Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Boas tardes,

    O deitar abaixo de paredes interiores em edifícios antigos (mais de 100 anos) no centro de Lisboa (S Bento) obedece a regras especiais em termos de licença? E em termos de estrutura? Estou a falar de prédio em tabique.
    Obrigada
  2.  # 2

    Obviamente....

    Não são especiais, são as regras vigentes.
  3.  # 3

    Colocado por: RRoxxObviamente....

    Não são especiais, são as regras vigentes.


    O facto de ser em tabique não torna a estrutura mais frágil? Não sei, percebo pouco de estrutura de prédios.
  4.  # 4

    pouco?

    Teulada

    essas construções foram feitas num sistema em que os proprios tabiques fazem parte do sistema estrutural, advem do sistema preconizado apos o terramoto de Lisboa para que os edificios resistissem melhor aos eventuais proximos sismos.
    dai que isso tem de ser acompanhado e preconizado por um engenheiro de forma a que não comprometa a estabilidade de todo o edificio.
  5.  # 5

    Colocado por: marco1pouco?

    Teulada

    essas construções foram feitas num sistema em que os proprios tabiques fazem parte do sistema estrutural, advem do sistema preconizado apos o terramoto de Lisboa para que os edificios resistissem melhor aos eventuais proximos sismos.
    dai que isso tem de ser acompanhado e preconizado por um engenheiro de forma a que não comprometa a estabilidade de todo o edificio.


    OK, claro, por isso perguntava eu se a remoção de alguma parede interior num apartamento deste tipo de edifícios obedece a regras (neste caso técnicas) diferentes. Se calhar não me expliquei bem
  6.  # 6

    Obedece a realização de Relatório prévio, projectos de arqutiectura e de engenharia.. etc.. e tal.
    Concordam com este comentário: leao
  7.  # 7

    Colocado por: Pedro BarradasObedece a realização de Relatório prévio, projectos de arqutiectura e de engenharia.. etc.. e tal.


    Tudo na Câmara? Mesmo para mexer no interior?
  8.  # 8

    Tudo. Esta a mexer na estrutura.
    Concordam com este comentário: Picareta, Pedro Barradas