Iniciar sessão ou registar-se
  1. Colocado por: rjmpires
    De há 2 anos para cá que o valor das montagens subiu em flecha.. meio dia de trabalho de duas pessoas está a 400-500€, está tudo a ganhar bem.
    Acaba por ser um valor bem pesado


    Dos orçamentos que recebi o custo com a mão de obra varia entre 350€ a 615€ (com IVA incluído), para uma deslocação máxima de 30km. Já vi rates em IT mais baixas :-)
    Concordam com este comentário: rjmpires
  2. Colocado por: Zé Meirinho

    Dos orçamentos que recebi o custo com a mão de obra varia entre 350€ a 615€ (com IVA incluído), para uma deslocação máxima de 30km. Já vi rates em IT mais baixas :-)

    Eu que pensava nem ganhar mal por vezes dou por mim a pensar em fazer uns "biscates" destes 😛
    Concordam com este comentário: cfranco
    • hangas
    • 13 julho 2021 editado
    Colocado por: Zé MeirinhoDos orçamentos que recebi o custo com a mão de obra varia entre 350€ a 615€ (com IVA incluído), para uma deslocação máxima de 30km.


    Não me parece absurdo. Uma instalação típica deve ocupar pelo menos 2 pessoas; um mais técnico e um ajudante, durante grande parte do dia. Deslocação, instalação no telhado, configuração do equipamento, testes, etc.
    Se não ocupar o dia todo, também não deixa margem para fazer outra instalação por pequena que seja.



    Colocado por: Zé MeirinhoJá vi rates em IT mais baixas :-)

    Também já as vi mais altas (mesmo em PT) e para apenas uma pessoa, e sem deslocação.
  3. Colocado por: hangasm mais técnico e um ajudante, durante grande parte do dia. Deslocação, instalação no telhado, configuração do equipamento, testes, etc.
    Se não ocupar o dia todo, também não deixa margem para fazer outra instalação por pequena que seja.


    Instalação feita em junho de 2021:dois técnicos montaram 4 paineis e configuraram tudo em menos de 4 horas (sem correrias) - deslocação de uns meros 20kms numa carrinha (Instalação contratada à solarimpact mas efetuada por uma empresa da zona com parceria com eles). Custo 350€.

    Nota: instalação em terreno plano - não no telhado.
  4. Acredito que montar meia dúzia de painéis no telhado de uma moradia de primeiro andar antiga ou no terraço de uma construção nova rés do chão seja outra.. mas acredito que se faça bem e sem correrias duas montagens por dia.
    • SACS
    • 13 julho 2021
    Colocado por: rjmpiresDe há 2 anos para cá que o valor das montagens subiu em flecha.. meio dia de trabalho de duas pessoas está a 400-500€, está tudo a ganhar bem.


    É o preço a pagar por uma inscrição na DGEG...
    Isto ainda vai chegar ao ponto de não compensar submeter a candidatura porque inflacionam o preço só para te darem a papelada toda para isso.
    Tal como já está acontecer na caixilharia, consegues mais barato numa empresa que não esteja inscrita no portal!
    Concordam com este comentário: rjmpires, DR1982
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Zé Meirinho
  5. Colocado por: SACS

    É o preço a pagar por uma inscrição na DGEG...
    Isto ainda vai chegar ao ponto de não compensar submeter a candidatura porque inflacionam o preço só para te darem a papelada toda para isso.
    Tal como já está acontecer na caixilharia, consegues mais barato numa empresa que não esteja inscrita no portal!
    Estas pessoas agradeceram este comentário:Zé Meirinho

    Toda gente quer mamar na teta!
    • jo.san
    • 14 julho 2021 editado
    Se instalar paineis com mais de 1500w total pago mais alguma coisa? Antigamente sei que havia umas taxas para instalações acima de 1500w, isso ainda se verifica ou foi alterado?

    O preço das instalações tem subido imenso, além de que as lojas nao costumam ter os painéis que eu queria. Seria possível comprar eu o material numa loja e mandar instalar por um eletricista, ou tem que ser alguém certificado em instalações de paineis solares?

    Para quem está a vender o excedente a rede, qual o preço que tem conseguido?

    Existe algum site onde possa ver por exemplo o que um painel de 500w gerou num ano na minha localidade (santarem) ?

    Obrigado
    • zed
    • 14 julho 2021
  6. Colocado por: Manuel BritesBom dia,
    Experiências muito válidas são uma mais valia para este fórum. Obrigado pela partilha...
    Vou instalar painéis fotovoltaicos e irei ter algum excedente de produção que não quero dar à rede. Estou a ponderar comprar um termoacumulador para durante o dia ir aquecendo a água.
    Mas para fazer a gestão é complicado pois grande parte deles têm potência = ou superior a 2000 W, e nem sempre terei esse excedente. Ao pesquisar na net vi que é possível montar um gestor de excedentes, que faz a gestão desse excedente e que depois é enviado para a resistência por exemplo de um termoacumulador, que pode funcionar com potência abaixo do seu máximo de potência.
    Este sistema é espetacular mas demais para os meus poucos conhecimentos de eletrónica. Alguém me pode ajudar se sabem onde comprar um sistema destes já pronto a funcionar, é claro tem que ser instalado como é óbvio?!!
    Muito obrigado pela ajuda...


    O que não falta é termos de 1500W o que em princípio já conseguirá alimentar com os painéis
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Manuel Brites
  7. Fiz uma mera comunicação prévia em 2015 para dois painéis.
    Tenho como utilizador usr1...
    Este ano, alterei a instalação antiga para uma nova.
    Criou-se um novo user DGEG-2.... mas quando se tenta registar a nova, há indicação de que já há uma para o mesmo CPE.
    Tentei aceder no site https://apps.dgeg.gov.pt/DGEG/SessaoProtegida com o user antigo mas dá erro nas credenciais.
    Não sei se é a password que etá errada ou não.
    Tentei fazer reset à password mas é feito reset ao novo user!
    Liguei para a DGEG mas sem sucesso.
    Enviei email, aguardo resposta.
    Lembro de ter lido algo que a DGEG alterou relacionado com os users antigos...
    Será que o acesso com os user antigos é outro?
    Alguém passou por algo parecido?
  8. Ok, depois de uma hora à espera no telefone, eis o que se tem de fazer:
    No seguimento de conversa via telefone com os nossos serviços, informamos que uma vez que existe um registo do portal antigo (SERUP) e prendendo fazer uma ampliação da unidade de produção desse registo, deve anular o registo antigo e fazer um novo no novo Portal do Autoconsumo.



    Para anulação de registo de unidade de produção para autoconsumo (sujeito a mera comunicação prévia ou registo prévio), com venda de energia excedente, conforme aplicável, deverá:




    1. No caso do contrato de compra e venda da energia excedente proveniente da UPAC ter sido efectuado ao abrigo do Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro, com o Comercializador de Último Recurso (CUR), deverá remeter, para o email autoconsumo@dgeg.gov.pt, os seguintes elementos:

    i) uma declaração do produtor (conforme minuta em anexo) a prescindir do registo da Unidade de Produção para Autoconsumo (sujeita a UPAC);

    ii) Cartão de cidadão do titular (ou bilhete de identidade e NIF) ou, caso aplicável, código de acesso à certidão permanente. No caso da declaração ser assinada digitalmente, dispensa-se a apresentação da identificação dos intervenientes;

    Esta declaração será remetida para a SU Eletricidade, qualidade de CUR, e ORD para rescisão do contrato atual.



    2. No caso do contrato do contrato de compra e venda da energia excedente proveniente da UPAC ter sido efectuado ao abrigo do Decreto-Lei n.º 162/2019, de 25 de outubro, deverá dirigir-se ao comercializador que lhe compra a energia excedente para efetuar a rescisão contratual.

    Após rescisão contratual, deve informar a DGEG para agilizar junto do ORD a anulação do registo e, caso pretenda, possibilitar a entrada de outro pedido de registo de UPAC no mesmo CPE, enviando para o email autoconsumo@dgeg.gov.pt, os seguintes elementos:

    i) uma declaração do produtor (conforme minuta em anexo) a prescindir do registo da Unidade de Produção para Autoconsumo (sujeita a MCP ou UPAC);

    ii) Cartão de cidadão do titular (ou bilhete de identidade e NIF) ou, caso aplicável, código de acesso à certidão permanente. No caso da declaração ser assinada digitalmente, dispensa-se a apresentação da identificação dos intervenientes.



    Para esclarecimentos genéricos sobre autoconsumo e CER deverá consultar as perguntas frequentes disponibilizadas no sítio da DGEG (https://www.dgeg.gov.pt/pt/areas-setoriais/energia/energia-eletrica/producao-de-energia-eletrica/producao-descentralizada-autoconsumo-e-upp-mp-mn/autoconsumo-e-cer/faq/).



    Caso necessite de esclarecimentos adicionais, encontramo-nos disponíveis para atendimento através dos canais habituais:



    - electrónico: autoconsumo@dgeg.gov.pt

    - telefónico: através do contacto 211 166 840, todos os dias úteis das 9h30-13h00.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: zed
  9. Colocado por: mafgodAlguém passou por algo parecido?


    Sim passei pelo mesmo.

    remeti uma minuta a pedir o cancelamento do registo, para o email autoconsumo@dgeg.gov.pt
    Convém saber o n.º do registo ****/MCP e colocar o CPE.

    Para saber o n.º registo ligue para o n.º 211 166 840, são prestáveis.
  10. Olá

    Hoje liguei para a e-redes para saber se com a colocação do novo contador estaria apto a vender os excedentes: a resposta foi que sim. tenho que posteriormente pedir um CPE de produtor. Acho e espero que não tenha mais custos.

    A nível de empresa compradora do excedente, ainda não pesquisei mas nao espero que paguem valores elevados mas já que é excedente que ajude a pagar a água para lavar os painéis....

    Alguém com esta situação de venda de excedente?
  11. Pessoalmente não vendo excedentes, mas sei de algumas pessoas que já o fizeram. A nível de compra dos excedentes, não há praticamente diferença nenhuma, todas pagam o mesmo, que é um preço indexado ao mercado ibérico. Estamos a falar de 4 cêntimos em média no último par de anos, mas este ano, com os preços bem elevados que se têm feito sentir, os preços de mercado andam pelo dobro.
  12. Com a subida dos preços pode ser que tb tenha efeitos no valor de compra de excedentes por parte das operadoras. Na minha opinião o preço devia estar mais ajustado em relação ao de venda. Compram a 4cts vendem no mínimo a 13 cts ( no meu caso durante o dia compro a 17cts).

    Os contratos dos excedentes depois tb entram para as contas do agregado a nível de IRS? (Faz sentido entrar...)
  13. Colocado por: nhenriquesCom a subida dos preços pode ser que tb tenha efeitos no valor de compra de excedentes por parte das operadoras. Na minha opinião o preço devia estar mais ajustado em relação ao de venda. Compram a 4cts vendem no mínimo a 13 cts ( no meu caso durante o dia compro a 17cts).

    Os contratos dos excedentes depois tb entram para as contas do agregado a nível de IRS? (Faz sentido entrar...)


    Sim, tem efeito, é isso que estou a dizer. Quem tem venda de excedentes estava por exemplo a vender a 4 cêntimos em Dezembro de 2020, a 8 cêntimos em Janeiro de 2021, depois 2 cêntimos em Fevereiro. O preço vai sempre acompanhando.
    E o preço não está desajustado pois é precisamente o preço a que as comercializadores compram energia. E uma das grandes fatias do preço da eletricidade é a tarifa de acesso às redes, que são logo uns 7 cêntimos para as redes, não são lucro das comercializadoras. Logo não vejo conseguirem-se preços de venda superiores. Se elas compram no mercado seja a 4 ou 8 cêntimos, porque é que haveriam de comprar mais caro a si?

    Quanto à fiscalidade, é necessário abrir atividade (tal como na microprodução) e declarar esses rendimentos.
    Concordam com este comentário: ematos
  14. Colocado por: ruicarlov

    Sim, tem efeito, é isso que estou a dizer. Quem tem venda de excedentes estava por exemplo a vender a 4 cêntimos em Dezembro de 2020, a 8 cêntimos em Janeiro de 2021, depois 2 cêntimos em Fevereiro. O preço vai sempre acompanhando.
    E o preço não está desajustado pois é precisamente o preço a que as comercializadores compram energia. E uma das grandes fatias do preço da eletricidade é a tarifa de acesso às redes, que são logo uns 7 cêntimos para as redes, não são lucro das comercializadoras. Logo não vejo conseguirem-se preços de venda superiores. Se elas compram no mercado seja a 4 ou 8 cêntimos, porque é que haveriam de comprar mais caro a si?

    Quanto à fiscalidade, é necessário abrir atividade (tal como na microprodução) e declarar esses rendimentos.
    Concordam com este comentário:ematos


    E como são valores baixos, não esquecer pode-se pedir isenção do iva!
  15. Olá a todos.

    Pois eu também não vendo excedentes, primeiro porque tenho pouco excedentes tenho alguma em hora de pico mais alto de produção, mas é mesmo muito pouco.
    Também porque reorganizei alguns gastos para a horas de maior produção.
    Pois eu tive mais de 2 meses a controlar os gastos na minha casa, fiz muitas contagens, em muitas horas, e ai tive uma perceção do que precisava.

    O Meu excedente não compensaria os gastos e o trabalho que iria ter.

    Só tenho que controlar e gastar o que os Paneis produzem mas nada.
  16. Colocado por: cfrancoO Meu excedente não compensaria os gastos e o trabalho que iria ter.

    Não tem gasto nenhum.... apenas trabalho.
 
0.0385 seg. NEW