Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Estou a concluir o processo de compra de uma moradia. O crédito já foi aprovado. Não fizemos CPCV. Acontece que a moradia no dia de hoje já não vale o mesmo de há 15 dias. No vosso entender ser sensato pedir a renegociação do valor a pagar pelo imóvel?
    Agradeço, desde já, as vossas opiniões.
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 2

    Sempre pode tentar. Se a bolsa caiu 20%,todos os investimentos naturalmente vão se desvalorizar, ainda mais um investimento sem liquidez como imóveis. Muitos irão discordar, mas é o que penso.

    Entretanto, pode ser que o proprietário não aceite a nova realidade, ou ainda que encontre um incauto que pague o preço anterior.
    Concordam com este comentário: Pedro Barradas
  4.  # 3

    Porque é que não vale?

    Em 15 dias desvalorizou ou estragou-se?

    2 semanas e ja estamos em especulações?

    Olhe que a carne aumentou e o álcool também não é tudo a cair
    Concordam com este comentário: ricat

  5.  # 4

    Colocado por: RicardoPortoEm 15 dias desvalorizou ou estragou-se?


    Ninguém sabe se no futuro vai ter rendimentos que permitam pagar a prestação.

    Por outro lado

    Colocado por: RicardoPortoOlhe que a carne aumentou e o álcool também não é tudo a cair


    A inflação deverá ser uma realidade, se n comprar agora, secalhar no futuro terá mais dificuldade. Os salários reais vão diminuir.
    Concordam com este comentário: Pedro Barradas, ricat
  6.  # 5

    o desemprego , vai caminhar facilmente para os 10%, mas concerteza que vai-se ser muito , mas muito superior.
  7.  # 6

    Colocado por: NTORIONNinguém sabe se no futuro vai ter rendimentos que permitam pagar a prestação.


    O risco associado não tem implicações no valor do bem.

    Este depende apenas do que o mercado está disposto a oferecer pelo mesmo.

    Se envolver empréstimos, maior o risco, maior o juro (dento do possível), para o mesmo capital.

    Se as condições de financiamento se tornarem menos acessíveis, irá haver menos mercado e, como tal, valor com revisão em baixa.

    Também é importante não confundir aumento de preços pontuais com inflação. Neste momento uns preços sobem, outros descem.

    Salvo erro, 2019 foi excepção, mas temos tido uma inflação constante nas últimas décadas. Nada para alarme.

    A falta de confiança e redução de investimentos é que poderá ter um peso significativo.
  8.  # 7

    Colocado por: pguilhermeO risco associado não tem implicações no valor do bem.


    Parece que se contradiz...

    Colocado por: pguilhermeEste depende apenas do que o mercado está disposto a oferecer pelo mesmo.

    Se envolver empréstimos, maior o risco, maior o juro (dento do possível), para o mesmo capital.

    Se as condições de financiamento se tornarem menos acessíveis, irá haver menos mercado e, como tal, valor com revisão em baixa.


    O custo do dinheiro, os rendimentos, a estabilidade politica/fiscal, e mais outras dezenas de fatores formam a curva da oferta/procura, e é nisso que resulta o preço do bem.

    Factos quase certos:
    Salários não vão subir;
    BCE vai imprimir dinheiro;
    Probabilidade de criação das eurobonds/outro mecanismo de emissão de dívida (que alguém tem de comprar BCE).

    No curto prazo, deveria resultar em deflação, mas o que já se assiste é o inverso, se houver destruição da capacidade produtiva e mais importação de bens, está tendência ainda se vai acentuar mais. Mas são apenas as minhas suposições.
  9.  # 8

    Colocado por: NTORIONParece que se contradiz...


    Não. Referi um cenário de empréstimo para um bem do *mesmo* valor (ponto a reter), pegando no seu exemplo.
    Se não houver crédito, onde se aplica:
    Ninguém sabe se no futuro vai ter rendimentos que permitam pagar a prestação.


    Tem toda a razão: a criação de moeda causa deflação. Veremos.

    Os salário não vão subir? Veremos.
    A economia de uma Europa passada benificiou bastante de uma redução drástica na força de trabalho, que resultou numa falta de pessoal qualificado e levou ao aumento salarial. Provavelmente fez a Europa que conhecemos hoje.


    Julgo que neste momento não estamos em posição de fazer uma análise económica de "bird's eye". Estamos sim, a observar um ajuste dos preços às novas condições e com uma pequena (?) ajuda do panico/histerismo colectivo. Como disse: uns preços sobrem mas outros descem. Esta situação parece-me pontual e irá estabilizar.

    Respondendo ao OP: ao atrasar o processo o mais possível, sem incumprir as condições acordadas, estará a comprar tempo para deixar esta situação assentar. Nessa altura será mais fácil perceber se se justifica uma renegociação. Caso se justifique, ao ter tempo para assimilar a nova realidade, o vendedor provavelmente ficará mais aberto a essa possibilidade.

    Nesta altura, pondere bem investimentos grandes.
  10.  # 9

    Colocado por: pguilhermeSe não houver crédito, onde se aplica:


    Mas o exemplo que dei, foi no caso de crédito.

    E claro que alguém que vai comprar casa não usa o 'VAL'para calcular o preço do dinheiro, mas o mercado (financeiro, empresarial, arrendamento) usa, e esse mercado tem muito mais peso na formação dos preços do imobiliário.

    Colocado por: pguilhermeTem toda a razão: a criação de moeda causa deflação. Veremos.


    Onde é que disse isso? Por favor, cite por inteiro, ou não adianta debater ideias, se ambos temos a nossa perspectiva como absoluta.

    Colocado por: NTORIONNo curto prazo, deveria resultar em deflação, mas o que já se assiste é o inverso


    Por acaso já existiu aumentos salariais? O helicóptero já começou a bombardear dinheiro? Não, por isso referi, curto prazo.
    A MLP, a inflação é uma realidade e foi isso que afirmei

    Colocado por: NTORIONA inflação deverá ser uma realidade, se n comprar agora, secalhar no futuro terá mais dificuldade.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Afonso Ribeiro
  11.  # 10

    Não entendi como lógico a extrapolação de um caso particular para um generalização de mercado.

    Curioso como ainda há pouco tempo se falava de especulação e bolha imobiliária.
    O valor, seja de imobiliario ou outro, será o que o mercado está disposto e têm capacidade para oferecer.

    Posso ter percebido mal. Mea culpa.
    Então julgo estarmos de acordo que a criação de moeda desvaloriza a mesma e praticamente obriga a um aumento geral de preços para compensar (inflação).

    Uma inflação a médio-longo prazo está em linha com as últimas décadas e tal seria expectácvel, independentemente da situação actual. Poderá haver uma inflacção exacerbada devido a conjuntura criada pela pandemia? Não sei dizer.

    O aumento salarial que referi só seria possível com a evolução de um cenário muito negro na mortalidade causada pelo covid-19 (ver os efeitos economicos da peste negra)
    Mantenho que seja uma possibilidade.

    O covid-19 também é mais mortal para as faixas etárias mais elevadas, o que pode forçar à transição de patromínio via herança e ter causar outros impactos.

    Se já houveram aumentos salariais? Independentemente da causa, esperar um aumento salarial generalizado em meras semanas não seria lúcido e a sua inobservância não serve de indicador algum.
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">