Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 21

    Colocado por: Pedro Barradas
    Porque dizes isso?


    Porque marcam as tomadas básicas que o manual ited obriga e obrigam a certificação e siga , é como os projetos de gás.. são sempre iguais e é preciso um seguro RC de 500.000 para ser projetista.

    A elétricidade, um assunto tão sensível, não obriga a nada, então se for 6.9kva nem vistoria obriga.

    Por isso digo lobbie.. depois vao lá às operadoras, e deixa o ati aberto e esventrado pois quem fez o manual ited para habitação não sabe como funciona um router, ou switch..
    Concordam com este comentário: Pedro Barradas, ricardo.rodrigues
  2.  # 22

    Colocado por: XLMBPois, imagino !
    Pelo que percebi pelo que falei com o arquiteto as câmaras ainda não sabem responder concretamente o que é necessário, se é necessário e cada uma pede uma coisa diferente ! Enfim...


    Cada vez que me junto com colegas de profissão, a conversa termina sempre com: "um dia escrevemos um livro com todas as aventuras nas Câmaras." Além da "lista negra" de funcionários que temos nesta ou naquela câmara, o modo de funcionamento de algumas é simplesmente surreal.

    Na maioria das vezes, os problemas começam logo com o porteiro ou telefonista. É tudo tão demorado e pesado.
    Nalgumas, até para consultar um processo no arquivo é preciso um requerimento para agendar, esperar dias para que abram a agenda, marcar, e como depois 30-45min não chegam para ler 100 páginas e nem tirar fotografia se pode, mais requerimento para tirar cópias, mais 1€ por cada A4... porque se fôr maior lá pedem 3-4€ por página... mais uma semana para que tirem cópia e ir levantar. Mais uns Kms... Quando até podiam digitalizar apenas e enviar email.

    Embora pareça um lobbie, acho que na secção de Urbanismo apenas deveriam trabalhar Arquitectos e Engenheiros, e que fossem estes a escrever as regras de funcionamento. Idem para as plataformas digitais... Devia haver uma para o país todo e tava.

    Assim é uma quantidade louca de pessoas a trabalhar para fazer a máquina pesada funcionar... nalgumas câmaras é mesmo impressionante. No caso do Arquivo, quando este funciona como "biblioteca" quase que basta um funcionário fixo... Noutros, pelo modo de trabalhar burocrático que têm, justificam logo emprego a mais 3 ou 4 pessoas que nada mais fazem que atrasar o que é simples e rápido.
    Concordam com este comentário: fernandoFerreira
  3.  # 23

    Colocado por: N Miguel OliveiraCada vez que me junto com colegas de profissão, a conversa termina sempre com: "um dia escrevemos um livro com todas as aventuras nas Câmaras." Além da "lista negra" de funcionários que temos nesta ou naquela câmara, o modo de funcionamento de algumas é simplesmente surreal.

    Na maioria das vezes, os problemas começam logo com o porteiro ou telefonista. É tudo tão demorado e pesado.
    Nalgumas, até para consultar um processo no arquivo é preciso um requerimento para agendar, esperar dias para que abram a agenda, marcar, e como depois 30-45min não chegam para ler 100 páginas e nem tirar fotografia se pode, mais requerimento para tirar cópias, mais 1€ por cada A4... porque se fôr maior lá pedem 3-4€ por página... mais uma semana para que tirem cópia e ir levantar. Mais uns Kms... Quando até podiam digitalizar apenas e enviar email.

    Embora pareça um lobbie, acho que na secção de Urbanismo apenas deveriam trabalhar Arquitectos e Engenheiros, e que fossem estes a escrever as regras de funcionamento. Idem para as plataformas digitais... Devia haver uma para o país todo e tava.

    Assim é uma quantidade louca de pessoas a trabalhar para fazer a máquina pesada funcionar... nalgumas câmaras é mesmo impressionante. No caso do Arquivo, quando este funciona como "biblioteca" quase que basta um funcionário fixo... Noutros, pelo modo de trabalhar burocrático que têm, justificam logo emprego a mais 3 ou 4 pessoas que nada mais fazem que atrasar o que é simples e rápido.


    é muita pedra na engrenagem...
  4.  # 24

    A semana passada um DO foi à câmara entregar os docs para pedir autorização de utilização.
    Resposta da funcionária:
    _ Não podemos aceitar porque os documentos não estão conformes.
    À pergunta do DO sobre quais os que não estavam, a resposta foi:
    _ Os seus técnicos é que têm que saber, nós não temos que fazer o trabalho deles. Eles é que levam o dinheiro.
    Como é óbvio o DO virou costas e deve ter ficado a pensar que afinal os técnicos eram uma carrada de incompetentes.
    Depois de mais de 1hora a analisar toda a documentação, lá se conseguiu descobrir que faltava uma assinatura na ficha do INE.
    Algo que se poderia ter resolvido em 3 segundos pois a ficha até estava preenchida com os dados do Dono de obra.
    Enquanto o emprego na FP for um trabalho para a vida e ninguém for responsabilizado por nada, continuaremos a ter este tipo de serviços.
    Concordam com este comentário: RicardoPorto, luisms, Nostradamus, azwsedcrfv, fernandoFerreira
  5.  # 25

    E eles não se podem recusar a aceitar nada, apenas o técnico gestor do processo o pode fazer.

    Eu posso chegar a câmara e entregar um requerimento sem anexos e digo que quer que analisem aquele projeto.

    Só tem que seguir os transmites
    Concordam com este comentário: Pedro Barradas
  6.  # 26

    Colocado por: RicardoPortoE eles não se podem recusar a aceitar nada,

    Pois não, mas isso é para mim ou para si.
    Agora ponham-se na pele de um DO que chega aos serviços e lhe dão a entender que aquilo está tudo mal e que os técnicos que contratou são uma nódoa.
    Concordam com este comentário: RicardoPorto
  7.  # 27

    Colocado por: RicardoPortoE eles não se podem recusar a aceitar nada, apenas o técnico gestor do processo o pode fazer.

    Eu posso chegar a câmara e entregar um requerimento sem anexos e digo que quer que analisem aquele projeto.

    Só tem que seguir os transmites



    Felizmente as plataformas eletrónicas vieram facilitar essas situações.
  8.  # 28

    Até admira não terem dado o contacto de um amigo que faz direito depois de dizer isso..m
    Concordam com este comentário: fernandoFerreira
  9.  # 29

    Estes dizem isto


    DL n.º 101-D/2020, de 07 de Dezembro

    SECÇÃO II
    Requisitos dos edifícios

    Artigo 5.º
    Controlo prévio

    1 - Os órgãos competentes no âmbito dos procedimentos de controlo prévio de operações urbanísticas de edificação, nos termos do Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação (RJUE), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de dezembro, na sua redação atual, devem assegurar a verificação do cumprimento dos requisitos previstos na presente secção.



    E a,



    Portaria n.º 113/2015 de 22 de abril - identifica os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) aprovado pelo Decreto -Lei n.º 555/99 de 16 de dezembro, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 136/2014, de 9 de setembro:

    16 — Quando se trate de obras de edificação, na sequência da aprovação do projeto de arquitetura, projetos de especialidades em função do tipo de obra a executar, nomeadamente:

    (…)

    Estudo de comportamento térmico e demais elementos previstos na Portaria n.º 349 -C/2013, de 2 de dezembro

    (…)


    Ou seja, o Município, para o licenciamento, necessita do estudo de comportamento térmico e demais elementos previstos na Portaria n.º 138-G_2021 e Portaria n.º 138-I_2021.


    Com a alteração da legislação, não vejo como o Município poderá isentar a apresentação do estudo do comportamento térmico. O que a legislação introduziu, foi a dispensa da entrega da pré certificação energética no projeto de licenciamento e da certificação energética na autorização de utilização.
  10.  # 30

    Não.. só se entrega é o pré certificado
    Concordam com este comentário: Pedro Barradas, ADROatelier
  11.  # 31

    Colocado por: tviegasFelizmente as plataformas eletrónicas vieram facilitar essas situações.


    Nem sempre...

    Colocado por: zedasilvaResposta da funcionária:
    _ Não podemos aceitar porque os documentos não estão conformes.
    À pergunta do DO sobre quais os que não estavam, a resposta foi:
    _ Os seus técnicos é que têm que saber, nós não temos que fazer o trabalho deles. Eles é que levam o dinheiro.
    Como é óbvio o DO virou costas e deve ter ficado a pensar que afinal os técnicos eram uma carrada de incompetentes.
    Depois de mais de 1hora a analisar toda a documentação, lá se conseguiu descobrir que faltava uma assinatura na ficha do INE.
    Algo que se poderia ter resolvido em 3 segundos pois a ficha até estava preenchida com os dados do Dono de obra.


    Num caso como este, se fosse em papel, o DO assinava na hora e estava arrumado. Sendo em digital/CD, que não aceitem via mail...
  12.  # 32

    A portaria 349-c/2013, foi revogada...
    e
    Colocado por: Pedro BarradasEm anexo um documento criado pela ADENE, para os organismos licenciadores!!


    Leiam para trás... sff ;)
    • VCAC
    • 13 outubro 2021 editado

     # 33

    Colocado por: tviegasBoas, alguém já entregou o projeto de comportamento térmico, para aprovação das especialidades de projeto de arquitetura, depois de 1 de julho deste ano ao abrigo do Decreto-Lei n.º 101-D/2020 de 7 de dezembro ? Tenho o técnico da térmica a dizer que já não é necessário estudo térmico e a camara a dizer que sim, tem que entregar. Em que ficamos ?


    As entidades licenciadoras podem continuar a pedir o projecto da térmica, ele não foi extinto.
    O PQ que emitir o PCE é que já não pode ter o projecto da térmica para servir de base à emissao do PCE, que era o que acontecia quase sempre, agora o PQ tem de ir buscar a informação que necessita diretamente aos projectos de arquitectura e especialidades com implicação no desempenho energético do edifício. Ou seja o projecto da térmica já não é necessário para o PQ, o que não quer dizer que as câmaras não o continuem a pedir...
  13.  # 34

    Roubei esta imagem...
      FB_IMG_1634165313880.jpg
  14.  # 35

    Substituir a legenda

    Sobreviver, contribuinte, governo
  15.  # 36

    Colocado por: zedasilvaÀ pergunta do DO sobre quais os que não estavam, a resposta foi:
    p que os p a todos
  16.  # 37

    Colocado por: marco1penso que não é isso, acho que os projetos de arquitetura tem é que ter desde logo em conta as soluções termicas mas é tudo validado e descrito no certificado energetico.
    mas ainda não estou bem a par desta tematica.

    É mesmo isso.
    Aquando do projecto de arquitetura, o arquiteto deverá possuir as "soluções termicas" definidas pelo preojectista. No projeto de arquitetura devem estar mencionadas todos os elementos, isolamento, climatização, ventilação, aqs, painéis solares, etc
    Já não se entrega projecto, apenas pré certificado
  17.  # 38

    Colocado por: callinas
    É mesmo isso.
    Aquando do projecto de arquitetura, o arquiteto deverá possuir as "soluções termicas" definidas pelo preojectista. No projeto de arquitetura devem estar mencionadas todos os elementos, isolamento, climatização, ventilação, aqs, painéis solares, etc
    Já não se entrega projecto, apenas pré certificado

    Não, a Arquitectura tem de indicar as soluções da envolvente opaca e envidraçada. As soluções de climatização, ventilação e aqs vão indicados no projeto de AVAC (que a nova lei torna agora obrigatório).

    Citando o documento da ADENE já colocado aqui pelo Pedro Barradas:

    O Decreto-Lei n.º 101-D/2020, de 7 de dezembro, estabelece os

    projetos onde deve constar a demonstração do cumprimento
    dos requisitos relativos aos componentes, nomeadamente:
    Envolvente opaca
    Projeto de arquitetura.
    Envolvente envidraçada
    Projeto de arquitetura.
    Sistemas de ventilação
    Projeto de AVAC.
    Sistemas de climatização
    Projeto de AVAC.
    Sistemas de preparação de água quente
    Projeto de AVAC ou projeto de redes prediais de águas e
    esgotos ou projeto de instalações, equipamentos e sistemas de
    águas e esgotos.
    Sistemas de produção de energia elétrica
    Projeto de instalações, equipamentos e sistemas elétricos ou
    projeto de alimentação e distribuição de energia elétrica.
  18.  # 39

    Houve uma altura em que os engenheiros podiam assinar como se fossem arquitetos. Agora é ao contrário... :)

    Quanto à função pública... infelizmente, não tem remédio. Só se se acabar com os políticos e com os mandatos a 4 anos e passarem a ter gestão privada, com a possibilidade de despedir funcionários por incompetência.
  19.  # 40

    Uma das últimas novidades.
    Para a autorização de utilização, tenho um munícipio a exigir tão somente, registo do terreno e ficha Q4 do INE.
    Isto cheira me a esturro, será que as coisas são assim tão fáceis?
 
0.0253 seg. NEW