Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Boa tarde,
    Seria possível me ajudar numa dúvida relativamente à determinação do coeficiente de comportamento de uma estrutura de acordo com o EC8?
    A estrutura tem 3 pisos, é regular em planta e em altura, com lajes fungiformes maciças com apenas vigas na periferia. Não tem paredes estruturais.
    A zona sísmica é 1.5 e 2.4.
    Posso considerar o coeficiente de comportamento de 3,9, de acordo com a tabela seguinte?
    Agradeço a vossa ajuda :)
      Coeficiente de comportamento.jpg
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 2

    Para estar a consultar um fórum, espero que seja apenas um exercício académico.
  4.  # 3

    Colocado por: smp27Boa tarde,
    Seria possível me ajudar numa dúvida relativamente à determinação do coeficiente de comportamento de uma estrutura de acordo com o EC8?
    A estrutura tem 3 pisos, é regular em planta e em altura, com lajes fungiformes maciças com apenas vigas na periferia. Não tem paredes estruturais.
    A zona sísmica é 1.5 e 2.4.
    Posso considerar o coeficiente de comportamento de 3,9, de acordo com a tabela seguinte?
    Agradeço a vossa ajuda :)
      Coeficiente de comportamento.jpg


    Se o edifício é assim regular não vejo porque não se pode considerar como ductilidade média. Mas estou a dizer de cor :)

  5.  # 4

    O EC8 não prevê a situação de edifícios com lajes fungiformes, já que há dúvidas sobre o seu funcionamento e comportamento à acção sísmica. Em zonas de risco sísmico elevado até é prudente não utilizar este tipo de soluções por esse mesmo motivo, devendo-se privilegiar soluções porticadas.

    Uma forma corrente de analisar as estruturas com lajes fungiformes é equiparar a um comportamento porticado, criando bandas maciças primárias entre pilares, seguindo os critérios enunciados no EC2 Anexo I. É preciso no entanto ter algum cuidado para evitar colocar densidades elevadas de armaduras nas lajes junto dos pilares, por forma a cumprir os critérios de pilar forte-viga/laje fraca enunciados no EC8.

    Resumindo, com uma concepção rigorosa é plausível equiparar a solução de estrutura fungiforme a uma solução porticada, sendo válida a utilização do coeficiente 3.0 au/a1, este última relação podendo assumir o valor de 1.2 ou 1.3 conforme sejam edifícios de vários pisos com "pórticos" de um só tramo ou vários tramos (atenção que podemos ter coeficientes de comportamento diferentes em direcções diferentes). Conservativamente pode ser também ser considerado igual a 1.0, obtendo-se um coeficiente de comportamento igual a 3.0.


    Ps: Se não tem paredes estruturais cuidado com os deslocamentos máximos da estrutura para a acção do vento e para a acção sísmica. Usualmente recorre-se a paredes para dar rigidez à estrutura, sem elas os pilares têm de assumir essa função.
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">