Iniciar sessão ou registar-se
    • AMG1
    • 20 setembro 2022

     # 181

    Colocado por: taunus

    Quando estourar avisem-me


    Concordo completamente com o post seguinte do User Carvai. É claro que vai haver quebra no mercado imobiliario e na retante fileira. Mais acentudo nalguns segmentos do que noutros, mas se perdurar muito tempo vai chegar a todos e nalguns casos pode mesmo ser grave. Claro que a oferta também vai tentar ajustar, mas isso e so a mitigação do problema.
    Agora quando as txs. Na verdade e um verdadeiro fenómeno este das tx variaveis nas hipotecas. Os bancos em Portugal conseguiram uma coisa espantosa: passaram o risco de variação de tx juro para os mutuários, qundo esse risco é tipicamente risco do mutuante, pelo menos no credito a particulares, uma vez que se entende que (em geral) nesse segmento nao existe conhecimento suficiente para acomodar esse risco.
    Em portuagl toda a gente discute spreed e indexantess, como se fossem todos uns entendidos, mas na maioria da vezes nao fazem a minima ideia do qie falam e menos ainda como "estão a ser comidos de cebolada".
    Concordam com este comentário: N Miguel Oliveira
    • AMG1
    • 20 setembro 2022

     # 182

    Colocado por: Carvai
    No Brasil já começou a inversão de tendência. Por aqui veremos...
    https://motor1.uol.com.br/features/611281/coluna-faltavam-carros-faltam-clientes/

    Este fenomeno da falta de carros novos tem 2 anos e foi sobretudo derivado da ruptura das cadeias de abstecimento na sequencia do COVID. O facto do Secretaria Geral da ANECRA precisar vir agora com esta conversa, alias muito exagerada (um usado com 1 anos vale mais do que em novo. Isso e que era bom!) Para mim é um sinal de que a situação esta a mudar. Já viram que retomaram os anuncios a automóveis?
    E não venham dizer que era espaço ja comprado, quando? So se for há mais de 3 anos.
    • AMG1
    • 20 setembro 2022

     # 183

    Peço desculpa, mas troquei as citações nos dois post anteriores.
    • AMVP
    • 20 setembro 2022

     # 184

    • AMG1
    • 20 setembro 2022

     # 185

    Colocado por: AMVPhttps://www.jornaldenegocios.pt/mercados/detalhe/banco-central-sueco-toma-decisao-inedita-de-subir-taxa-diretora-em-1-ponto-percentual

    Sei que é na suecia, mas o problema é o mesmo


    Ontem via no expresso uma noticia em que um numero elevado de economistas (academicos e outros) davam como certo que o BCE devera ter de subir as taxas de desconto e dos depositos, para os bancos comerciais) até proximo dos 5% se quiser dominar os actuais niveis de inflação.
    Por aqui todos se preocupam com a possivel subida da euribor até 2 ou 3%. Vão perdoar-me mas vou tentar fazer um pouco de pedagogia.
    1. As tx euribor sao os valores médios das taxas utilizadas nos emprestimos interbancarios, num grupo de bancos comerciais de referencia em toda a europa.
    2. Estas txs dos empréstimos interbancarios sao, no essencial, ditadas por:
    2.1 A tx de desconto do BCE (custo dos emprestimos de curto prazo do BCE aos bancos comerciais).
    2.2 A tx a que o BCE remunera os depósitos dos bancos comerciais do eurosistema e que ate ha dois meses eram negativas.

    Isto tudo para dizer o quê?

    Nunhum banco comercial vai emprestar dinheiro (aos clientes ou a concorrentes) a uma taxa mais baixa do que aquela a que o BCE remunera os fundos depositados. Ora se a tx de depósito do BCE tiver de subir ate 4 ou 5% (atualmente creio que estarão abixo de 1%) mesmo que momentaneamente, o impacto na euribor vai ser avassalador. Claro que os bancos comerciais tem margem (os famosos spreeds) para acomodar uma parte disto, mas se a situação perdurar no tempo o efeito pode ser enorme.
    O tema deste tópico e o mercado imobiliario e sobre o que aí pode acontecer, sinceramente nao faço ideia, mas os astros parecem alinhar-se todos no sentido uma retracção brutal e este mercado nao vao lhe vai passar ao lado.
    • AMVP
    • 20 setembro 2022

     # 186

  1.  # 187

    • AMG1
    • 20 setembro 2022

     # 188

    Bem, este homem desenha um quadro em que nem eu, nos piores dias, era capaz de imaginar.
    O diagnóstico nao é destituido de sentido. A Alemanha fez uma asneira inqualificavel e lucrou muito com isso e isso deve ser dito com todas as letras, tal como foi em 2012 mencionada o endividamento excessivo de alguns estados, nomeadamente os do sul, que até fomos apelidados de preguiçosos.
    Agora a receita dele é absurda, se a europa se dividir é o fim do projecto europeu, mas eu tambem suspeito que é nisso que ele aposta.
    A ideia de isolar a escandinavia para reterem a capacidade produtiva de energia a que tem acesso, só mesmo de um trol finlandês.
    Uma opinião destas nao faz sentido para a maioria dos escandinavos que, apesar de terem um forte pendão nacionalista e regional, também conhecem bem as agruras do isolamento.
    Mais um que só quer na UE o que lhe convém. Abertura dos mercados está otimo, mas partilha de respansabilidade orcamental isso nao é necessario, porque eu nao preciso.
    Concordam com este comentário: N Miguel Oliveira, Joao Dias
    • AMVP
    • 20 setembro 2022

     # 189

    Colocado por: AMG1Agora a receita dele é absurda, se a europa se dividir é o fim do projecto europeu, mas eu tambem suspeito que é nisso que ele aposta.

    Mas nao é ao que estamos a assistir? Na verdade ja anda casa um por si.

    Colocado por: AMG1ideia de isolar a escandinavia para reterem a capacidade produtiva de energia a que tem acesso, só mesmo de um trol finlandês.

    Mas a franca isolar a pi para fatura com o nuclear é real!
    • AMG1
    • 20 setembro 2022

     # 190

    Na verdade a UE e um projecto de nações indepentes, nalguns casos com histórias até de antagonismos vários, mas simultaneamente é também a forma dessas nações terem voz no contexto global, ou seja a UE é unica forma de muitas dessas nacoes nao serem pequenos paises completamente periféricos e dependentes de terceiros com quem nao partilham nem historia em valores. Mesmo os grandes países europeus nao tem escala para as regras da concorrenci no contexto da globalização.
    E por isso que a UE tem de ser mais do que economia, se for só isso, vai acabar na primeira curva (crise)mais apertada. O que este Sr pretende é isso mesmo. Ou seja, se isto está mal para os alemães, "entao que se virem". Assim nao chegamos a lado nenhum. Seguindo este raciocínio, talvez o pais deste senhor devesse ter ficado a porta da NATO e do MDE, que é com quem diz a mercê de Putin.
    Claro que ele tem razao p.e. quando chama a atenção para o facto das principais decisões na UE serem tomada por burocratas nao eleitos, mas a solução para isso e passarmos a eleger os dirigentes europeus, ou seja mais aprofundamento da união e nao menos.
    Esta argumentação, ja a conhecemos bem, foi a mesma utilizada em 2012 quando a Finlandia tambem colocou imensas dificuldades as ajudas da UE aos paises mais endividados.
    Claro que num projecto destes, os interesses imediatos dos varios paises podem ser antagónicos, mas a solução e negociar e encontrar o equilibrio possivel e não desistir, a nao ser que nao se acredite no projecto, o que nao é o meu caso.
    Concordam com este comentário: N Miguel Oliveira
    • AMVP
    • 20 setembro 2022

     # 191

    Colocado por: AMG1Claro que num projecto destes, os interesses imediatos dos varios paises podem ser antagónicos, mas a solução e negociar e encontrar o equilibrio possivel e não desistir, a nao ser que nao se acredite no projecto, o que nao é o meu caso.

    Ha uns anos atras Acreditava, desde ha uns tempos para ca tenho mais dias em que nao acredito do que o inverso.
    • AMG1
    • 20 setembro 2022

     # 192

    A questão sao as alternativas, por mim nao vejo melhor.
    • AMVP
    • 20 setembro 2022

     # 193

    Colocado por: AMG1A questão sao as alternativas, por mim nao vejo melhor.

    Por mais estranho que possa parecer, penso que nos now safavamos melhor fora,isto numa perspectiva de trabalharmos para now governar na perspetiva de nos governarmos de subsidios é melhor a ue
  2.  # 194

    Colocado por: AMG1A questão sao as alternativas, por mim nao vejo melhor.


    Nem é tanto por aí.
    Acho que a UE apesar de tudo é das coisas melhores que temos.
    Só falta uma coisa aos países periféricos como Portugal (eventualmente este finlandês também padece disso), que é antes de sentirmo-nos portugueses ou ter ideias nacionalistas, sentirmo-nos europeus primeiro. Sem o rancor de que "somos pobrezinhos" e "ganhamos pouco"... mas tratarmos de convergir. O que até me parece que temos tentado fazer de certo modo.
    Não fosse a (por vezes) mal amada UE e nesta altura estávamos no buraco mesmo.
    Acho que ainda aproveitamos muito pouco a livre circulação que temos, e vemos demasiado para dentro.
    • AMVP
    • 21 setembro 2022

     # 195

    • AMG1
    • 21 setembro 2022

     # 196

    Colocado por: AMVPJa ha numero

    https://www.idealista.pt/news/imobiliario/habitacao/2022/09/19/54123-bce-preco-das-casas-vai-cair-ate-9-e-o-investimento-outros-15-com-a-subida-de-juros

    A explicação serve para os 9%, para metade ou para o dobro. Isto nao anda muito longe do prof. Karamba.
    Previsões deste tipo para toda a zona euro, nao dizem nada, para Portugal até pode até haver uma variação positiva, ou então ser 5x maior.
  3.  # 197

    Colocado por: N Miguel OliveiraDe pensar que em NYC o Empire State Building, o Chrysler Building ou o Rockefeller Center foram os edificios mais altos do mundo à época com o arranque das obras 1 ou 2 anos depois da Grande Depressão de 1929 (supostamente a crise mais grave de sempre).


    https://expresso.pt/economia/2022-09-20-A-partir-do-inverno-sera-como-nos-anos-1930-Vai-ser-o-choque-economico-mais-severo-que-a-Europa-presenciou-em-muito-tempo-68bc9f97
  4.  # 198

    Colocado por: Pumbadá tantos tiros nos pes e nao aprende com os erros e pagam sempre os mesmos!
    Pensa lá a cada cilo juros baixos, juros altos, o dinheiro muda de mãos. Se nas minhas mãos e nas suas mãos fica cada vez menos, ás mãos de alguém ele vai parar.

    Já não sei se estas ações erráticas de politicas macroeconómicas são tiros nos pés, incompetência, ou se são propositadas.

    Sei o seguinte: Existe uma crise de habitação em Portugal, não há oferta de casas nem para venda nem para renda, e as que há têm valores que até na Alemanha eram altos. Se as pessoas não conseguirem aguentar a euribor, das duas uma, ou invadem as próprias casas e fazem como os ocupas em Espanha, ou têm de ir lutar por um espaço para o saco de cama debaixo da ponte. Vender a perder dinheiro não acredito muito, aí ficam sem casa e com a divida.
  5.  # 199

    Colocado por: taunustambém o deveriam ser as prestações de CH.
    E são para toda a gente que comprou a casa antes de 2011......Mesmo aqueles em que é o estado a o aumento dos juros.

    nada mais justo que permitir a quem comprou após 2011 também poder deduzir os juros no IRS
    • AMG1
    • 21 setembro 2022

     # 200

    Colocado por: AMVPhttps://www.jornaldenegocios.pt/mercados/detalhe/banco-central-sueco-toma-decisao-inedita-de-subir-taxa-diretora-em-1-ponto-percentual

    Sei que é na suecia, mas o problema é o mesmo


    So espero que nao nos aconteça o mesmo que aconteceu ao mercado imobiliario da Suécia na crise no inicio dos anos 90.
    O impacto foi de tal magnitude que reconfigurou por completo o mercado. Houve zonas que pura e simplesmente deixaram de ter qualquer valor, ainda hoje ou estao abandonadas ou ocupadas por emigrantes pobres. Os suecos nao querem lá viver muito pura e simplesmente.
    O mercado de segunda habitação que e muito forte na Suécia levou um abanão ainda pior ninguém conseguia vender uma casa. A dada altura o estado teve mesmo de retirar os impostos sobre estas casas, que nalguns casos são elevadíssimos, para que pudesse haver alguma rotação, porque os proprietários nao as conseguiam vender e tinham dificuldade em suportar os encargos.
    As explicações para o que aconteceu foram várias, como em todas as tempestades perfeitas, mas a mais consensual é de que tera sido o resultado de terem estendido muito para além do razoável um programa muito interessante que tinha em vista garantir uma habitação condigna a todos os habitantes, que ja vinha do final dos anos 60.
 
0.0514 seg. NEW