Iniciar sessão ou registar-se
    •  
      FD
    • 8 novembro 2006 editado

     # 1

    Habitação a custos controlados, reabilitação urbanística e construção da marina trarão o desenvolvimento a Ferragudo.

    A futura Marina de Ferragudo será, porém, o maior projecto para esta freguesia, nos próximos anos. Concebida para receber grandes embarcações de luxo, em complemento à vizinha Marina de Portimão, do outro lado do rio, ficará integrada na paisagem da vila.

    São estes os princípios que orientam o desenvolvimento da Marina de Ferragudo, a quinta marina turística a ser construída no Algarve e a terceira a ser lançada pela empresa Marinas do Barlavento.

    Terá 340 amarrações, e incluirá, na parte terrestre, mais de 130 apartamentos e 50 moradias de luxo, que os seus promotores garantem que ficarão integradas, quer do ponto de vista arquitectónico, quer do ponto de vista social, na vila de Ferragudo.

    Prevê-se a construção de um porto de pesca, no local hoje usado pelos pescadores, onde será construída uma rampa e uma zona de arrumos para os seus materiais.

    Próxima deste porto, deverá ficar situada a zona comercial, com dois mil metros quadrados, seis restaurantes e nove lojas. Na extremidade Norte, será projectado o hotel-apartamentos, junto ao edifício do Pavilhão Arade.

    Mesmo ao lado da marina, onde antigamente ficava a fábrica conserveira do Frito Velho, será construída outra unidade hoteleira de luxo.

    Contudo, o presidente da Junta de Freguesia Luís Alberto espera «que este empreendimento de luxo esteja voltado para a vila», apelando para que todos os «que vierem investir em Ferragudo não voltem as costas à vila».

    No entanto, toda esta vaga de desenvolvimento só terá resultado caso sejam feitas alterações nos equipamentos.

    Com o enorme afluxo de turistas durante o Verão, Ferragudo tem dificuldades, nomeadamente ao nível do estacionamento e do tráfego automóvel. Luís Alberto explica que alguns equipamentos, como os esgotos, a electricidade e a recolha de lixo, «não estão preparados para receber o grande afluxo turístico no Verão».

    No entanto, os projectos do autarca ferragudense pretendem revitalizar a vila também a pensar nos que nela nasceram.

    «Até ao final do meu mandato, espero criar fogos de habitação a custo controlado», explicou. Tendo em conta que Ferragudo é um dormitório de mão-de-obra qualificada e de classe média que trabalha em Portimão, o presidente da Junta quer que os seus conterrâneos tenham espaço para viver na vila. Desde 1988 que não se constrói habitação a custos controlados na freguesia, mas «agora temos previstos 30 a 40 fogos de habitação».

    O objectivo deste projecto é permitir que os jovens se fixem na vila. Embora poucos, estes fogos «serão suficientes para colmatar as primeiras lacunas neste âmbito», afirmou o presidente da Junta.

    No futuro, Luís Alberto espera recuperar as habitações degradadas da localidade, para que jovens e famílias aí possam fixar-se. «Queremos fazer uma requalificação do casco típico da cidade, preservando a traça original, com a povoação virada para o mar».

    Desenvolver e preservar as origens e tradições de uma vila piscatória à beira mar plantada é o objectivo do presidente da Junta de Freguesia Luís Alberto.

    Para isso, está a preparar uma conferência, que terá lugar possivelmente em Dezembro, onde as diversas entidades públicas e privadas que tenham planos para a vila e a freguesia serão convidados a participar, para que «juntos perspectivemos o futuro de Ferragudo», revelou o autarca.

    [url]http://www.barlavento.online.pt/index.php/noticia?id=10276&tnid=3[/url]
  1.  # 2

    Anónimo disse:
    Esperamos que a requalificação do portinho de Ferragudo tenha em conta não só os barcos de pesca mas também os de recreio, pelo menos os de pequeno porte, propriedade de ferragudenses. Estes pequenos barcos, que sempre existiram em ferragudo,pertencem quase todos a pessoas que não têm qualquer hipótese, a nível financeiro, de metê- los na futura marina de luxo.
 
0.0108 seg. NEW