Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Boa tarde!

    Estou a construir e estava a pensar colocar flutuante vinílico na casa toda. Tenho um receio: não passa de plástico e temo que haja cheiro e que seja prejudicial à saúde respirar num ambiente plastificado a minha vida inteira. Alguém sabe se este receio é válido?
  2.  # 2

    Teremos ventilação mecânica controlo da para promover a renovação constante do ar, mas...
  3.  # 3

    Colocado por: alexandrapinheiroTenho um receio: não passa de plástico e temo que haja cheiro e que seja


    Não é só plastico.. O mais comum (e talvez o melhor tipo) é o SPC.. Stone Plastic Composite.
    Como o nome indica é um composito de pedra e plástico.
    A parte da pedra é tipicamente cálcario e o "plastico" é PVC, usado em muitas outras partes de uma casa.

    Não é muito diferente na sua essência do Silestone por exemplo, que também é uma mistura de "pedra" com resinas e muita gente prepara comida em cima delas.

    É talvez mais prejudicial mobília nova de MDF, que larga vapores por muitos meses.
  4.  # 4

    Colocado por: alexandrapinheiroBoa tarde!

    Estou a construir e estava a pensar colocar flutuante vinílico na casa toda. Tenho um receio: não passa de plástico e temo que haja cheiro e que seja prejudicial à saúde respirar num ambiente plastificado a minha vida inteira. Alguém sabe se este receio é válido?


    Não deita cheiro. Quanto ao ser prejudicial á saúde esqueça isso. Há coisas bem piores que ninguém se preocupa. Uma simples bancada de granito liberta gás radão.
    Ventile a casa de vez em quando e não se preocupe com isso.
  5.  # 5

    Tire as suas ilações…
    Em casa minha, nem dado o queria.
    E sim, é altamente tóxico, existem dezenas de estudos e ensaios médicos que põem o dedo na ferida. Mas isto é um Lobby de Triliões de Euros anuais. Rapidamente são abafados.
    Ainda consegue ver parte deste estudo mas só em blogues pois o original, está permanentemente a ser apagado da Net…

    By Seth Thomas Gulledge
    Staff Writer, Triangle Business Journal
    Feb 20, 2019
    A new study out of Duke University finds that children living in homes with all vinyl flooring or flame-retardant chemicals in their couches have a higher concentration of harmful toxins in their body.

    The Duke-led study was presented at the American Association for the Advancement of Science last week in Washington, D.C., showing children in these environments have "significantly higher concentrations" of potentially harmful semi-volatile organic compounds (SVOCs) in their blood and urine.


    “SVOCs are widely used in electronics, furniture and building materials and can be detected in nearly all indoor environments,” said Heather Stapleton, an environmental chemist at Duke’s Nicholas School of the Environment, who led the research. “Human exposure to them is widespread, particularly for young children who spend most of their time indoors and have greater exposure to chemicals found in household dust.”




    The flame-retardant material in question is polybrominated diphenyl ethers (PBDEs). Couches with the chemical in its foam is linked by the study to six-fold higher concentration of PBDEs in children's blood.

    Exposure to PBDEs has been linked in laboratory tests to neurodevelopmental delays, obesity, endocrine and thyroid disruption, cancer, and other diseases.

    The study also showed children from homes that had vinyl flooring in all areas were found to have concentrations of benzyl butyl phthalate metabolite in their urine that were 15 times higher than those in children living with no vinyl flooring. Benzyl butyl phthalate has been linked to respiratory disorders, skin irritations, multiple myeolma and reproductive disorders.


    Stapleton said despite the risk these chemicals may pose – as well as their commonality – much is still unknown.

    “There has been little research on the relative contribution of specific products and materials to children’s overall exposure to SVOCs,” she noted.

    The study began in 2014 with Stapleton and colleagues from Duke, the Centers for Disease Control and Prevention, and Boston University. The study looked at in-home exposures to SVOCs among 203 children from 190 families over three years.

    The team analyzed samples of indoor air, indoor dust and foam collected from furniture in each of the children’s homes, along with a hand-wipe sample, urine and blood from each child.

    IN THIS ARTICLE
    Heather Stapleton
    Person
  6.  # 6

    O que não falta em todas as casas são produtos que libertam scovs.
  7.  # 7

    Não vejo como pode dizer que este estudo está a ser abafado.
    Procurando no Google, são dezenas de sites a citar este estudo, contra e a favor, como é normal.
    Não creio valha a pena entrar em teorias da conspiração, embora também não goste, não tenha e não queira vinil em casa.
    Colocado por: Joao DiasTire as suas ilações…
    Em casa minha, nem dado o queria.
    E sim, é altamente tóxico, existem dezenas de estudos e ensaios médicos que põem o dedo na ferida. Mas isto é um Lobby de Triliões de Euros anuais. Rapidamente são abafados.
    Ainda consegue ver parte deste estudo mas só em blogues pois o original, está permanentemente a ser apagado da Net…

    By Seth Thomas Gulledge
    Staff Writer, Triangle Business Journal
    Feb 20, 2019
    A new study out of Duke University finds that children living in homes with all vinyl flooring or flame-retardant chemicals in their couches have a higher concentration of harmful toxins in their body.

    The Duke-led study was presented at the American Association for the Advancement of Science last week in Washington, D.C., showing children in these environments have "significantly higher concentrations" of potentially harmful semi-volatile organic compounds (SVOCs) in their blood and urine.


    “SVOCs are widely used in electronics, furniture and building materials and can be detected in nearly all indoor environments,” said Heather Stapleton, an environmental chemist at Duke’s Nicholas School of the Environment, who led the research. “Human exposure to them is widespread, particularly for young children who spend most of their time indoors and have greater exposure to chemicals found in household dust.”




    The flame-retardant material in question is polybrominated diphenyl ethers (PBDEs). Couches with the chemical in its foam is linked by the study to six-fold higher concentration of PBDEs in children's blood.

    Exposure to PBDEs has been linked in laboratory tests to neurodevelopmental delays, obesity, endocrine and thyroid disruption, cancer, and other diseases.

    The study also showed children from homes that had vinyl flooring in all areas were found to have concentrations of benzyl butyl phthalate metabolite in their urine that were 15 times higher than those in children living with no vinyl flooring. Benzyl butyl phthalate has been linked to respiratory disorders, skin irritations, multiple myeolma and reproductive disorders.


    Stapleton said despite the risk these chemicals may pose – as well as their commonality – much is still unknown.

    “There has been little research on the relative contribution of specific products and materials to children’s overall exposure to SVOCs,” she noted.

    The study began in 2014 with Stapleton and colleagues from Duke, the Centers for Disease Control and Prevention, and Boston University. The study looked at in-home exposures to SVOCs among 203 children from 190 families over three years.

    The team analyzed samples of indoor air, indoor dust and foam collected from furniture in each of the children’s homes, along with a hand-wipe sample, urine and blood from each child.

    IN THIS ARTICLE
    Heather Stapleton
    Person


    Colocado por: Joao DiasTire as suas ilações…
    Em casa minha, nem dado o queria.
    E sim, é altamente tóxico, existem dezenas de estudos e ensaios médicos que põem o dedo na ferida. Mas isto é um Lobby de Triliões de Euros anuais. Rapidamente são abafados.
    Ainda consegue ver parte deste estudo mas só em blogues pois o original, está permanentemente a ser apagado da Net…

    By Seth Thomas Gulledge
    Staff Writer, Triangle Business Journal
    Feb 20, 2019
    A new study out of Duke University finds that children living in homes with all vinyl flooring or flame-retardant chemicals in their couches have a higher concentration of harmful toxins in their body.

    The Duke-led study was presented at the American Association for the Advancement of Science last week in Washington, D.C., showing children in these environments have "significantly higher concentrations" of potentially harmful semi-volatile organic compounds (SVOCs) in their blood and urine.


    “SVOCs are widely used in electronics, furniture and building materials and can be detected in nearly all indoor environments,” said Heather Stapleton, an environmental chemist at Duke’s Nicholas School of the Environment, who led the research. “Human exposure to them is widespread, particularly for young children who spend most of their time indoors and have greater exposure to chemicals found in household dust.”




    The flame-retardant material in question is polybrominated diphenyl ethers (PBDEs). Couches with the chemical in its foam is linked by the study to six-fold higher concentration of PBDEs in children's blood.

    Exposure to PBDEs has been linked in laboratory tests to neurodevelopmental delays, obesity, endocrine and thyroid disruption, cancer, and other diseases.

    The study also showed children from homes that had vinyl flooring in all areas were found to have concentrations of benzyl butyl phthalate metabolite in their urine that were 15 times higher than those in children living with no vinyl flooring. Benzyl butyl phthalate has been linked to respiratory disorders, skin irritations, multiple myeolma and reproductive disorders.


    Stapleton said despite the risk these chemicals may pose – as well as their commonality – much is still unknown.

    “There has been little research on the relative contribution of specific products and materials to children’s overall exposure to SVOCs,” she noted.

    The study began in 2014 with Stapleton and colleagues from Duke, the Centers for Disease Control and Prevention, and Boston University. The study looked at in-home exposures to SVOCs among 203 children from 190 families over three years.

    The team analyzed samples of indoor air, indoor dust and foam collected from furniture in each of the children’s homes, along with a hand-wipe sample, urine and blood from each child.

    IN THIS ARTICLE
    Heather Stapleton
    Person
  8.  # 8

    Como serão tóxicos os vernizes que se usam para tratar os pisos em madeira.. os compostos da tinta que temos nas paredes, as fibras da La de rocha que temos no isolamento.. os compostos que nos colocam na água que sai das nossas torneiras, e boa parte da me**a que hoje em dia comemos..

    Depois há os lobbies a favor e os lobbies contra e nos só temos que escolher um lado e ir na onda..
    Concordam com este comentário: Ruipsm, RJGG
  9.  # 9

    A minha inclinação para o vinil está relacionada com a possibilidade de ter um chão único em toda a casa. As casas agora são amplas, poucas portas, de um espaço vejo o outro... E gosto de ver tudo igual. E também pelo facto de ser um piso térreo à altura do jardim. Será uma constante entrar e sair e a resistência da madeira não é a mesma. Porque se fosse eu colocaria madeira, não pensava duas vezes. Também gosto muito mais.
  10.  # 10

    Colocado por: alexandrapinheiroA minha inclinação para o vinil está relacionada com a possibilidade de ter um chão único em toda a casa. As casas agora são amplas, poucas portas, de um espaço vejo o outro... E gosto de ver tudo igual. E também pelo facto de ser um piso térreo à altura do jardim. Será uma constante entrar e sair e a resistência da madeira não é a mesma. Porque se fosse eu colocaria madeira, não pensava duas vezes. Também gosto muito mais.

    Ui, e isso é um problema porque?
    É uma questão de se adaptar o soalho á sua vivência e realidade.
    Em minha casa é igual, tenho soalho em todo o lado incluindo cozinha, e está como novo. Um risquito ou outro mas nada de transcendente.
    E esta casa é muito vivida e está permanentemente cheia de miúdos pequenos aqui aos pulos pois os vizinhos juntam-se todos.
    E o vinil também risca. Ainda agora vou aplicar uns degraus de madeira a um cliente que escolheu vinil, ainda não se mudou e já me disse que vai juntar dinheiro para daqui a dois ou três anos pôr um soalho de madeira connosco. Este foi rápido, ainda não estreou a casa e já se arrependeu.
  11.  # 11

    Colocado por: Bragas VComo serão tóxicos os vernizes que se usam para tratar os pisos em madeira…

    Depende do profissional que contratar.
    Já para ai á 4 anos que os nossos acabamentos são 100% isentos de covs.
  12.  # 12

    Colocado por: jmalmeidaNão vejo como pode dizer que este estudo está a ser abafado.
    Procurando no Google, são dezenas de sites a citar este estudo, contra e a favor, como é normal.
    Não creio valha a pena entrar em teorias da conspiração, embora também não goste, não tenha e não queira vinil em casa.



    Mas o estudo completo que existe(ia) foi completamente blindado. Eu sei porque o li de fio a pavio e entretanto… sumiu.
    O que vê são pequenos excertos que vão postando em blogues e afins.
    Teorias da conspiração ou não, o que é certo é que o amianto também não fazia mal nenhum, os tacos de madeira colados com piche/alcatrão também não (embora seja proibido desde 1991), etc, etc
    Repito, oferecido e aplicado de borla, em casa minha não passava da porta da rua.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: jmalmeida
  13.  # 13

    O vinil que tenho escolhido é mais caro do que a madeira. A minha escolha não está relacionada com o preço. Pensei apenas na resistência a riscos, humidade, gorduras.
  14.  # 14

    Não tenho coragem de colocar madeira na cozinha e casas de banho... Mas queria um chão igual. E não quero cerâmica na sala e quartos. Foi apenas isso que me agradou no vinil. A homogeneidade que a meu ver é que embeleza a casa.
  15.  # 15

    Colocado por: alexandrapinheiroO vinil que tenho escolhido é mais caro do que a madeira. A minha escolha não está relacionada com o preço. Pensei apenas na resistência a riscos, humidade, gorduras.

    Não é de certeza mais caro do que a madeira que eventualmente deveria ter.
    Embora haja vinis caríssimos, nenhum é mais caro que um bom soalho.
    Eu acho é que ainda ninguém “perdeu” tempo consigo para lhe mostrar o que deveria ver…
    Just my two cents

    PS: quase todos os soalhos que fazemos são aplicados em openspace. Até á data, zero reclamações
  16.  # 16

    Colocado por: alexandrapinheiroNão tenho coragem de colocar madeira na cozinha e casas de banho... Mas queria um chão igual. E não quero cerâmica na sala e quartos. Foi apenas isso que me agradou no vinil. A homogeneidade que a meu ver é que embeleza a casa.

    Nenhum vinil embeleza uma casa. Aquilo cheira a fake a léguas.
    Ainda não vi nem um que me apelasse á veia de conforto estético que os meus olhos exigem. E já vi largas centenas deles.
    Vinil é bom para a Zara ou para a Lefties. Para uma Louis Vuiton por exemplo já não serve. Esses só usam madeira…
    Não consigo gostar daquilo. Aliás, nenhum profissional com amor á arte poderá algum dia gostar de algo tão sem sal
  17.  # 17

    E sim Alexandra, sou altamente tendencioso porque não aprecio mesmo este género de soluções. Entendo quem tenha de colocar por motivos de ordem económica mas quando não é o caso, simplesmente não faz sentido assassinar um projecto.
    Uma vez mais, just my two cents
  18.  # 18

    É correr tudo a cerâmica..

    Dura mais que a madeira,
    É mais barato que a madeira,
    Mais resistente que a madeira..
  19.  # 19

    Um conhecido meu, colocou vinílico flutuante na moradia, para já o que não gosta é que quando acende o recuperador a lenha, o pavimento em frente ao recuperador com o calor começa a "levitar", solução, no inverno coloca um tampo de pedra, para ele não "levitar".
  20.  # 20

    Colocado por: Bragas VÉ correr tudo a cerâmica..

    Dura mais que a madeira,
    É mais barato que a madeira,
    Mais resistente que a madeira..

    E independentemente do profissional, não liberta covs
 
0.0238 seg. NEW