Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Estou a restaurar uma casa com 100 anos e estou a tentar usar reboco de cal nas paredes interiores. Hoje fiz alguns testes e os resultados foram promissores, mas fiz algumas medições erradas e não consegui concluir todas as amostras. Vou tentar novamente na segunda-feira. Mas até lá, gostaria de saber se alguém aqui tem uma boa experiência com reboco de cal e me pode ajudar a perceber melhor o seguinte:

    1) Cal hidráulica natural vs cal hidratada. Vale a pena comprar NHL 2 ou NHL 3.5 ? O preço parece ser apenas um pouco mais elevado, mas a disponibilidade é escassa na minha zona. Nenhuma das lojas a tem, teria de a encomendar. A cal hidratada está disponível em todo o lado. A questão é a seguinte: desde que eu esteja disposto a esperar mais tempo para endurecer (retirando o carbono do ar), faz mais alguma diferença em termos de qualidade do resultado final qual destas duas escolher?

    2) Para a cal hidratada (1:2 ou 1:3, cal-areia), vi que há um grande controvérsia sobre se deve primeiro fazer a massa de cal-água de um dia para o outro (há quem diga que a massa tem de ficar uma semana ou até mais :| ) e depois misturá-la com areia, ou se pode ser misturada diretamente com areia. Misturei-o diretamente com areia para o meu primeiro teste e ficou muito bom, fácil de trabalhar e "gordo", mas continuo a pensar se haverá algum problema a longo prazo e se devo fazer primeiro a massa de cal-água e deixá-la pelo menos de um dia para o outro.
  2.  # 2

    e fotos?! 😬
  3.  # 3

    Apesar de já ter usado cal em várias obras, confesso que usei sempre produtos pré-preparados, ou da Fradical (top dos tops) ou da Secil. Sendo que nenhum dos dois precisava de uma pré-mistura separada, diria que para o 2) não faz qualquer diferença.

    Já agora os meus parabéns em optar por rebocos de cal. Tenho na minha própria casa e acho-os extremamente agradáveis. Nem os pintei, levaram cera ou verniz por cima conforme a zona e siga para bingo.
  4.  # 4

    Colocado por: zemvpferreiraJá agora os meus parabéns em optar por rebocos de cal. Tenho na minha própria casa e acho-os extremamente agradáveis. Nem os pintei, levaram cera ou verniz por cima conforme a zona e siga para bingo.


    Eu sei, não há substituto para a cal, especialmente numa casa histórica, ou a humidade das paredes será a sua amiga permanente. Também gosto do acabamento e não tenciono pintá-lo.



    Colocado por: zemvpferreiraApesar de já ter usado cal em várias obras, confesso que usei sempre produtos pré-preparados, ou da Fradical (top dos tops) ou da Secil. Sendo que nenhum dos dois precisava de uma pré-mistura separada, diria que para o 2) não faz qualquer diferença.

    A linha Reabilita que a Secil vende pré-misturada é demasiado cara para mim, uma vez que tenho de rebocar 500m2, e em 3 camadas a 5-8 euros (dependendo da camada, CS, RB ou AC) por saco pronto a usar :| (ou seja, com areia). Prefiro ser eu a fazer a mistura, sou bastante trabalhador mas relativamente pobre haha. Também gosto da experiência de aprendizagem.

    Mas muito obrigado por sugerir a Fradical. Não os conhecia e estão a vender exatamente o que procuro. Até têm aditivo pozolânico e secante pozolânico. Com isto pode-se literalmente misturar o reboco romano. Quase, a versão moderna, haha. Mais uma vez obrigado, foi ainda mais útil do que responder às minhas perguntas. Uma última coisa, só por curiosidade, eles não parecem ter opções pré-misturadas? Ou o saco pré-misturado deles chama-se "argamassas ecológicas". Lembra-se do nome da mistura que utilizou?
  5.  # 5

    Infelizmente já foi há uma data de anos, não sei dizer. Mas eles são óptimos a dar apoio técnico, faça-lhes todas as perguntas que têm gosto em conversar sobre o assunto, mesmo que não lhes compre nada imediatamente. Até que o preço deve ser 3-5x o da Secil, é francamente um produto de luxo.
    Concordam com este comentário: Pedro Barradas
  6.  # 6

    Atenção ás argamassas feitas em obra... Dá muito trabalho para ficarem bem feitas, mistura a seco para incorporção do sligantes nos agregados.. e ainda na escolha dos agregados correctos.

    O barato sai caro.
    Aconselho a comprar argamassa pre-doseada.
    Concordam com este comentário: OliveiroS/N
    Estas pessoas agradeceram este comentário: marize
  7.  # 7

    tem aqui outra alternativa.
    https://www.ddlarg.com/
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Rui_Mendes
  8.  # 8

    Eu tenho utilizado a argamassa KX14 da Fassa Bortolo sobre um reboco térmico, como primeria camada e também como massa de acabamento e estou bastante satisfeito com os resultados. O preço é inferior ao da Secil.

    https://www.fassabortolo.pt/pt/produtos/-/p/9/3855/produtos-tradicionais/kx-14
    Estas pessoas agradeceram este comentário: Rui_Mendes
  9.  # 9

    @Pedro Barradas, penso que misturar no local também é viável. Desde que se tenha o conhecimento e a disciplina para o fazer. É que estamos habituados a ter tudo pronto. Os meus avós construíram toda a casa deles de raiz, misturando tudo no sítio e ainda hoje está de pé e não tem muitos dos problemas que as obras de renovação modernas têm, como bolor, bolor por todo o lado, especialmente atrás do pladur.
    Acho que vale a pena comprar NHL, desde que seja certificada pela norma da UE (acho que só a Secil tem essa certificação em Portugal). Mas a linha Reabilita, não, é demasiado cara. Pode ser bom para um trabalho pequeno, mas não em grande escala.
    Portanto, acho que concordo com o seu ponto de vista, mas dependendo do que quer dizer com "pré-doseada".


    Mas prometo atualizar este tópico se o trabalho acabar por ser um desastre porque optei por misturar no sítio haha.
  10.  # 10

    O tipo de argamassa nada tem a ver com escala da obra ...,mas com adequação ao suporte .

    Se possível deve utilizar cal aérea natural.
    A NHL, é para utilizar em áreas sujeitas a contacto com água.

    Leia aqui .
    https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&opi=89978449&url=https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/28972/1/A%2520cal%2520na%2520constru%25C3%25A7%25C3%25A3o.pdf&ved=2ahUKEwim2Nn14MaDAxUlVqQEHbIaCjAQFnoECBcQAQ&usg=AOvVaw14xtWbNm1dPWT0xIW4xi2N


    Como escrevi . É necessário ter atenção à composição dos agregados, os que estão actualmente disponíveis não são os mais indicados para argamassa de cal. É preciso saber.

    Mas boa sorte.

    Isso da certificação ...pouco importa .
  11.  # 11

    Colocado por: Pedro BarradasO tipo de argamassa nada tem a ver com escala da obra

    O preço e o transporte. Imagine ter de transportar pasta de cal pronta a aplicar para 3 camadas de 500m2. Também, eu pagaria o preço de Reabilita por 30m2, só para não me dar trabalho, mas não por 500m2 ou mais.

    Colocado por: Pedro BarradasA NHL, é para utilizar em áreas sujeitas a contacto com água.

    Diria que a NHL 2 pode ser utilizada com sucesso para o reboco. Embora também seja possível uma mistura de areia e cal hidratada. Mas não durará tão bem e não pode ser exposta à água (por exemplo, a infiltração de água arruiná-la-á muito rapidamente, o que também pode acontecer no interior). Quando era mais jovem, uma vez rebocava uma parede exterior com esta mistura. Não foi um sucesso :). Mas devo admitir que estou indeciso quanto a isto. O NHL 2 parece-me um bom equilíbrio, não tem a mesma flexibilidade e respirabilidade, mas resiste melhor à água. É uma solução de compromisso.

    Colocado por: Pedro BarradasIsso da certificação ...pouco importa .

    Discordo, sem o certificado o fabricante pode colocar qualquer coisa como aditivo, inclusive cimento Portland. É por isso que temos o HL e o NHL, o segundo garante que o aditivo não é cimento Portland, mas um conjunto de aditivos (silicatos de cinza ou argila e aluminossilicatos) que preservam as propriedades da cal, mas tornando-a hidráulica. Escusado será dizer que a inclusão de cimento Portland na mistura anula todas as vantagens da utilização de argamassas de cal.

    Colocado por: Pedro BarradasLeia aqui .

    Muito obrigado, um recurso completo. Já sei o que vou fazer este fim de semana :)
  12.  # 12

    NHL É diferente de HL... Tenha ou não o dito certificado .

    Ainda não disse que tipo de alvenaria é que está pensar revestir.

    Não se esqueça que o sistema de pintura é igualmente importante.

    O importante é utilizar o apropriado para o suporte em causa . Isto sem pensar em custos.

    Não é por ter de revestir 500m2, que é motivo para utilizar uma solução desadequada..
    Não mas se for somente 20m2, já se faz o esforço . Não faz sentido essa postura .
    Concordam com este comentário: marize
  13.  # 13

    Colocado por: rad_valum grande controvérsia sobre se deve primeiro fazer a massa de cal-água de um dia para o outro (há quem diga que a massa tem de ficar uma semana ou até mais :| )


    Meses ...Nunca é demais .

    Não se preocupe que não se estraga , antes pelo contrário .
  14.  # 14

    Viva ❤️ à cal!
    Viva ❤️ o adobe!
  15.  # 15

    Gostaria de fazer uma pequena atualização sobre este tópico. Consegui misturar a cal hidráulica (com pozolanas) e a cal aérea com sucesso e fazer alguns testes numa escala maior.
    Testei as minhas duas misturas, a NHL3.5 da Secil e a Reabilita RB. Todas, exceto a Reabilita que está pronta a usar, foram feitas com 1 cal e 3 areias (uma mistura igual de areia ultrafina de 0,6mm, fina de 1,2mm e areia de rio de 2,5mm)

    Surpreendentemente (ou não) todos eles se comportaram mais ou menos da mesma forma:
    1) Ao contrário do cimento Portland, aderem extremamente bem ao substrato de adobe de Aveiro. Demoraram entre 10 e 20 dias para ficarem firmes como uma rocha. A cal aérea é a que demora mais tempo, mas depois de aderir, tem mais ou menos a mesma resistência aparente (por exemplo, cantos fortes, quase sem necessidade de reforço)
    2) Infelizmente, todos eles tinham fissuras na primeira camada. Tentei com uma rede e fibras de polipropileno, mas continuo a ter pelo menos uma ou duas grandes fissuras visíveis. Formam-se muito rapidamente, no segundo dia.

    Estou convencido de que está relacionado com o substrato ou com algo que faço mal quando estou a aplicá-lo (máximo de 2 cm de espessura, com a parede bem molhada). Penso que a parede de adobe suga muita água e seca o reboco demasiado depressa. Ainda estou a pensar numa solução para essa parte, antes de começar o resto das paredes.

    Qualquer ideia será bem-vinda! 🙏

    Assim que resolver este problema, para o resto da casa vou optar por cal NHL3.5 ou cal arial. Acrescentar eu próprio os pozolanos é uma dor de cabeça e não vale a pena. Reabilita ainda é muito caro, só queria ver como funciona.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: ClioII, zemvpferreira, OliveiroS/N
  16.  # 16

    Um dos problemas dessa retracção terá a haver com o tipo e granulometria de areias usadas...
    Mas não o consigo ajudar muito mais.
  17.  # 17

    Colocado por: rad_valGostaria de fazer uma pequena atualização sobre este tópico. Consegui misturar a cal hidráulica (com pozolanas) e a cal aérea com sucesso e fazer alguns testes numa escala maior.
    Testei as minhas duas misturas, a NHL3.5 da Secil e a Reabilita RB. Todas, exceto a Reabilita que está pronta a usar, foram feitas com 1 cal e 3 areias (uma mistura igual de areia ultrafina de 0,6mm, fina de 1,2mm e areia de rio de 2,5mm)

    Surpreendentemente (ou não) todos eles se comportaram mais ou menos da mesma forma:
    1) Ao contrário do cimento Portland, aderem extremamente bem ao substrato de adobe de Aveiro. Demoraram entre 10 e 20 dias para ficarem firmes como uma rocha. A cal aérea é a que demora mais tempo, mas depois de aderir, tem mais ou menos a mesma resistência aparente (por exemplo, cantos fortes, quase sem necessidade de reforço)
    2) Infelizmente, todos eles tinham fissuras na primeira camada. Tentei com uma rede e fibras de polipropileno, mas continuo a ter pelo menos uma ou duas grandes fissuras visíveis. Formam-se muito rapidamente, no segundo dia.

    Estou convencido de que está relacionado com o substrato ou com algo que faço mal quando estou a aplicá-lo (máximo de 2 cm de espessura, com a parede bem molhada). Penso que a parede de adobe suga muita água e seca o reboco demasiado depressa. Ainda estou a pensar numa solução para essa parte, antes de começar o resto das paredes.

    Qualquer ideia será bem-vinda! 🙏

    Assim que resolver este problema, para o resto da casa vou optar por cal NHL3.5 ou cal arial. Acrescentar eu próprio os pozolanos é uma dor de cabeça e não vale a pena. Reabilita ainda é muito caro, só queria ver como funciona.
    Estas pessoas agradeceram este comentário:ClioII,zemvpferreira

    Vai ter que saturar o suporte antes de fazer o reboco.
    Concordam com este comentário: OliveiroS/N
  18.  # 18

    Colocado por: Vítor MagalhãesVai ter que saturar o suporte antes de fazer o reboco.

    Segundo o OP, fez isso ao suporte...
  19.  # 19

    Pois, mas ainda assim tenha sido insuficiente, saturar é como o nome indica encharcar a parede com água.
    Concordam com este comentário: Pedro Barradas, zemvpferreira
  20.  # 20

    Colocado por: rad_valGostaria de fazer uma pequena atualização sobre este tópico. Consegui misturar a cal hidráulica (com pozolanas) e a cal aérea com sucesso e fazer alguns testes numa escala maior.
    Testei as minhas duas misturas, a NHL3.5 da Secil e a Reabilita RB. Todas, exceto a Reabilita que está pronta a usar, foram feitas com 1 cal e 3 areias (uma mistura igual de areia ultrafina de 0,6mm, fina de 1,2mm e areia de rio de 2,5mm)

    Surpreendentemente (ou não) todos eles se comportaram mais ou menos da mesma forma:
    1) Ao contrário do cimento Portland, aderem extremamente bem ao substrato de adobe de Aveiro. Demoraram entre 10 e 20 dias para ficarem firmes como uma rocha. A cal aérea é a que demora mais tempo, mas depois de aderir, tem mais ou menos a mesma resistência aparente (por exemplo, cantos fortes, quase sem necessidade de reforço)
    2) Infelizmente, todos eles tinham fissuras na primeira camada. Tentei com uma rede e fibras de polipropileno, mas continuo a ter pelo menos uma ou duas grandes fissuras visíveis. Formam-se muito rapidamente, no segundo dia.

    Estou convencido de que está relacionado com o substrato ou com algo que faço mal quando estou a aplicá-lo (máximo de 2 cm de espessura, com a parede bem molhada). Penso que a parede de adobe suga muita água e seca o reboco demasiado depressa. Ainda estou a pensar numa solução para essa parte, antes de começar o resto das paredes.

    Qualquer ideia será bem-vinda! 🙏

    Assim que resolver este problema, para o resto da casa vou optar por cal NHL3.5 ou cal arial. Acrescentar eu próprio os pozolanos é uma dor de cabeça e não vale a pena. Reabilita ainda é muito caro, só queria ver como funciona.
    Estas pessoas agradeceram este comentário:ClioII,zemvpferreira,OliveiroS/N


    Obrigado pela partilha das experiências.

    Eu tenho rebocado paredes interiores de alvenaria mista (adobo, tabique, tijolo, xisto) com o KX14 da Fassa. Tenho trabalhado sempre com um primário de saturação para saturar uniformemente as paredes e como ponte de aderência. Como reboco de fundo tenho usado um reboco térmico de base mineral e o reboco de cal como segunda camada (como rede) e como acabamento areado.

    Até agora, e passados já alguns meses depois das primeiras aplicações, só encontrei 3 fissuras, 2 por culpa minha (esqueci-me da junta no encontro parede/viga de madeira) e 1 junto a uma tomada. Em príncipio, todas as fissuras serão cobertas pela tinta.
 
0.0220 seg. NEW