fachada.

    Visite este "Dicionário de Construção Civil". Suponho que é brasileiro.
    Concordam com este comentário: Alfazema
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Alfazema
  4.  # 4

  5.  # 5

    Muito obrigada pela ajuda
    Vou aceder aos links que enviaram.
    Já hoje enviei um mail para a empresa dizendo que não compreendia como se pede um orçamento para pintura de um edifício e fica parte por fazer sem nunca ter sido referida qualquer exclusão de áreas a intervir.
    Não ocorre a ninguém que parte das áreas que requerem pintura fiquem por pintar, à excepção da cobertura, claro. Que raio de trabalho é este? Quem tem coragem de levar 33.000€ de orçamento e deixar partes vizíveis por pintar sem aviso ou justificação prévia?
    É verdade que a responsável pela empresa tentou enganar-nos uma data de vezes em várias fazes da pintura, como prometer duas de mão e dar apenas uma, ou retficar massa de juntas e passar ao lado e até deixar de intervir nas juntas de dilatação e cobrar o trabalho na mesma. Tive de negociar a pintura da parte de cima das abas das varandas do 3º andar... Enfim, uma tristeza.
    Sei que têm outros trabalhos feitos que resultaram em conflitos legais. Parece que é "modus-operandis" da dita senhora.
    Infelizmente aprendemos da pior maneira :(
  6.  # 6

    Colocado por: Pedro Barradasveja DR 9/2009, ficha 31 - "Fachada"
    http://www.cm-moncao.pt/portal/page/moncao/portal_municipal/SERVICOS_MUNICIPAIS/planeamento_ordenamento/legislacao/dr_n%BA9.pdf
    Estas pessoas agradeceram este comentário:Alfazema


    Já pesquisei e parece-me fácil entender que a casa da porteira será uma "fachada recuada", mas parde integrande do alçado do prédio.
    Obrigada
  7.  # 7

    Quando quem pede não diz ou refere quantos M2 são necessários pintar ou então indicando onde se inicia ou termina a intervenção, é natural que aconteçam coisas assim.
  8.  # 8

    Colocado por: callinasQuando quem pede não diz ou refere quantos M2 são necessários pintar ou então indicando onde se inicia ou termina a intervenção, é natural que aconteçam coisas assim.


    Por um lado só posso concordar, mas por outro parece-me um pouco irreal conseguir saber quantos m2 existem para pintar e, sinceramente, nem quem orçamenta consegue ser realmente rigoroso, sob pena de, ou deixar partes por pintar ou cobrar a m2 a mais para se defenderem.
    Quem tem experiência são as empresas, não o cliente. Além disso, com a envergadura dos edifícios seria um número praticamente impossível de apurar.
    Quem vive deste oficio deveria, por experiência, expor todos os cenários ao cliente. A decisão viria depois.
    Parece que hoje em dia anda meio mundo a enganar o outro meio e vice-versa. Temos todos de ser especialistas em todas as áreas, desde relojoeiro ao cirurgião, da costureira ao astronauta, do mecânico ao economista.
    Não sei bem o de vamos parar. É muito triste
  9.  # 9

    Por um lado só posso concordar, mas por outro parece-me um pouco irreal conseguir saber quantos m2 existem para pintar e, sinceramente, nem quem orçamenta consegue ser realmente rigoroso, sob pena de, ou deixar partes por pintar ou cobrar a m2 a mais para se defenderem.


    Caro Alfazema, não é bem assim. Um cálculo desse tipo não exige um rigor ao cm2.
    Se pegar nas várias plantas do prédio onde se mostre os alçados consegue-se fazer uma excelente estimativa. Basta saber a altura do prédio e a largura do alçado. Depois se há varandas salientes, recantos, etc. vai-se melhorando a precisão da área a pintar.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Alfazema
  10.  # 10

    Caro BoraBora

    Falhei a leitura da sua resposta, a qual agradeço.
    No meu entender, com uma abordagem de boa fé, também acho que não é necessária uma medição tão rigorosa, mas continuo a defender que quem tem de fazer as medições para apresentar orçamento é a empresa e não o cliente. Quanto muito, para ajudar a apurar a área a intervir, pediriam essas plantas. Não tenho conhecimento de empresas sérias e bem geridas que tomem por garantia os dados fornecidos pelos clientes. Poderão aceita-los para ter uma ideia, mas depois confirmam por eles mesmos com maior rigor, até porque os clientes nem sempre sabem como apresentar as coisas.
    Excusado será dizer que continuamos na mesma, com uma ação judicial em curso. Soube há poucos dias que a empresa em causa declarou falência. Resultado: o do costume...
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Pedro Barradas, ADROatelier
  11.  # 11

    Alfazema,
    Obrigada por ter voltado ao fórum e contar como decorreu a sua situação.
  12.  # 12

    Colocado por: AlfazemaSoube há poucos dias que a empresa em causa declarou falência. Resultado: o do costume..

    Muito normal.
    Ja acompanhei uma situação em que a empresa até tinha uma dimensão consideravel.