Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 161

    Aqui o ponto é que a inflação está a apertar com todos. Quanto mais cedo abrandar melhor para (quase) todos. Quanto mais forte e rápido se controlar melhor. Nos USA já começou a inverter-se a escalada da taxa de inflação.

    Subir a Euribor é uma reação, que no fundo tenta tirar dinheiro do mercado onde o meteu desmesuradamente estes anos todos.
    Claro que não devia subir tão rápido (poucos estavam preparados pelos vistos). Mas quanto mais cedo melhor. O HAL acha que isso vai matar o paciente. Pois eu não sei se não seria pior prolongar o calvário. Se calhar seria bastante mais penoso e destruidor. Pelos vistos, a FED e BCE acham o mesmo.

    Agora o que não entendo é uns tirarem dinheiro de circulação e os Estados distribuirem vauchers em contra corrente.
    Dá a ideia que os apoios são só para mostrar serviço com campanhas populistas.
    Concordam com este comentário: hsousa
  2.  # 162

    Colocado por: N Miguel Oliveira

    Agora o que não entendo é uns tirarem dinheiro de circulação e os Estados distribuirem vauchers em contra corrente.
    Dá a ideia que os apoios são só para mostrar serviço com campanhas populistas.


    Servem simplesmente para mostrar que ninguém sabe o que fazer …
    Concordam com este comentário: N Miguel Oliveira
  3.  # 163

    Colocado por: N Miguel OliveiraAqui o ponto é que a inflação está a apertar com todos. Quanto mais cedo abrandar melhor para (quase) todos. Quanto mais forte e rápido se controlar melhor. Nos USA já começou a inverter-se a escalada da taxa de inflação.

    Subir a Euribor é uma reação, que no fundo tenta tirar dinheiro do mercado onde o meteu desmesuradamente estes anos todos.
    Claro que não devia subir tão rápido (poucos estavam preparados pelos vistos). Mas quanto mais cedo melhor. O HAL acha que isso vai matar o paciente. Pois eu não sei se não seria pior prolongar o calvário. Se calhar seria bastante mais penoso e destruidor. Pelos vistos, a FED e BCE acham o mesmo.

    Agora o que não entendo é uns tirarem dinheiro de circulação e os Estados distribuirem vauchers em contra corrente.
    Dá a ideia que os apoios são só para mostrar serviço com campanhas populistas.



    A inflação é muito mais danosa á economia geral que o aumento da taxa de juros, que não passa de uma medida.
    Os EUA adiantaram-se e começaram a aumentar taxas mais cedo que a UE, o que foi o mais correcto a fazer.
    Concordam com este comentário: N Miguel Oliveira, ferreiraj125
  4.  # 164

    Colocado por: N Miguel Oliveira
    A lógica mais elementar de quem contrai crédito é: "ora a prestação é menor que uma renda, pronto, está decidido"


    Não sei se haverá muitos lugares no mundo onde a prestação do CH seja inferior a uma renda, mas em PT sim, e parece-me da mais elementar lógica escolher a opção mais barata para viver. Tal como uma empresa tenta optimizar custos, uma familia também.

    Além de que, sumado ao facto que os valores andam ela por ela, o Crédito Habitação é uma aquisição de patrimonio que nos últimos 10 anos foi extremamente bem renumerada - felizes aqueles que viram o seu património passar do 1M€ por este pormenor, e não devem ser poucos, é suficiente com ter 2 apartamentos em Lisboa e algumas poupanças.
  5.  # 165

    Mas a questão aqui não é se se deve ou não investir em imobiliário e comprar em vez de arrendar .
    Pois é lógico que se comprar sai mais barato que arrendar e ainda é um dos poucos investimentos seguros em Portugal então … é comprar.

    A grande questão é o pessoal continuar a comprar olhando só á prestação actual, simultaneamente ignorando a que indexantes o CH está ligado , TAEG, TAN , seguros , cartões de crédito … penalizações de amortizações , quadros de agravamentos das prestações aquando o crescimento dos indexantes dos últimos 20 anos etc.
    Concordam com este comentário: eu, N Miguel Oliveira
    • eu
    • 7 novembro 2022

     # 166

    As simulações já têm vários cenários com outras taxas de juro, mas acho que muita gente nem olhou para isso.
    Concordam com este comentário: N Miguel Oliveira
  6.  # 167

    Colocado por: palmstroke

    Não sei se haverá muitos lugares no mundo onde a prestação do CH seja inferior a uma renda, mas em PT sim, e parece-me da mais elementar lógica escolher a opção mais barata para viver. Tal como uma empresa tenta optimizar custos, uma familia também.

    Além de que, sumado ao facto que os valores andam ela por ela, o Crédito Habitação é uma aquisição de patrimonio que nos últimos 10 anos foi extremamente bem renumerada - felizes aqueles que viram o seu património passar do 1M€ por este pormenor, e não devem ser poucos, é suficiente com ter 2 apartamentos em Lisboa e algumas poupanças.


    Sem falar que a prestação não é um custo, visto que grande parte do valor é apenas amortização da divida. Esse dinheiro continua a existir sob a forma de patrimonio (o imovel).

    O verdadeiro custo é apenas os juros e a depreciação do imovel (bem como manutenção, seguros, IMI, etc), que é muito mais baixo do que uma renda.
    Concordam com este comentário: eu
  7.  # 168

    As coisas têm de ser ditas como são, em Portugal só aluga casa quem não pode nesmo comprar.
    Concordam com este comentário: NunoCruz, eu, ferreiraj125, desofiapedro
  8.  # 169

    Colocado por: DuarteMAs coisas têm de ser ditas como são, em Portugal só aluga casa quem não pode nesmo comprar.
    Concordam com este comentário:NunoCruz


    Depende… tenho uma colega no trabalho que vive com o marido e o filho num apartamento arrendado, e não quer comprar, pois não está para se preocupar com despesas de manutenção, seguros e IMI.

    Não é por falta de possibilidade de comprar.

    Mas a grande maioria sim, só aluga porque não pode comprar.
    Concordam com este comentário: N Miguel Oliveira
  9.  # 170

    Colocado por: N Miguel OliveiraImagine que o Estado vem agora em auxilio de quem está aflito com a taxa variavel. Não acha que é injusto para os que a têm fixa? Ou para os que nem créditos têm? Para os que pagam renda por exemplo?
    Depende, a única "ajuda" que eu aqui defendi, era a dedução dos juros do empréstimo em IRS. E isso é válido para quem tem taxa fixa, para quem tem taxa variável e equipara a quem arrenda ( que para além de poder deduzir, até viu o governo a legislar no sentido de limitar os aumentos). Porque seria injusta esta medida? E repare que eu nem sequer falo em causa própria, uma vez que não iria poder beneficiar de tal medida.


    Colocado por: N Miguel OliveiraEntão uns andaram a poupar estes anos todos graças a taxas incrivelmente baixas. Essa poupança é para ser activada agora e compensar a subida.
    Há aqueles que aproveitaram 8 ou 9 anos de taxas baixas e deviam ter poupado, mas também há quem tenha feito o CH no ano passado ou no início deste ano e não teve tempo de fazer propriamente uma grande poupança. Depois ainda há quem pediu para construir nos últimos anos e não tem sequer acesso à taxa fixa (o meu caso, mas eu admito já que não sei se teria contratado taxa fixa, depende do que me tivesse sido oferecido. Agora eu pedi a simulação na altura e não havia em nenhum dos bancos). Nem tudo é tão linear.
    Obviamente que no meio disto tudo há os aventureiros que fazem as contas ao momento, e os que apenas têm fé que "vai tudo ficar bem".


    Colocado por: N Miguel OliveiraAqui o ponto é: mas qual poupança? Onde está? Vai culpar o Estado ou quem o valha por isso?
    Não culpo o estado pela decisão das pessoas, como é obvio. Mas tb n é mentira que os nossos fracos rendimentos médios, e evolução do preço de habitação nos últimos anos está intimamente ligado com opções políticas. Se o rendimento disponível fosse maior, não sei se as pessoas tomavam tantas decisões mal pensadas, digamos assim.

    Culpo sim o governo pelo discurso. Já há varios meses que devia ter um discurso mais semelhante com o do PPC, para que as pessoas ganhassem consciência dos tempos difíceis que aí vêm, e abrandassem o consumo, pensassem mais antes de pagar o 1º preço que lhes põe à frente. Deviam dizer claramente: "meus meninos está na hora de poupar à seria, porque vamos todos estar mais pobres". Em vez disso, mente descaradamente e diz às pessoas que lhes vai dar "aumentos" de rendimentos, assim claro que o povo incauto continua a consumir como se não houvesse amanhã.

    Ontem estava a ouvir o comentário do Marques Mendes e ele apresentou os dados do CH em espanha, que sendo maioritariamente a taxa variável em 2008, investeu totalmente e agora mais de 70% dos CH são a taxa fixa. Fiquei a pensar, o que terá originado a inversão? Os espanhois ao contrário dos portugueses aprenderam com a última crise? A banca mudou a aposta para a taxa fixa em época de juros baixos? Houve algum programa de sensibilização ou legislativo de originou essa inversão? Fiquei com a ideia de ir ler um pouco sobre o tema, mas ainda não tive tempo.


    Colocado por: N Miguel OliveiraO HAL acha que isso vai matar o paciente. Pois eu não sei se não seria pior prolongar o calvário. Se calhar seria bastante mais penoso e destruidor. Pelos vistos, a FED e BCE acham o mesmo.
    A inflação descontrolada será também uma falha do BCE, por isso o que eles acham ou não acham, não é lei. Nós temos o BCE no inicio do ano a dizer "no passa nada". Até que ponto é que isso tb não contribuiu para a inflação? Se o discurso fosse diferente, se tivessem logo sinalizado um aumento de taxas, será que a inflação chegava aos 10%?
    Por isso eu não consigo achar esta velocidade galopante uma estratégia acertada. O BCE tem de ter outros instrumentos financeiros, assim corre o risco de provocar uma recessão que se pode descontrolar. Além das famílias que sofrem com a Euribor, as empresas também enfrentam mais dificuldades de financiamento, e se o desemprego aumenta, toda a situação piora. O empobrecimento dos já pobres e dos remediados não pode ser a única alternativa a que os bancos centrais sabem recorrer. Sobretudo se do outro lado há empresas de áreas muito específicas com lucros record.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: desofiapedro, N Miguel Oliveira
  10.  # 171

    Vejam o debate de hoje na sic noticias entre a Mortátua e a Cecília Meireles, vale a pena ver.
  11.  # 172

    Colocado por: DuarteMVejam o debate de hoje na sic noticias entre a Mortátua e a Cecília Meireles, vale a pena ver.
    Por acaso era o que ia fazer, assim que acabasse a minha meta de trabalho diária, ver o linhas vermelhas :).
  12.  # 173

    não adianta queixar do bce. a lagarde está em modo automático e quem manda aqui é o FED. na minha opinião foi bastante óbvio que a razão pelo qual o BCE começou a fazer saltos de 75bps foi para salvar o EURUSD, que se continuasse a cair abaixo de 1 ia ser o inferno na terra (mais do que vai ser).
    o FED também está meio em modo automático, já vão em 4% e a inflação continua doida. agora apontam para >5% dentro de poucos meses. depois é ver quanto tempo aguentam com os juros tão altos, quando rebentar alguma coisa a sério lá vão eles reverter a marcha para tentar salvar a economia, mas penso que o caldo já está mais que entornado por tantos excessos quer para um lado quer para o outro.
    tempos estranhos e ninguém sabe o que vai sair daqui. o melhor é começar uma horta?
  13.  # 174

    Colocado por: NunoCruz

    Depende… tenho uma colega no trabalho que vive com o marido e o filho num apartamento arrendado, e não quer comprar, pois não está para se preocupar com despesas de manutenção, seguros e IMI.

    Não é por falta de possibilidade de comprar.

    Mas a grande maioria sim, só aluga porque não pode comprar.


    Eu também prefiro andar de taxi porque não quero ter preocupação com despesas dem manutenção, seguros, etc, mas não sai barato.
    Concordam com este comentário: eu
  14.  # 175

    Colocado por: palmstrokeda mais elementar lógica escolher a opção mais barata para viver.


    Claro que sim. O que eu queria dizer é que pouco mais raciocinio se tem. Poucas mais contas se fazem. Se não viamos que a casa não custa só o que o constutor pede por ela.

    Quanto à opção de construir/comprar, sim essa tende a ser a opção mais comum e teoricamente mais favoravel. Depende do modo de viver de cada um também. Eu por exemplo não vejo grande vantagem em fazer isso demasiado cedo, o que poderia contrariar a lógica mais simples. Nem tudo são numeros.
  15.  # 176

    Colocado por: NunoCruztenho uma colega no trabalho que vive com o marido e o filho num apartamento arrendado, e não quer comprar, pois não está para se preocupar com despesas de manutenção, seguros e IMI.


    Fora aqueles que preferem a liberdade de mudar mais vezes, mais rápido, e mais simples. Não ficar preso a um sitio. Ou de querer juntar e amealhar para comprar mais tarde sem ajudas dos bancos.

    Há quem o faça com os automoveis também, com o mobiliário, etc... são opções.
  16.  # 177

    Colocado por: HAL_9000O BCE tem de ter outros instrumentos financeiros


    Como por exemplo?
  17.  # 178

    Colocado por: N Miguel OliveiraComo por exemplo?


    a principal é Compra e venda de ativos financeiros.

    Sendo que nos últimos anos, e principalmente na altura do covid, foi o que mais fez, compra bastante agressiva de ativos, assim injetou muita (demasiado mesmo) liquidez na economia.

    https://www.bportugal.pt/page/quais-sao-e-para-que-servem-os-outros-instrumentos-do-bce
  18.  # 179

    A resposta do BCE a todo este descontrolo financeiro e incapacidade de agir (só sobe/desde juros) vai ser criptomoedas.

    Que de acordo com o mesmo, as atuais não valem nada, porque não têm segurança nenhuma.

    A do BCE vai ser muito boa, porque vai ter o apoio (controlo) do BCE.

    Nas palavras da Lagarde: https://youtube.com/shorts/C_DAF5_6SM8
  19.  # 180

    Colocado por: N Miguel Oliveira. Ou de querer juntar e amealhar para comprar mais tarde sem ajudas dos bancos.


    Há uns anos é que havia muita malta assim, hoje em dia esqueça.
    Concordam com este comentário: eu
 
0.0918 seg. NEW