Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 901

    Colocado por: MetallisingFica a questão, baseado no quê, é que alguma entidade fiscalizadora pode ordenar a remoção de um bem amovível?


    até um barbecue podem remover se não estiver em projecto ou comunicação prévia (ou fazer pagar uma valente multa), quanto mais uma casa (seja movel ou não, é uma casa).

    Independentemente do que diz a lei, acha pratico viver numa casa assim? Sem as condições de habitalidade minimas nos dias de hoje? Mais vale fazer um projecto e uma casa pequena de acordo com o seu orçamento, do que se meter nessas coisas.
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 902

    Se esta história das casas móveis fosse possível teríamos por aí muitos muitos bairros de lata/pvc/madeira...mas com rodas :-))
    Concordam com este comentário: valtores
  4.  # 903

    [quote]"No caso de ponderar construir uma casa pré-fabricada, fique desde já a saber que o enquadramento legal é exatamente o mesmo do que uma casa de construção tradicional. Assim, para saber como funciona o licenciamento deste tipo de construção, saiba que as leis de consulta obrigatória são o Decreto-Lei 555/99 e as alterações introduzidas na Lei 60/2007."[/quote]

    [quote]"até um barbecue podem remover se não estiver em projecto ou comunicação prévia (ou fazer pagar uma valente multa), quanto mais uma casa (seja movel ou não, é uma casa)".[/quote]

    Mas uma casa móvel é considerada uma "construção" ? Licenciamento de construção ? A ideia aqui não é construir nada. A ideia é deslocar um bem amovível para o terreno, que pode servir para aquilo que o proprietário entender, neste caso, para dormir. Uma casa móvel nem é considerada imobiliário, portanto, poderá ser considerada de "habitação" ilegal? Se eu decidir estacionar a minha Ford Transit no terreno e decidir passar a dormir lá todas as noites, também estou a cometer alguma ilegalidade?

    [quote]"Independentemente do que diz a lei, acha pratico viver numa casa assim? Sem as condições de habitalidade minimas nos dias de hoje? Mais vale fazer um projecto e uma casa pequena de acordo com o seu orçamento, do que se meter nessas coisas".[/quote]

    Eu não queria entrar por aqui, é uma bomba-relógio até toda a gente se começar a ofender e estragar o tópico. Mas vamos tentar :)
    Em poucas linhas, sim acho prático. Tem condições mais do que minimas para os dias de hoje, principalmente quando se trata de habitar em Portugal onde as temperaturas são super propícias a este tipo de construção. Em geral, tem todos os confortos de uma casa normal, pelo menos para mim, que gosto de minimalismo. Se me oferecessem uma vivenda com 200m2 eu vendia-a no dia seguinte :)
    A única coisa que prefiro numa casa tradicional é o isolamento acústico e por norma as calhas das portas e janelas também têm melhor estanquidade. Mesmo assim se tiver o azar de ter maus vizinhos lá se vai a vantagem do isolamento acústico. A nível térmico este tipo de construção não se fica atrás das casas tradicionais, antes pelo contrário já que pelo facto de estar desacoplado do solo reduz problemas de humídade.

    Penso que para já exista uma barreira mental, mais assente em ideologias do que razão, este tipo de construção está associado a precariedade e má vizinhança, uma vivenda de tijolo e betão automaticamente confere-lhe determinado status quo e aceitação social.

    No país onde vivo actualmente os jovens aprendem na escola educação financeira, é-lhes ensinado que não devem gastar mais de um quarto do salário em habitação, seja em renda ou prestações ao banco. Curiosamente é um dos países mais ricos do mundo e com melhor saúde financeira.
    Sou adepto dessa forma de pensar e como tal não quero de forma alguma pedir dinheiro ao banco ou enterrar uma fortuna para ter um tecto onde dormir.

    Num país onde existe tanta precariedade como Portugal este tipo de habitações deveria ser incentivado e não estrangulado como as câmaras tentam fazer. Um jovem que sai da faculdade e começa a trabalhar aufere abaixo dos 1000€, se viver por exemplo em Lisboa, estoura logo 400€ para arrendar uma casa, junte-lhe transportes e alimentação, o que resta? 200€? A poupar 200€ ao mês não vai ter um futuro muito promissor. Têm que haver formas mais baratas e eficientes de se poder viver, ou afinal ter um tecto onde dormir é um luxo?
    Do outro lado do Atlântico já se começa a pensar assim, pesquise por "mobile homes forum" e veja as dezenas de foruns que existem de pessoas que vivem neste tipo de habitação e partilham as questões do dia-a-dia. Muitos são jovens trabalhadores que procuram qualidade de vida sem estarem presos a prestações proibitivas.

    O problema das casa móveis é que não fazem circular muito dinheiro, logo não convém promover... É como os carros eléctricos, também não intessa muito promover porque reduz a dependência do consumidor de grandes grupos económicos.

    Enfim, no fundo só quero barraco para viver descansado e livre de prestações.
    Concordam com este comentário: Varoufakis, mhpinto
    Estas pessoas agradeceram este comentário: lmcscarpediem

  5.  # 904

    Colocado por: PicaretaSe esta história das casas móveis fosse possível teríamos por aí muitos muitos bairros de lata/pvc/madeira...mas com rodas :-))
    Concordam com este comentário:valtores


    nem mais. havia de ser uma bela paisagem de favelas por aí espalhadas.

    Colocado por: MetallisingMas uma casa móvel é considerada uma "construção" ?


    é considerada habitação, ou na pior das hipóteses está a colocar algo num terreno, e isso carece de comunicação à câmara. Aliás, a sua câmara já lhe disse isso...
    você tem que comunicar tudo à câmara, seja construir muros, sejam barbecues, sejam casas... independentemente de terem ou não rodinhas. Há um plano urbanistico (felizmente) para cumprir.

    Como já disse, não sou nada contra casas pre-fabricadas (com ou sem rodinhas), mas sem dúvida que tem que existir controlo sobre este tipo de construção, seja através de licenciamento ou não. Não pode ser chegar a um terreno qualquer que se compra por tuta e meia porque não permite construir, e toca de meter casas com rodas por aí fora. Acha isso bem? Não podemos pensar só em nós, as coisas são como são por algum motivo.


    Colocado por: MetallisingEm poucas linhas, sim acho prático.


    esta parte já não discuto :)
    •  
      Mk Pt
    • 17 Junho 2015 editado

     # 905

    Colocado por: MetallisingA casa da foto não tem fundações, mas sim rodas. É como se fosse uma casa montada em cima de um atrelado. Uma vez escolhido o local da casa, são instalados uns pés que ajudam na sustentação da casa. Estes pés estãosobreo solo e não são fundações. Veja a foto em anexo, similar à que coloquei anteriormente, repare nas rodas.

    Definição para casa móvel, ao olhos da lei, não, sinceramente não sei o que é, se é que tal coisa existe.

    Depois de fazer mais alguns contactos para vendedores de casas móveis e agências imobiliárias, todos me dizem o mesmo. Basta comprar o terreno, assegurar água e luz e meter-lhe uma casa móvel, sendo que nenhum entidade se pode basear na lei para ordenar a remoção do bem. Independentemente daquilo que se deva fazer "by the book", esta parece ser a realidade de quem está no terreno. Convém dar um desconto ao que dizem já que têm o objectivo de vender, mas não descridibilizar tudo o que dizem.
    Depois fui confirmar com a Câmara de Sesimbra, óbvio que não permitem qualquer tipo de casa móvel.

    Fica a questão, baseado no quê, é que alguma entidade fiscalizadora pode ordenar a remoção de um bem amovível?


    Pode ordenar baseado no que eu disse e que você, por algum motivo, decidiu passar ao lado:

    Colocado por: Mk PtQual é a aldrabice, perdão, 'argumento' de quem fala emcasas móveispara o facto de qualquercasacom ligação a água, electricidade e esgotos [mesmo que seja fossa] não se poder mover, logo, não ser móvel, mesmo que por milagre estivesse a flutuar e, assim, não ter nada que se possa chamar de fundações?


    Como pode ver, se quiser realmente ler e não desviar a conversa [pouco] disfarçadamente, mesmo que a casa 'flutue' e não tenha fundações, como é que uma casa com ramais de água, esgotos e electricidade pode ser móvel?

    Além da transmissão de electricidade via wireless [como já surgiram alguns carregadores de telemóvel, por exemplo], também há transmissão wireless de água e dos esgotos?


    E não sei porque [pouco] disfarçadamente evitou esta minha questão no post que eu já tinha feito... Qual o interesse de desviar a conversa?


    Tem minima noção que argumentos destes:

    Colocado por: Metallising[quote]
    Em poucas linhas, sim acho prático. Tem condições mais do que minimas para os dias de hoje, principalmente quando se trata de habitar em Portugal onde as temperaturas são super propícias a este tipo de construção. Em geral, tem todos os confortos de uma casa normal, pelo menos para mim, que gosto de minimalismo. Se me oferecessem uma vivenda com 200m2 eu vendia-a no dia seguinte :)
    A única coisa que prefiro numa casa tradicional é o isolamento acústico e por norma as calhas das portas e janelas também têm melhor estanquidade. Mesmo assim se tiver o azar de ter maus vizinhos lá se vai a vantagem do isolamento acústico. A nível térmico este tipo de construção não se fica atrás das casas tradicionais, antes pelo contrário já que pelo facto de estar desacoplado do solo reduz problemas de humídade.



    Não são coerentes com estes:

    Colocado por: Metallising
    Mas uma casa móvel é considerada uma "construção" ? Licenciamento de construção ? A ideia aqui não é construir nada. A ideia é deslocar um bem amovível para o terreno, que pode servir para aquilo que o proprietário entender, neste caso, para dormir. Uma casa móvel nem é considerada imobiliário, portanto, poderá ser considerada de "habitação" ilegal? Se eu decidir estacionar a minha Ford Transit no terreno e decidir passar a dormir lá todas as noites, também estou a cometer alguma ilegalidade?


    Colocado por: Mk Pt o facto de qualquercasacom ligação a água, electricidade e esgotos [mesmo que seja fossa] não se poder mover


    E portanto, o que está a tentar fazer passar aqui não é mais que tentar enganar quem não está minimamente informado, como tantos outros vendedores de casas móveis tentam fazer para enganar incautos?

    A não ser que considere andar a transportar baldes de mer..esgoto, ficar dependente da captação de água de chuva e/ou depósitos [tendo que os abastecer/transportar também], e de electricidade apenas solar e/ou eólica [com baterias associadas, nada barato para ter potência q.b.], algo de 'ter condições mais do que mínimas'.
    Não sei onde ou como vive, mas isto poderia ser condições mais que mínimas no inicio do século XX, não no século XXI, seja inicio ou meio de século.


    Claro, e há falta de argumentos para a realidade da ilegalidade que tentam vender, da ideia que defendem, a única argumentação é esta:

    Colocado por: Metallising[quote]

    Penso que para já exista uma barreira mental


    Pois claro que há barreiras mentais, para quem é sério.
    Porque têm mínima preocupação em não andar a espalhar informação errada e ilegal.
  6.  # 906

    Colocado por: Mk PtAlém da transmissão de electricidade via wireless [como já surgiram alguns carregadores de telemóvel, por exemplo], também há transmissão wireless de água e dos esgotos?


    a transmissão de electricidade não é wireless: esses carregadores estão ligados à corrente.
    A forma de carregar o telemovel é que não é via ficha, mas sim via contacto apenas. Basta pousar o telemovel nesses carregadores, que estão ligados à corrente como qualquer outro.

    De qualquer forma viver off-the-grid não é impossivel: basta ter paineis, baterias (carissimas), e equipamentos de muito baixo consumo. Agua do poço e uma fossa, e pronto.

    Aqui creio que o problema é mais de legalização do que de infrastrutura.
  7.  # 907

    Eu não estou a tentar ganhar nenhum argumento aqui, estou a expor as coisas de forma pragmática. Se acha que estou a dizer alguma asneira não hesite em comentar, se for bem fundamentado só lhe tenho a agradecer.
    Não estou a "informar" de forma errada, nem a enganar ninguém, espero que quem leia o tópico esteja ciente disso. Quem quer obter informação correcta é melhor que se dirija até às autoridades competentes.

    No meu caso, procuro um terreno agricola com poço e electricidade (para a bomba), a ideia é utilizar as infraestruturas já instaladas. A fossa séptica seria preciso fazer.
    Pelo facto de ter acesso a estas infraestruturas a casa não deixa de ser móvel, desliga uma ficha trifásica e desmonta dois tubos e já pode mover o bem... Se uma auto-caravana estiver ligada à electricidade da rede, esta deixa de ser móvel?

    Relativamente aos argumentos que assinala não encontro incoerências.

    As barreiras mentais existem sim, questiono-me quantas pessoas neste forum já habitaram uma casa móvel, face àquelas que juram a pés juntos nunca viver numa sem sequer terem visitado uma. Nos dias de hoje, com a tecnologia, materiais e know-how que se foi acumulando, continua a ser preciso hipotecar a vida para ter um buraco onde dormir, quando na verdade os custos de produção diminuiem e tudo funciona de forma mais eficiente, dito isto, alguém anda a mamar à grande no meio disto tudo. Pagar 300.000€ por uma casa, é o mesmo que dizer que se trabalhou toda a vida para pagar umas toneladas de tijolo e betão que servem para se estar abrigado da chuva e vento, dormir e ir à casa de banho protegida por paredes anti-sismicas não vá acontecer ir tudo abaixo e os vizinhos verem-nos os genitais. Uma vez concluído o sonho, fechamo-nos na fortaleza e ficamos à espera da morte.
    Certamente que os engenheiros, arquitectos e outros que ganham a vida disto acharão a minha visão ridicula, mas o que é certo é que existem pessoas como eu que têm outras prioridades que não o "lar" e preferem canalizar recursos para outras áreas.

    Além das barreiras mentais, existem as barreiras burocráticas. Questiono-me porque é que nos Estados-Unidos é tão descomplicado viver numa casa móvel e em Portugal é tudo tão atrofiado. Na Câmara de Sesimbra confirmaram-me que NÃO posso ter uma casa móvel, seja em que tipo de terreno for. Porquê? Para manter homogeneidade paisagistica? Quanto a esse ponto já falharam redondamente.
    Recentemente contactei uma pessoa que tem uma casa móvel em Sesimbra há já 7 anos, disse-me que na altura de comprar a casa teve uma reunião na Câmara de Sesimbra para conhecer o enquadramento legal e como deveria proceder, foi-lhe dito que embora não esteja contemplado na lei (ou seja, legalidade dúbia...) também não existe controlo, dando a entender que fecham os olhos a estas situações. A mim ao telefone, foi-me dito explicitamente por uma arquitecta da Câmara que não é permitido, mas pelos vistos não há controlo ...

    Legal, ilegal? Quem quer saber....
    A propósito, qual a legitimidade de quem faz a lei?... "Ilegal" é tudo aquilo que não vai de encontro com os interesses de grupos económicos que controlam isto tudo... Quem se lixa é o bom saramitano. Toda a gente sabe que o tabaco faz mal, certo? E que mata, certo? No entanto, sendo uma indústria gigante e representando 1.5 MIL MILHÕES de euros anuais em receitas para o estado não interessa tornar ilegal.

    Bom, já me estou a alongar demasiado... mas acho importanto meter as coisas em prespectiva, principalmente quando a lei, que deveria existir para defender os interesses e o bem estar dos cidadãos pode não estar a desempenhar o seu papel.
  8.  # 908

    A fossa séptica seria preciso fazer

    Se não me engano, está enganado, não pode fazer uma fossa séptica
  9.  # 909

    Colocado por: MetallisingSe uma auto-caravana estiver ligada à electricidade da rede, esta deixa de ser móvel?


    uma é um carro, outro é uma casa. se tirar as rodas da auto-caravana, não passa a ser uma casa. Tal como colocar rodas numa casa não a transforma num carro. É uma casa na mesma.

    Colocado por: MetallisingPorquê? Para manter homogeneidade paisagistica? Quanto a esse ponto já falharam redondamente.


    então se nos terrenos ao lado do seu e da sua casa movel, construírem um arranha-ceus, ou uma favela toda à volta, voce acha que a câmara não tem nada a ver com isso, só porque são casas em pvc?
    Existem planos urbanisticos precisamente para evitar estas gatafunhadas de casas que tornam a paisagem um caos. E mesmo com estes planos, como você diz, falham muitas vezes em conseguir um bom ordenamento.

    Colocado por: MetallisingQuestiono-me porque é que nos Estados-Unidos é tão descomplicado viver numa casa móvel


    cá em portugal não há complicação nenhuma em viver em pre-fabricados, desde que devidamente licenciados. há muita gente a viver em pre-fabricados, alguns até de luxo. Aqui a questão não é ser legal ou não viver numa casa dessas, mas sim ser legal ou não sem apresentar comunicação prévia ou projecto na Câmara, cumprindo todas as disposições legais.

    Colocado por: MetallisingPagar 300.000€ por uma casa


    Pode construir muitas casas de 30 ou 40 mil euros, legalmente, com ou sem rodas.
    Tem é que fazer as coisas certas e não chegar ao terreno com a casa a reboque, e por lá ficar.


    Já agora, também acha que nessas casas não tem que pagar IMI, como todos os outros Portugueses, por ter rodas? Então e se for uma casa de luxo com rodas, também não paga IMI? Ou se tem rodas, deve pagar imposto de circulação? Como é?

    Percebe porque é que tem que haver leis e fazer as coisas como deve ser?
  10.  # 910

    Colocado por: j cardoso
    Se não me engano, está enganado, não pode fazer uma fossa séptica


    até para fazer uma fossa tem que se informar a Câmara (que muitas vezes tem que consultar outras entidades para aprovar ou não a construção/montagem de fossas).
  11.  # 911

    Se isso resolver o problema, então que seja. Se o problema das casa móveis é não terem enquadramento legal, então se estivermos a falar de caravanas o problemas está resolvido, já que neste caso está bem estipulado e não existe margem para as autoridades competentes me levantarem problemas. A caravana é registada como um bem móvel, ponto.
    As casas móveis não diferem muito de algumas caravanas maiores, pelo que considero uma opção viável para o que pretendo.

    Percebo o que diz, certamento não me iria agradar ter um arranha-ceus ao lado de casa. Neste caso, resta ter algum bom censo e enquadrar a casa móvel com a paisagem local sem prejudicar ninguém, evitando assim levantar problemas com vizinhança e queixas. Claro que isto partiria do meu bom senso e a boa vontade dos vizinhos, o que ao olhos da lei não tem qualquer valor, portanto, tem os seus riscos. Em defesa das casa móveis, devo acrescentar que os modelos mais recentes parecem autênticas casas, ditas normais, a nível estético em nada se assemelha com aquilo que se poderia chamar de "barraca".

    A solução do pré-fabricado coloca-me alguns problemas. Um terreno viável para esse tipo de construção custa o triplo de um terreno agricola, requer projecto (3000€-5000€), licença de construção (2000€-4000€) e mão-de-obra ao contrário de uma casa móvel. Se considerarmos um terreno viável na zona de Sesimbra, nunca ficará por menos de 40.000€, junte-lhe o resto e já estamos nos 80.000€.
    Face a estes valores sinto-me "esmagado" e empurrado ou para um solução mais dúbia como as casas móveis ou um T0 no Barreiro com vista para o parque industrial.

    A questão da fossa, sim, já estou preparado para alguns problemas... Será que nem uma fossa estanque me licenciam?

    Outra solução seriam as sanitas compostoras. Vou aprendendo algumas soluções engenhosas em alguns blogs de casais que vivem off-grid e quando comecei a ler sobre isto achei um pouco "nojento", a malta junta serradura no fundo da sanita e a mistura do carbono com as bactérias aeróbicas eliminam os agentes patogénicos presentes nas fezes e cheiros, resultando um belo composto para o jardim. Claro que um menino da cidade como eu rejeitaria a ideia, mas por desconhecimento, depois de ler alguns papers científicos sobre "human-manure" já vejo a coisa com outros olhos e estou aberto a essa possibilidade.
    As águas cizentas podem servir para regar o jardim, desde que os produtos usados em casa sejam naturais, como gel de banho, detergente da loiça e afins. Óleos é outra coisa a excluir. Estou ciente dos impactos ecológicos inerentes aos desperdícios humanos.

    Isto pode estar a começar a soar muito hippie, mas é uma questão de fazerem as vossas pesquisas e constatarem, não só através de papers científicos, como de exemplos de pessoas que as usam no dia-a-dia, como na quantidade de produtos que vão sendo lançados para o mercado para este efeito.

    Estou aberto a todo o tipo de soluções engenhosas que não requeiram encher o anûs a alguém com mais euros.
    •  
      Mk Pt
    • 17 Junho 2015 editado

     # 912

    Colocado por: valtores
    De qualquer forma viver off-the-grid não é impossivel: basta ter paineis, baterias (carissimas), e equipamentos de muito baixo consumo. Agua do poço e uma fossa, e pronto.

    Aqui creio que o problema é mais de legalização do que de infrastrutura.


    Não é impossível se a própria 'casa móvel' móvel tivesse, além de produção [fotovoltaicos ou eólicoas] e conservação [baterias] de energia, captação e depósitos de água, e uma fossa [depósito de esgotos] dentro dela própria.

    No fundo, uma caravana autosuficiente sem ligar nada a lado nenhum.
    Porque se é necessário, nem há mobilidade, e nem o problema é só de legalização como também de infraestrutura para ter habitabilidade [decente].


    Colocado por: MetallisingEu não estou a tentar ganhar nenhum argumento aqui, estou a expor as coisas de forma pragmática. Se acha que estou a dizer alguma asneira não hesite em comentar, se for bem fundamentado só lhe tenho a agradecer.
    Não estou a "informar" de forma errada, nem a enganar ninguém, espero que quem leia o tópico esteja ciente disso. Quem quer obter informação correcta é melhor que se dirija até às autoridades competentes.


    Eu já deixei a fundamentação mais que suficiente, só lê quem não quiser, por algum motivo de interesse particular.

    Casas móveis só algo tipo autocaravana autosuficiente, sem ligar nada a lado nenhum.
    Se considera isto boa habitabilidade, melhor que uma 'moradia de 200m2 que vendia no dia seguinte', tudo bem, está no seu direito, mas diria que 99,9% não considera fazer vida tipo hippie um bom modo de vida.

    Se ligar electricidade, ou água, ou a uma fossa no terreno, não é casa móvel, ponto.

    E eu estou mais que informado sobre a informação e legislação correcta, não necessito de ir a lado nenhum.
    Claramente que você é que não está informado e ignora quem está, sendo um bocado obscuro o motivo pelo qual ignora a opinião de quem está informado.
    Concordam com este comentário: RabInv
    • tnjp
    • 17 Junho 2015

     # 913

    Se bem me lembro, falou num dos posts que colocou que esta seria a alternativa viável a um pobre coitado que acabando os estudos e ganhando 1000€, não teria nem podia gastar 400€ ou mais euros na prestação ou renda de uma casa. Nestas situações, mesmo sendo "apenas" os tais €50.000, penso que terá que recorrer ao crédito bancário. Já pensou em como irá ultrapassar esta situação?
  12.  # 914

    Colocado por: valtores

    até para fazer uma fossa tem que se informar a Câmara (que muitas vezes tem que consultar outras entidades para aprovar ou não a construção/montagem de fossas).


    Gostava de ver alguém a conseguir licenciar uma fossa para uma 'casa móvel' não licenciada.
    :)
  13.  # 915

    Não de facto não pensei como um jovem trabalhador pode obter esses 50.000€. No meu caso, pago em dinheiro.
    Num desses casos, poderia pedir empréstimo ao banco para o terreno, que será sempre o mais caro, depois a casa teria que ser paga em dinheiro já que os bancos não financiariam uma casa móvel.

    Existem alternativas à fossa.

    Na imagem podem ver o funcionamento simplificado, cada vez que se usa a sanita tem que se usar serradura para adicionar carbono e permitir uma reacção aeróbica. Ao reservatório está ligado um tubo de arejamento para permitir a circulação de ar de forma a evitar a proliferação de bactércias anaeróbicas, estas sim, são nocivias e provocam mau cheiro.
      compostingtoilet-susana.jpg
  14. Ícone informação Anunciar aqui?

  15.  # 916

    As mais sofisticadas têm este aspecto e não requerem tubagem.
      compactprod.jpg
      NH2.jpg
    • P+V
    • 18 Junho 2015

     # 917

    Se é para enganar o pagode, que seja ao menos com estilo, que estas casas de plásticos são feita que até dói: http://www.archdaily.com/420623/portable-house-aph80-abaton-arquitectura
  16.  # 918

    https://www.youtube.com/watch?v=vTQI_Mpmfx8
    Estas pessoas agradeceram este comentário: arquitecturagaia
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">