Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Boa tarde a todos,


    Vi este forúm e gostei, mas é enorme!!!! E perdi-me com tantas opiniões e tantos temas diferentes, se calha o que vou perguntar já está em qualquer outra discussão, mas…vou tentar a sorte e ver se obtenho respostas.

    Herdei uma casita, sim casita porque tem cerca de 60m2. Adoro o sítio e queria ficar por ali! Partilhar com os meus filhos e marido, mas…60m2!!??

    O meu apartamento tem 120m2 e já se torna pequeno então 60…. Está fora de questão.

    Acontece que a construção é já muito antiga, por isso tenho de mexer seja qual for a solução. Da parte da câmara ao que me pareceu não estão com vontade de complicar, deram autorização para ampliar quer em altura como em profundidade. Deitar a baixo e voltar a construir, manter o que está e só remodelar, ou deixar a já existente e ampliar mais, isto apenas falado, não tenho nada escrito!

    A pergunta é: qual a opção a tomar, eu sei que uma casa feita de raiz é muito mais bonita e podemos fazer tudo o que imaginamos e reconstruir temos de nos cingir ao que já existe, mas a casa foi herdada, a questão monetária para mim é muito importante, não posso gastar rios de dinheiro, e ao que percebi as licenças de construção são caríssimas, assim como os impostos anuais.
    Se eu apenas remodelar a construção já existente e ampliar pago os impostos pelo valor que a casa está registada? E se construir tudo de novo deitando aquela abaixo?
    As licenças de construção e de remodelação a nível de custo são muito diferentes?

    Desculpem mais não tenho nada de nada, estou completamente em branco em relação a tudo isto, já agora se souberem quais as discussões que posso ler para me ajudar agradeço a boa vontade.

    Obg, cump
    Guida
  2.  # 2

    Se deitar abaixo, terá q fazer tudo de raíz: projecto feito, mete-lo na camara, ser aprovado,pagar a licença, construir, pedir licencças de habitabilidade, etc. Claro que o valor patromonial será totalmente diferente do actual.

    Alem disto, convem saber se esta em REN ou RAN, e se a área permite construir.

    Já fez o modelo 1 do IMI? Isso era facil de tratar, mas teria que ser logo de inicio. Eu em princpio aproveitaria o existente(obviamente só conhecendo poderia dize-lo com certezas)
    • FLR
    • 28 dezembro 2007

     # 3

    Eu, se fosse a si, ampliava sem demolir o existente. Não sei onde é a casa, mas aqui no Porto, uma ampliação paga menos taxas do que uma construção nova, porque o valor só incide sobre a área nova, ou seja, no total, paga a taxa sobre X menos 60m2 que já existem. O existente, alvo de remodelação interior, paga só um valor residual. Não sei se os Regulamentos de Taxas e Licenças das outras Câmaras dizem o mesmo.
    O valor de mercado da obra final não oscila muito entre uma construção toda nova e uma ampliada. O facto de manter o existente até pode dar à casa um certo factor de diferenciação que a valorize em relação às construções modernas comuns. Claro que me refiro a valor de mercado, se um dia vender a casa, e não ao valor patrimonial para efeitos de IMI, etc.
    Quanto a custos de obra, tudo depende do estado actual da casa. A manutenção do existente até pode vir a ser mais cara, depende do grau de intervenção, e da mão de obra necessária. Por exemplo, consolidar a estrutura de paredes de granito em ruínas fica caro, restaurar madeiras e caixilhos fica caro... Mas se fizer uma remodelação menos comprometida com o existente, em que, por exemplo, introduza caixilharia de desenho moderno nos vãos antigos, se não precisar de restaurar tectos e pavimentos, se as paredes resistentes estiverem em bom estado, pode compensar...
  3.  # 4

    cáudio disse:
    Olá Guida.

    Para qualquer dos casos é nessecario um projecto para ser depois apreciado na camara municipal. Apesar de reconstuir e/ou ampliar a licença ser mais acessivel, uma construção de raíz a estrutura é mais viavel e poupa muito area ( a espessura das paredes antigas pode variar dos 0,50 m á 0,70m) havendo desperdicio de area. Na minha opinião profissional reconstruir uma casa antiga, só se for para manter a estetica original ou seja uma construção rústica ou restauro. É claro que os preços não seria o mesmo que uma casa feita de raíz ou reconstrução, mas o valor patrimonial e artistico fariam sem dúvida a diferença. A minha sugestão será, pedir orçamentos diferentes a varias empresas de construção para depois serem analizados por si. nota: Muitas das empresas não teem o seu proprio alvará de construção e pedem emprestado ou alugam a outras empresas, o que é ilegal, sendo o dono da obra e a empresa que emprestou/alugou multados e a possibilidade do embargo da obra. Procure informar se das empresas com alvará proprio, antes de pedir orçamentos.
  4.  # 5

    Obrigado a todos pelas dicas,

    A casa situa-se em Lisboa, perto de Caxias e do estádio Nacional. A construção não é em pedra. Deve ter cerca de 25 anos. A questão está que não queria subir a cota da construção, o telhado está bom pois foi reparado o ano passado, tudo novo!
    A ideia seria quase construir outra ao lado, mas será que consigo harmonizar a construção? A casa é daquela arquitectura básica, um quadrado com um telhado de 4 aguas uma janelita em cada alçado e pronto, quase como as casa que desenhamos quando somos pequenos, mas como posso fazer outra ao lado, no caso a trás sem tirar esta estética? E depois é a questão do telhado, já me disseram que não posso baixar as duas águas????para o mesmo lado????? Queria perceber alguma coisa disto…


    Obrigado pela vossa disponibilidade! D


    Obg, cump
    Guida
    • FLR
    • 28 dezembro 2007

     # 6

    Guida,

    Esses problemas todos devem ser analisados e solucionados por um Arquitecto. É para isso que eles servem. Não se sinta obrigada a perceber alguma coisa disto, e entregue o trabalho a um profissional da área. Se ler algumas discussões do forum, principalmente "quanto custa um projecto de arquitectura", vai perceber melhor como funciona este processo, vai ler declarações de amor e de ódio à classe dos arquitectos, mas, no fim de contas, é tão natural chamar um arquitecto como um médico ou um advogado, cada um na sua área.
    Quanto à estética da casa existente, ela estará nos olhos de quem a vê, como sempre acontece. Ou seja, é tudo uma questão de hábito. Se a estética que agora aprecia mudar (não digo desaparecer), é muito provável que o resultado seja ainda melhor. Claro que, como tudo, primeiro estranha-se o que é novo, e depois entranha-se, e não se quer outra coisa. Se não fosse sempre assim, ainda vivíamos em cavernas. A harmonia não implica fazer ao lado uma casa igual, tem muito mais a ver com proporções, dimensões, distâncias, materiais, etc.
  5.  # 7

    Olá a Todos,

    passados alguns dias, mais de um mês, já tenho uma série de respostas!

    Fui à Camara, falei com o Arquitecto e percebi tudo o que era permitido fazer! Devo dizer que fiquei encantada! Espero que o encanto não desapareça quando for altura de resolver, mas...

    Já tenho algumas dicas e afinal o mundo da arquitectura é surpreendente, nem sei porque fui para gestão! :D

    Quero mesmo realçar que fiquei muito admirada mesmo e com grandes espectativas, até parecia que vivia num mundo à parte, até que ....fui pedir orçamentos a construtores, éh!éhéh! Esta vai ter direito a uma nova discussão!!!

    Obg, cump
    Guida
 
0.0141 seg. NEW