Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Olá a todos, vivo neste momento num apartamento e estou a pensar trocar umas tomadas de sitio e para isso vai ser necessário partir paredes, resolvi primeiro ler o contrato de seguradora que tenho com a Allianz para ver as coberturas que tem e uma alinea no final deixou-me preocupado pois diz que o seguro de responsabilidade civil não cobre em casos de:

    "atos intencionais ou temerários das Pessoas Seguras bem como os praticados em estado de inconsciência voluntariamente adquirida"

    Isto deixa-me preocupado, pois imagine-se que ao fazer roços acontece algo no vizinho de cima ou de baixo a Allianz poderia simplesmente alegar isto para não pagar nada a ninguém e assim sairia do bolso do proprietário os danos a terceiros. (ainda não aconteceu nada mas quero só estar bem informado antes de fazer seja o que for)

    Alguém que perceba ou tenha mais experiência com seguros pode confirmar se isto de facto é assim ou não? Se contratar um pedreiro para fazer os roços isso ajudaria em alguma coisa nesta questão em particular dos seguros? Ou a responsabilidade cai sempre em cima do proprietário independentemente de quem faz as obras?

    Cumprimentos
    • size
    • 20 junho 2022 editado

     # 2

    E ao proceder a essa obra especifica de abrir roços nas suas paredes interiores, que raio de danos patrimoniais é que prevê poder provocar aos referidos vizinhos, de cima ou de baixo ? Não estou a ver. Não vai fazer isso com um potente martelo demolidor pneumático. Só por negligência ou maldade :)

    No entanto, se de qualquer forma e em qualquer circunstância, com os seus atos, provocar danos a terceiros de forma;
    - Intencional
    - Temerária -
    - Inconsciência voluntariamente adquirida,

    claro, estão excluídos na apólice.
  2.  # 3

    Colocado por: sizeNão estou a ver.

    O acto de abrir rasgos pode causar vibrações e no limite até enfraquecer a estrutura do prédio.
    Não seria a primeira vez que o vizinho de baixo, de cima ou do lado iria aproveitar esse facto para alegar que tem a casa toda rachada por causa disso mesmo.
  3.  # 4

    Colocado por: zedasilva
    O acto de abrir rasgos pode causar vibrações e no limite até enfraquecer a estrutura do prédio.
    Não seria a primeira vez que o vizinho de baixo, de cima ou do lado iria aproveitar esse facto para alegar que tem a casa toda rachada por causa disso mesmo.


    Pois ocasionalmente até já tendo a casa rachada antes aproveitam as obras para alegar que as rachas foram causadas pelas obras para que as mesmas sejam reparadas de borla, a questão é o seguro consegue-se desmarcar neste caso e alegar que o proprietário é que tem de pagar as obras do vizinho? Pessoalmente também não tenho a certeza

    O que é que significa "Inconsciência voluntariamente adquirida" não encontro definição nem exemplos e parece-me extremamente vago, se o prédio foi mal construido e tem as paredes fracas e uma fração faz um roço e causa rachas ao vizinho que caso o edificio estivesse bem construido não surgiriam isso é inconsciência? Faz sentido claro intencional ou temerário se a pessoa andar por exemplo a mexer em vigas e afins, mas roços realmente são feitos bastante e não causam problemas de maior a ninguém a não ser os tais vizinhos a aproveitarem-se para ver se arranjam uma pintura nova à conta do vizinho.

    E fica ainda a questão principal do OP creio que era sobre a diferença entre ser o proprietário a fazer ou chamar alguém, se existe alguma diferença a nível de seguro, eu sinceramente não sei, já tive um problema deste género com uma infiltração mas claro evitei mencionar que tinha sido eu a trocar a torneira pois já tinha sido avisado que os seguros fazem e aproveitam tudo para se desmarcar.
    A lógica diz-me que seria mais fácil para a seguradora alegar a tal "inconsciência" se for um particular a fazer a obra e não uma empresa "certificada" mas aí também importa mencionar que muito pedreiro que prai anda é para todos os efeitos e independentemente da sua experiência "particular" e uma "empresa" já envolve por norma empreiteiros e IVAs, recibos e afins que poderiam ser necessários caso tenha de levar a seguradora a tribunal, atenção a isso

    Se existir preocupação ou histórico de problemas para terceiros com obras o melhor é não as fazer e vender a casa provavelmente, passa a batata quente para outro, é triste mas é o mais seguro para ser sincero, apartamentos é uma dor de cabeça
  4.  # 5

    Surgiu-me também outra possibilidade, mesmo sendo uma empresa certificada com recibos e afins, se o proprietário é que lhes pede para passar tubos pelas vigas ou por paredes que causam estragos a demais ou se eles alegam isso mesmo não sendo verdade não sei como fica nessa situação, a responsabilidade nesse caso provavelmente seria sua e a seguradora poderia alegar inconsciência da mesma forma como e fosse você a fazer os roços, o proprietário acaba sempre por estar em cheque, daí ter dito que o mais seguro é vender a casa e comprar uma que já esteja como quer.
  5.  # 6

    Pois, então posso mesmo ser ferrado mesmo que não faça nada demais e não faz diferença quem chamo em principio, é o pior cenário. O engraçado é que eles também se podem desmarcar alegando falta de manutenção, então posso ser ferrado por fazer obras ou por não as fazer.
    Realmente seguros é uma máfia do camandro
    • hangas
    • 20 junho 2022 editado

     # 7

    Colocado por: jserra12O que é que significa "Inconsciência voluntariamente adquirida" não encontro definição nem exemplos e parece-me extremamente vago,


    Eu acho que isto é para prever/excluir os casos onde o dano é causado por alguém que voluntariamente se colocou num estado de inconsciência ou incapaz de discernimento.
    Existem clausulas com esse conteúdos em quase todos os seguros de responsabilidade civil, incluindo ramo automóvel.

    Um exemplo é um individuo que voluntariamente ingere meia garrafa de whisky e depois vai conduzir/operar maquinaria pesada/ligar um martelo demolidor e abrir um "pequeno" roço no chão. :)
    Concordam com este comentário: size
  6.  # 8

    Colocado por: hangas

    Eu acho que isto é para prever/excluir os casos onde o dano é causado por alguém que voluntariamente se colocou num estado de inconsciência ou incapaz de discernimento.
    Existem clausulas com conteúdos em quase todos os seguros de responsabilidade civil, incluindo ramo automóvel.

    Um exemplo é um individuo que voluntariamente ingere meia garrafa de whisky e depois vai conduzir/operar maquinaria pesada/ligar um martelo demolidor e abrir um "pequeno" roço no chão. :)
    Concordam com este comentário:size


    Então não se aplica caso o dano seja acidental e a pessoa esteja sóbria e não esteja a fazer coisas de alto risco como por exemplo partir pilares ou vigas? Como é que eles verificariam se a pessoa não estava sóbria se os danos não forem notados de imediato?

    Quanto à questão

    Colocado por: jserra12a responsabilidade nesse caso provavelmente seria sua e a seguradora poderia alegar inconsciência da mesma forma como e fosse você a fazer os roços


    Existe alguma diferença em termos de seguro indo procurar um pedreiro? Tem de ser com recibo ou é assim como o amigo jserra diz que independentemente de quem o faça eu é que estou sempre "em cheque"?
    • size
    • 20 junho 2022 editado

     # 9

    Colocado por: ardosia99
    Pois, então posso mesmo ser ferrado mesmo que não faça nada demais e não faz diferença quem chamo em principio, é o pior cenário.

    Será ferrado se, comprovadamente, causar danos a terceiros, de forma intencional, negligente ...(ver exclusões na apólice). Os factos tem que ser provados.
    Torna-se básico que numa remodelação de fração autónoma, há que recorrer a métodos apropriados à circunstância, de modo a não causar danos a terceiros/vizinhos. À cautela, em vez de utilizar uma potente máquina vibratória/destruidora para abrir roços, há que optar por máquina de corte .

    O engraçado é que eles também se podem desmarcar alegando falta de manutenção, então posso ser ferrado por fazer obras ou por não as fazer.
    Realmente seguros é uma máfia do camandro

    Falta de manutenção ? Totalmente, descabido na situação concreta que apresenta !
    Que danos a terceiros, por falta de manutenção, é que podem advir se não trocar de sitio as tomadas ?
      fre.jpg
  7.  # 10

    Com tanta complicação, o melhor é não fazer nenhuma obra.
    E depois se avançar com a obra, nem se vai lembrar do mais importante, o seguro de acidentes de trabalho do pessoal que lá andar a trabalhar.
  8.  # 11

    Colocado por: PickaxeCom tanta complicação, o melhor é não fazer nenhuma obra.
    E depois se avançar com a obra, nem se vai lembrar do mais importante, o seguro de acidentes de trabalho do pessoal que lá andar a trabalhar.


    Isso também me caberia a mim? Sempre pensei que os próprios profissionais é que tratavam disso
  9.  # 12

    Colocado por: size
    Será ferrado se, comprovadamente, causar danos a terceiros, de forma intencional, negligente ...(ver exclusões na apólice). Os factos tem que ser provados.
    Torna-se básico que numa remodelação de fração autónoma, há que recorrer a métodos apropriados à circunstância, de modo a não causar danos a terceiros/vizinhos. À cautela, em vez de utilizar uma potente máquina vibratória/destruidora para abrir roços, há que optar por máquina de corte .

    Falta de manutenção ? Totalmente, descabido na situação concreta que apresenta !
    Que danos a terceiros, por falta de manutenção, é que podem advir se não trocar de sitio as tomadas ?
      fre.jpg


    Não falo nesta situação em particular mas no geral, sim neste caso posso não fazer nada simplesmente, como o jserra mencionou vender a casa e passar para outro, as pessoas muitas vezes compram casa com ideas de mudar as coisas e fazer obras mas se calhar deviam era continuar a procurar até encontrarem uma que seja só mobilar.

    O problema é que em primeiras casas poucas pessoas vão verificar instalações eléctricas, tubagens de água etc.. boa dica a da máquina de corte, teria era medo de pelo meio cortar algo que não devia com uma máquina dessas
  10.  # 13

    Colocado por: ardosia99boa dica a da máquina de corte, teria era medo de pelo meio cortar algo que não devia com uma máquina dessas


    Verifique antes por onde é que passam os cabos, eu tenho um localizador de cabos para isso, meto o transmissor numa ponta e com o receptor vou seguindo para ver (mais ou menos) por onde é que vai o cabo, se estou numa zona onde suspeito que haja tubos, fios ou vigas mudo para martelo e cinzel manual ou baixo a potência do martelo, nesses casos não me atrevia a usar a máquina de corte mas em roços novos ajuda e reduz a possibilidade de haver queixas dos vizinhos.

    Cuidado é depois usar equipamento como deve ser, máscara, óculos de protecção, luvas e sapatos com biqueira de aço, para usar a máquina de corte em particular aconselho-o a comprar um aspirador de pó daqueles que dá para seco ou molhado, porque a máquina de corte gera toneladas de pó em segundos, até com o aspirador vai ter a divisão CHEIA de pó (daí a máscara, é importante e uma das boas apropriadas ao pó não daquelas dos covids)

    Portanto protecção, ver onde vão os tubos e cabos mais ou menos antes e cuidado com vigas ou colunas em caso de dúvida desbaste à mão primeiro para ver se tem betão atrás, se tiver esqueça tem de mudar de direcção, estou neste momento por acaso nesse processo e o pessoal sempre diz que dá para tirar um bocado das vigas mas é arriscado e pessoalmente não vou nessas cantigas e mudo a direcção do roço porque já sei que se acontece qualquer coisa o gajo que tá a fazer obras é que é logo o culpado de tudo e mandam vir logo alguém inspeccionar e viga é "partes comuns" e legalmente não lhes pode tocar sequer sem autorização do condomínio.
    Nesse aspecto cuidado mesmo que meta alguém aí porque eles têm o hábito de se borrifar para essas coisas (foram pedreiros que me disseram para quebrar viga para passar tubos...) mas depois quem fica num 31 é mesmo você se isso dá m****

    Nos cantos vai ter de usar uma rebarbadora ou partir à mão porque as máquinas de corte normalmente não chegam bem aos cantos.

    Pessoalmente ainda uso imenso o martelo apesar de ter máquina de corte, a máquina de corte depende imenso de onde se está a fazer o corte se for numa parede relativamente baixa na mesma divisão é tranquilo, se quer fazer curvas ou passar tubos pelo teto ou zonas altas da parede ou coisas assim então vai sempre precisar de martelar na minha opinião. Tento manter os cinzeis da máquina afiados com lixa para evitar eles andarem ali a bater mais do que é preciso para remover o material que quero remover e depois desbasta um bocado em cima, um bocado em baixo e a parte do meio sai mais fácilmente.
  11.  # 14

    Colocado por: jserra12se estou numa zona onde suspeito que haja tubos, fios ou vigas mudo para martelo e cinzel manual ou baixo a potência do martelo


    Neste aspecto dependendo do grau de experiência com o martelo demolidor sugeria mesmo fazer com martelo e cinzel à mão, é chato dá trabalho mas é MUITO fácil furar um tubo VD com um martelo demolidor e se fura um vai ter de reparar com uniões e é uma carga de trabalhos e em casas antigas há por ai muito VD12 que para encontrar nas drogarias é um pincel.
  12.  # 15

    Resumindo epá se quer só trocar tomadas isso não é nada demais, se que fazer coisas mais complexas é que a coisa complica, mudar uma tomadas não é grande obra e provávelmente será numa zona onde de momento não existe nada e portanto pode usar a máquina de corte.

    Veja é os preços das máquinas todas e veja se vale a pena meter-se nisso ou se compensa mais chamar alguém que já tem esse equipamento. Não é complexo portanto qualquer um faz isso, se quiser acrescentar tomadas novas adicionais à divisão pode complicar e já envolve fazer umas contas, se for só trocar de sítio é simples.

    Mas uma questão seria, porque não usar somente uma extensão? Poupa a obra toda e epá a malta achando que não toda a casa acaba por ter extensões aqui e ali não é nada demais e não lhe afecta a estética e valor da casa
  13.  # 16

    Obrigado pelas dicas, também queria esta informação para ficar para o futuro porque não encontrei resposta concreta em lado nenhum, era mais mesmo pela questão das possibilidades (ou possiveis falhas) do seguro.

    Neste texto por exemplo:

    Colocado por: sizeNo entanto, se de qualquer forma e em qualquer circunstância, com os seus atos, provocar danos a terceiros de forma;
    - Intencional
    - Temerária -
    - Inconsciência voluntariamente adquirida,


    Uma obra feita em casa pode ser considerada um "ato temerário" por isso consigo imaginar as empresas de seguros a de imediato desmarcarem-se das responsabilidades civis devido a isso e neste caso seja quem for que eu contratar o "ato temerário" está lá na mesma, do que tenho visto o que safa isto por norma é que quando são os empreiteiros que causam o problema mandam o pessoal deles ir lá arranjar o problema do vizinho sem envolver os seguros de ninguém.

    Mas de outra forma sinceramente acho que é facílimo pelos termos destes seguros para eles se desmarcarem completamente de pagar responsabilidades civis seja de quem for em casos de obras o que nulifica a benesse de ter tal seguro no caso onde realmente precisamos dele e onde haveriam despesas realmente preocupantes
    O Seguro de RC passa a ser um seguro contra infiltrações causadas a terceiros glorificado é só para isso que serve e mesmo aí tem muita exclusão...

    Continua a parecer-me MUITO precário legalmente e não encontro um simples "sim ou não" no neste tópico é mais um "é possível" mas ninguém tem bem a certeza e do que tenho visto aqui no fórum há muita gente a fazer obras em casa pelo que não percebo como é que ninguém está preocupado com este assunto.

    Nunca aconteceu a ninguém? Ou os seguros resolveram sempre sem problemas ou os vossos empreiteiros resolvem sem activar seguros? E a malta que contrata profissionais directamente sem empreitada?
    Não percebo como é que funcionaria e o que é que garante de facto a protecção do segurado... parece-me que se tiverem sorte e um perito porreiro que faça vista grossa o seguro paga, se tiverem azar eles aproveitam esta margem de manobra para nos tramar, nulificar todo o propósito do Seguro RC e deixar o segurado com uma carga fiscal ENORME em cima que compromete os empréstimos bancários da própria fracção.

    E não compreendo porque é mesmo a coisa mais comum e natural depois de alguém comprar casa mandar fazer obras, pelo que o facto de não haver mais queixas disto indica que os seguros pagam de qualquer forma, mas não gosto nada de existir a possibilidade de não pagarem, têm sempre a faca e queijo na mão.
  14.  # 17

    Pois com isso não o posso ajudar infelizmente também não sei, eu sinceramente não pensei nisso, mas pronto sempre me avisaram para não mencionar a ninguém que sou eu a fazer seja o que for é sempre "estavam a fazer x ou y" mas fora isso acho que as pessoas não pensam muito nisso mas definitivamente não mencionaria que sou eu a fazer seja o que for e até agora nunca me perguntaram quem foi então. (também não tive quase incidentes)

    Mas de facto pode ter razão e faz sentido informar-se primeiro, isso só um advogado é que deve conseguir responder para ser sincero e mesmo assim é possível que a seguradora depois diga que não e tenha de recorrer ao mesmo advogado novamente para os pôr em tribunal, mas sim realmente é uma salganhada.
    • size
    • 27 junho 2022

     # 18

    Colocado por: ardosia99
    Uma obra feita em casa pode ser considerada um "ato temerário" por isso consigo imaginar as empresas de seguros a de imediato desmarcarem-se das responsabilidades civis devido a isso e neste caso seja quem for que eu contratar o "ato temerário" está lá na mesma, do que tenho visto o que safa isto por norma é que quando são os empreiteiros que causam o problema mandam o pessoal deles ir lá arranjar o problema do vizinho sem envolver os seguros de ninguém.



    Uma obra em casa só poderá recair num ato TEMERÁRIO se você a executar de forma negligente, arrojada, imprudente, arriscada, perigosa, etc. Claro, que nestes casos as seguradoras declinam a responsabilidade.

    Será, por exemplo, o caso de você decidir cortar uma parede meeira com a fração do lado, de tal modo arriscada, que atinge a face oposta. Pois. a seguradora declinará o dano que provocou ao vizinho.
    Concordam com este comentário: desofiapedro, jserra12
  15.  # 19

    Colocado por: size

    Uma obra em casa só poderá recair num ato TEMERÁRIO se você a executar de forma negligente, arrojada, imprudente, arriscada, perigosa, etc. Claro, que nestes casos as seguradoras declinam a responsabilidade.

    Será, por exemplo, o caso de você decidir cortar uma parede meeira com a fração do lado, de tal modo arriscada, que atinge a face oposta. Pois. a seguradora declinará o dano que provocou ao vizinho.


    Pois, ou então a malta que ao colocar bases de duche fura o teto do vizinho. Mas por exemplo se eles se queixam de rachas causadas por roços do vizinho nas paredes isso não seria temerário então suponho? Não é manifestamente arriscado ou perigoso digo eu, mas lá está, digo eu, a interpretação deles pode ser outra.
  16.  # 20

    Colocado por: ardosia99

    Pois, ou então a malta que ao colocar bases de duche fura o teto do vizinho. Mas por exemplo se eles se queixam de rachas causadas por roços do vizinho nas paredes isso não seria temerário então suponho? Não é manifestamente arriscado ou perigoso digo eu, mas lá está, digo eu, a interpretação deles pode ser outra.


    Neste caso do duche devido à zona é um bocado arriscado sim e faz sentido ser considerado como tal, por isso é que eles cobram um dinheirão por esse serviço porque pouca gente (a não ser que morem em rés de chão) se atreve a fazer isso sozinho, pode também colocar uma base de duche que não esteja ao nível do chão isso já envolve partir menos chão e reduz o risco mas sim muito cuidado porque ao fazer isso de facto está em cheque se acontece qualquer coisa lá para baixo.

    Já vi um post qualquer algures onde falavam de um incidente desse estilo mas o empreiteiro resolveu sem seguro se bem me recordo, se metessem seguros complicava seguramente com ou sem empreiteiros porque mesmo sendo um empreiteiro a fazer não deixa de ser temerário e arriscado e se der **** o empreiteiro vai ter de gastar mais para mandar o pessoal corrigir e por isso é que cobram no mínimo 1000€ por esse serviço em média.

    Rachas não sei, já tive um problema desses mas o vizinho largou o assunto, o perito disse que não tinha nada haver comigo e realmente eu aqui tinha e tenho "rachas" iguais às que ele descrevia (que eram mais imperfeições do teto derivadas da idade que outra coisa qualquer) (sim tenho vizinhos complicados)

    Se for uma racha a sério epah, vai aí um perito ver a obra provávelmente e determinar se é ou não "temerária" depende de onde anda a fazer roços, se mexeu em vigas ou colunas ou no chão. Mas para roços na parede sinceramente duvido que algo assim tão banal seja considerado temerário a não ser que parta a parede tão fundo que vai parar à casa ao lado. (o que seria bem para além do local onde tem tubagens atualmente)

    Pode eventualmente haver rachas porque o prédio é velho ou já tinha rachas que a sua obra acentuou mas isso sinceramente não pode ser considerado irresponsabilidade pois podia acontecer a qualquer um mesmo profissionais, nesse caso o edificio é que tinha problemas que não identificou da sua fracção mas não sei como é que a seguradora alegaria que isso é culpa sua.
 
0.0209 seg. NEW