Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 41

    CMartin

    tudo o que diz é verdade mas não se aplica a este caos, repare bem em certas peças de mobiliário e outras .
    aqui só se vê é alguém que vai tendo uns tostões e mete, atafulha para dentro de forma desconexa sem vivência de estar usufruir.
    mas é apenas a minha opinião.
    Concordam com este comentário: Mk Pt, Hugo S.
  2.  # 42

    Pois é a sua opinião para si, mas certamente para a pessoa a sua opinião não lhe maça nada, ou a minha. Antes viver de prazer do que viver na opinião dos comuns seres mortais que abundam que se fartam, o que não quer dizer que sejam desejáveis lá porque são em maior numero. Eu nem sequer me ocorre criticar as peças ou as cores. Aquilo que se apresenta nesta casa é muito superior a isso. Respeito muitíssimo estas pessoas ricas por dentro. Acima de tudo, é isso. É maravilhoso não viver de regras mundanas e viver como se deseja. A casa é aquilo que a pessoa deseja e decidiu ter nesta vida, ao contrário dos preços de mercado e as modas dos mercados que abundam. Isso é uma liberdade gloriosa.
    :o)
    • TZW
    • 28 março 2017

     # 43

    Colocado por: CMartinNão acho nada horrível.
    Acho que demonstra que quem alí vive, ou a quem pertence a casa não está na compreensão ou parâmetros regulares de gosto comum. E provavelmente está pouco se ralando para isso. É decididamente um casa intensa, uma ode aos interesses particulares da pessoa em questão. Uma casa de prazer individual, de hedonismo.
    Uma casa bem interessante e aposto, uma pessoa muitíssimo mais interessante. Gostaria de conviver com ambas.
    Acima do estético está algo muito superior - o Ser. Mas é que aqui nem sequer existe mau gosto, nem pensar nisso. Ter mau gosto é outra coisa completamente diferente - é não ter individualidade, não ter profundidade, não ter intensidade..é não ler, não pensar, não se banhar em cultura.
    É ser macaco de imitação. É ser medroso, inseguro e ileterado e então ser das massas, vendáveis. As das letras gordas. Há coisas particulares que não têm preço. Mas nós estamos sempre a tentar colocar-lhe um preço para o poder vender. O preço do mercado. Como se fosse isso a única coisa que nos preocupa e interessa. E o prazer de vida duma habitação nossa ? Qual o preço ? O prazer duma casa não se vende na sua venda. Essa criação individual do espaço pessoal é nossa e segue-nos, vai connosco quando nos mudamos de casa.
    Tudo o resto é perdoado e compreensível, menos a falta de personalidade, numa casa e na sua pessoa. E essa falta de personalidade, sim, talvez vendável mas decididamente não exclusiva. O mercado das massas. Mas há outros mercados. O mercado do deleite.


    Isso dito assim, até me obrigou a ver de novo e com mais pormenor, descobri que a banheira tem um lindo telescopio que talvez dê para ver online a bela vista gradeada ao estilo prisão do Monaco...to be continued
  3.  # 44

    CMartin

    não está nos seus dias :))

    ser disfuncional tanto dá para quem não tem nada como para quem tem muito.
    por aqui me fico.
    Concordam com este comentário: TZW
    • TZW
    • 28 março 2017

     # 45

    Será a casa da Lara Croft?
    Concordam com este comentário: CMartin
      0024.jpg
  4.  # 46

    ?
    Não percebi marco1.
    Eu estou a referir-me precisamente a riqueza de espírito, que ditam regras interiores pessoais e que se aplicam nos espaços nos quais gostamos de viver.
    Porque não estou nos meus dias?
  5.  # 47

    E uma pessoa entra por um caminho um pouco diferente e não se desenvolvem outras literaturas, assim, alternativas.
    :o)
    Mas sim, eu gosto da casa, pronto.
  6.  # 48

    tá no seu direito :) pronto.
    já agora ainda se lembra da casa ai uns posts atrás do arq. conceição??
    Concordam com este comentário: CMartin
  7.  # 49

    obrigada ;o)
    Sim lembro-me claro, essa casa é linda, gosto muitíssimo..é muito consistente na beleza, nos materiais, no desenho, no espaço, na arquitectura, tudo se funde numa perfeição serena..muito bom. Gosto muito deste tipo de casas, assim, muito sóbrias e intemporais.
    • emad
    • 29 março 2017 editado

     # 50

    https://forumdacasa.com/?CommentID=1045578
    CMartin viu esta?
    Concordam com este comentário: CMartin
    • TZW
    • 29 março 2017

     # 51

    Na minha opinião os arquitetos deveriam ter que começar a carreira com projetos simples (baixo custo de construção e sem grande impacto,etc), depois submeterem os desenhos para avaliação com o fim de obterem uma classificação que lhes desse acesso a um patamar acima, agora não me perguntem quem é que ia avaliar ou de que forma.
    • emad
    • 29 março 2017

     # 52

    Colocado por: TZWNa minha opinião os arquitetos deveriam ter que começar a carreira com projetos simples (baixo custo de construção e sem grande impacto,etc), depois submeterem os desenhos para avaliação com o fim de obterem uma classificação que lhes desse acesso a um patamar acima, agora não me perguntem quem é que ia avaliar ou de que forma.

    Isso não faz sentido nenhum.
    Um arquitecto só evolui arriscando.
    O que opinou mais parece a ordem.dos advogados. Sabe como tratam os novos não sabe?
  8.  # 53

    TZW

    e é assim que eles começam pode crer
    já o que diz a seguir não tem muito cabimento face ao mercado privado devido á multidiversidade das realidades dos clientes quer das suas bolsas.
    • TZW
    • 29 março 2017

     # 54

    Não sei, mas imaginava ao contrario, até podiam começar por desenhar galinheiros mas se tivessem muita pinta e tal, subiam.Acho que não é só numa grande obra com grandes materiais que se vê arte.
  9.  # 55

    claro que não, tanto mais que tem sido atribuídos prémios a "coisas" pequenas, simples casas ou mesmo abrigos etc....
  10.  # 56

    Colocado por: emadhttps://forumdacasa.com/?CommentID=1045578
    CMartin viu esta?
    Concordam com este comentário:CMartin

    Olá emad, Vi sim quando a postou.
    É uma casa sem dúvida interessante e bem conjugada, parece-me, com os desejos do proprietário, e ao seu espelho.
    É uma casa vaidosa e falta-lhe alguma autencidade no seu passado. O seu passado sem duvida ficou discretamente relegado para segundo plano face à sua vaidosa modernidade. Ainda assim não desgosto dela, mas não me suscita paixões. É uma boa casa, mas não é autentica.Penso que a escada interior matou o meu maior interesse..talvez algo encaixotado em madeira, ou um betão..para a escada ter outro carisma, os rasgos led no tecto..its a no no for me aqui.No entanto, digo de novo, é uma boa casa, neste estilo.
    Concordam com este comentário: marco1
  11.  # 57

    Cmartin

    aqui foi na mouche :))
    • emad
    • 29 março 2017

     # 58

    Concordo que a preocupação de manter a identidade não foi a prioridade como tentam descrever, mas acho o resultado excelente.
    Mas se calhar eu sou suspeito neste tipo de arquitectura.
    Concordam com este comentário: CMartin
  12.  # 59

    :o) marco1
    Foi porque tive a "sorte" de coincidir :o)
    Mas tem que me permitir não coincidir. Onde estaria a minha graça se apenas me limitasse a papaguear sem pensamento próprio ?
    Diga lá.. :o)
    • TZW
    • 29 março 2017

     # 60

    Logo um arquiteto que não tem acesso a grandes obras também podia passar a ter, desde que merecesse, assim não apareciam obras de grande custo e impacto com 80% de opiniões negativas, mas para isso acho que o controle tinha que começar logo em quem faz o planeamento urbanístico e aprovações dos projectos, esses é que no fundo precisavam de uma ordem/provedor do que aprovaram para poderem aprovar projectos com mais impacto. Desculpem a linha de pensamento, a intenção não é prejudicar ninguém mas sim melhorar a qualidade para todos e claro de encontro a um sistema que dê credito a quem merece.
 
0.0786 seg. NEW