Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 101

    Colocado por: FD
    Colocado por: CIMENTOmas a minha estimativa aponta para +-8.000€

    Até agora ou com a obra pronta?


    Com a obra pronta, talvez suba mais um pouco porque as escadas são caras.
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 102

    Já iniciei as pinturas, comecei por aplicar o primário nas paredes de Pladur.

    Foi aplicado o produto atrás indicado e diluido com 5l água para 15 L primário, quando o comprei achei estranho tanta água, mas o sujeito disse que tinha que ser porque era a 1ª vez que as paredes iam ser pintadas e tal, e se fosse sem diluição depois as tintas podiam não agarrar porque o primário faria uma reacção qualquer...O que é certo é que nas paredes de pladur o cobertura é muito pouca mas nas de gesso a transparência nota-se muito pouco.

    Para a tinta aconselhou-me 1 L para 15 L, é mesmo necessário diluir a tinta ? não se pode dar pura para ter que dar menos demãos ?

    No fim vou ter que retocar novamente algumas bolhas que escaparam e que agora se vão notando mais :(
      Image1.jpg
      Image2.jpg
      Image3.jpg
  4.  # 103

    Estou em vias de acabar as pinturas (já só falta uma pequena parede e a outra parede mais pequena de pladur).

    Foi uma demão de primário e duas de tinta, resultou bem:) Não aprendo, ao inicio de qualquer tarefa vou cheio da "pica" a pensar ah e tal duas semanitas e está pronto (deve ser a ansiedade a funcionar), o problema é que não é bem assim, porque tem que se preparar o material, tirar tralha de um lado para o outro, e no fim arrumar e limpar tudo etc.:(

    Já estive a preparar o acesso ao sotão, abri o buraco até aos limites (cortei o pladur e retirei os perfis) para mais tarde fechar os espaços abertos com pladur e finalizar com a pintura.

    Ainda vou ter que retocar a parede grande de pladur, porque não deixei as juntas lisas o suficiente e nota-se (apenas de noite e com luz a indicidir directamente).
      Image1.jpg
      Image2.jpg
      Image3.jpg
      Image4.jpg
      Image5.jpg
      Image6.jpg

  5.  # 104

    Boas

    Gostei bastante do trabalho desempenhado até agora continue.


    Se não for incomodo quando instalar as escadas podia tirar uma fotografia?


    Obrigado.
    • Arusha
    • 10 Julho 2010 editado

     # 105

    (eliminado a pedido do próprio)
  6.  # 106

    Olá Cimento,
    Só agora aqui vim e faço questão de lhe testemunhar a minha admiração. E não imagina a pena que eu sinto de só agora aqui ter chegado; sinto que lhe podia ter sido muito útil em algumas das dificuldades que teve que vencer. Por exemplo, fiquei “parvo” com o que deve ter passado para aparafusar às vigas as réguas onde fixou o forro do tecto… havendo uma solução tão simples… (se ainda estiver interessado eu explico).
    Obrigado por partilhar connosco este seu feito!
  7.  # 107

    Colocado por: G.duvidasBoas

    Gostei bastante do trabalho desempenhado até agora continue.


    Se não for incomodo quando instalar as escadas podia tirar uma fotografia?


    Obrigado.


    Acho que ainda vai ter que esperar um bom bocado para ver as escadas, já que será das últimas senão a última coisa que irei colocar, mas claro que coloco aqui uma foto :)
  8.  # 108

    Colocado por: ArushaExcelente trabalho Cimento, tomara eu ter tempo e conhecimentos para fazer o mesmo tipo de obra no meu sotão....Já adjudiquei à empresa 'Valores Remodelados, lda" ( zona de Almada ) através da Illico do feijó e já me arrependi....


    Pois, é mal comum falta de tempo, tenho que aproveitar todos os "buracos disponíveis" e mesmo assim não chegam...

    Relativamente à adjudicação dos trabalhos do seu sotão, já se arrependeu porquê ?
  9.  # 109

    Colocado por: dutilleulOlá Cimento,
    Só agora aqui vim e faço questão de lhe testemunhar a minha admiração. E não imagina a pena que eu sinto de só agora aqui ter chegado; sinto que lhe podia ter sido muito útil em algumas das dificuldades que teve que vencer. Por exemplo, fiquei “parvo” com o que deve ter passado para aparafusar às vigas as réguas onde fixou o forro do tecto… havendo uma solução tão simples… (se ainda estiver interessado eu explico).
    Obrigado por partilhar connosco este seu feito!


    Sim de facto a questão do wallmate no tecto deu muito (mesmo muito) trabalho dado que o fiz sozinho (sem menosprezar a ajuda da minha vassoura ehe ehe ehe ), o difícil nem foi furar as vigotas, mas sim a coordenação das placas com as ripas/ furos etc. O que interessa é que já está.

    Claro que gostaria de saber a sua solução mais simples, nem que seja para quem estiver ou venha a estar nessa fase, poder ter outra forma de realizar o trabalho.
    • Arusha
    • 12 Julho 2010 editado

     # 110

    (eliminado a pedido do próprio)
  10.  # 111

    Colocado por: ArushaJá me arrependi porque ainda agora está no inicio e a empresa já não está a cumprir o contratado....Tinha instalado um termossifão no telhado préviamente ( antes da subida do IVA ) e estava previsto que no inicio das obras fizessem de imediato as ligações ( pelo menos da água ) dado que o aparelho pode sofrer danos por estar exposto ao sol sem água no seu interior. Acontece que a "Valores Remodelados" montou uns andaimes numa parede e á 4 dias que ninguém aparece...tou a ver que ainda tenho que pagar a outra empresa´para fazer apenas a canalização, ou ainda fico com o termossifão danificado


    Não percebo muito disso, mas acho que pode tapar o aparelho para evitar danos...
    • Arusha
    • 12 Julho 2010 editado

     # 112

    (eliminado a pedido do próprio)
  11.  # 113

    Colocado por: CIMENTO


    Claro que gostaria de saber a sua solução mais simples, nem que seja para quem estiver ou venha a estar nessa fase, poder ter outra forma de realizar o trabalho.



    Como o computador que eu uso habitualmente foi desta para melhor, não estou em condições de usar os programas de desenho que me permitiriam explicar isto muito mais rapidamente.
    Resumidamente, o método consiste na utilização de umas buchas/parafuso (não sei o nome técnico) que não se fixam directamente na alvenaria mas atravessam o material a fixar, o isolamento e a parede/tecto onde são ancoradas; se os móveis da sua cozinha não forem muito antigos, vá lá espreitar como é que os fixaram às paredes – são essas mesmas!

    Material necessário

    Além dos utensílios habitualmente usados necessita:
    - buchas c/ parafuso montado (de várias dimensões, creio que devem ter um nome específico mas não sei qual é; podem encontrar-se à venda em caixas na maioria das brico-lojas);
    - escarificador p/ madeira (é um utensílio que se assemelha a uma fresa, utiliza-se com o berbequim, tem uma ponta cónica e com um número variável de entalhes cortantes)

    Procedimento

    1 – numa das réguas, marcam-se os centros dos furos (centrados e regularmente espacejados, por ex., de 50 em 50 cm. Abertos os furos no diâmetro da broca de alvenaria correspondente à bucha que iremos utilizar, esta primeira régua servir-nos-á de bitola;

    2 – sobre dois cavaletes, vamos utilizar a régua mencionada em 1, sobrepondo-a a todas as réguas a utilizar e abrindo os furos através dela. Podem furar-se duas ou três réguas de uma só vez;

    3 – depois de todas as réguas furadas, substituímos a broca pelo escarificador e em cada furo abrimos uma coroa em funil de forma a que possa acolher a cabeça do parafuso e borda exterior da bucha de forma a que fique tudo ao mesmo nível da face da régua. É agora altura de lhes aplicar imunizador para madeira (o tal “cuprinol” que deve ser aplicado também nos orifícios);

    4 – Montamos a broca de alvenaria no mandril do berbequim (nalgumas marcas, o diâmetro da broca é indicado na caixa das buchas/parafuso), colocamos a régua na sua posição, e enquanto a seguramos com uma mão, furamos com a outra o isolamento térmico e a parede ou tecto onde se irá fixar a bucha através dos orifícios mencionados em 2 (existem no mercado brocas de alvenaria de haste longa, no caso de ser necessário). Aberto o primeiro furo (o que se situe mais acima no caso de uma parede), fazemos passar uma bucha/parafuso por este orifício, batemo-lo ligeiramente com um maço de borracha e aparafusamos (sem apertar totalmente). A partir deste primeiro furo já é possível abrir os outros segurando o berbequim com ambas as mãos.

    E pronto!!!! Com esta informaçãozita em tempo mais oportuno, aposto que teria dado saltos de satisfação.
    Mas como diz, aqui fica para outros que dela possam beneficiar.
  12.  # 114

    Colocado por: dutilleul
    Colocado por: CIMENTO


    Claro que gostaria de saber a sua solução mais simples, nem que seja para quem estiver ou venha a estar nessa fase, poder ter outra forma de realizar o trabalho.



    Como o computador que eu uso habitualmente foi desta para melhor, não estou em condições de usar os programas de desenho que me permitiriam explicar isto muito mais rapidamente.
    Resumidamente, o método consiste na utilização de umas buchas/parafuso (não sei o nome técnico) que não se fixam directamente na alvenaria mas atravessam o material a fixar, o isolamento e a parede/tecto onde são ancoradas; se osmóveis da sua cozinhanão forem muito antigos, vá lá espreitar como é que os fixaram às paredes – são essas mesmas!

    Material necessário

    Além dos utensílios habitualmente usados necessita:
    -buchas c/ parafusomontado (de várias dimensões, creio que devem ter um nome específico mas não sei qual é; podem encontrar-se à venda em caixas na maioria das brico-lojas);
    -escarificadorp/ madeira (é um utensílio que se assemelha a uma fresa, utiliza-se com o berbequim, tem uma ponta cónica e com um número variável de entalhes cortantes)

    Procedimento

    1 –numa das réguas, marcam-se os centros dos furos (centrados e regularmente espacejados, por ex., de 50 em 50 cm. Abertos os furosno diâmetro da broca de alvenaria correspondente à bucha que iremos utilizar, esta primeira régua servir-nos-á de bitola;

    2 –sobre dois cavaletes, vamos utilizar a régua mencionada em1, sobrepondo-a a todas as réguas a utilizar e abrindo os furos através dela. Podem furar-se duas ou três réguas de uma só vez;

    3 –depois de todas as réguas furadas, substituímos a broca pelo escarificador e em cada furo abrimos uma coroa em funil de forma a que possa acolher a cabeça do parafuso e borda exterior da bucha de forma a que fique tudo ao mesmo nível da face da régua. É agora altura de lhes aplicar imunizador para madeira (o tal “cuprinol” que deve ser aplicado também nos orifícios);

    4 –Montamos a broca de alvenaria no mandril do berbequim (nalgumas marcas, o diâmetro da broca é indicado na caixa das buchas/parafuso), colocamos a régua na sua posição, e enquanto a seguramos com uma mão, furamos com a outra o isolamento térmico e a parede ou tecto onde se irá fixar a bucha através dos orifícios mencionados em2(existem no mercado brocas de alvenaria de haste longa, no caso de ser necessário). Aberto o primeiro furo (o que se situe mais acima no caso de uma parede), fazemos passar uma bucha/parafuso por este orifício, batemo-lo ligeiramente com um maço de borracha e aparafusamos (sem apertar totalmente). A partir deste primeiro furo já é possível abrir os outros segurando o berbequim com ambas as mãos.

    E pronto!!!! Com esta informaçãozita em tempo mais oportuno, aposto que teria dado saltos de satisfação.
    Mas como diz, aqui fica para outros que dela possam beneficiar.


    Caro dutilleul

    Antes de mais o meu obrigado pela sua ajuda.

    Essa metodologia (usar a régua como bitola) também foi pensada, contudo e tendo em conta que as vigotas nem sempre tinham a mesma distância, ainda que a diferença fosse minima (+-1cm) poderia fazer com que falhasse alguns furos, resolvi aplicar furo a furo "in loco". Deu mais trabalho, mas foi mais fácil corrigir na altura algum furo mais "torto".
  13.  # 115

    Colocado por: CIMENTO

    Essa metodologia (usar a régua como bitola) também foi pensada, contudo e tendo em conta que as vigotas nem sempre tinham a mesma distância, ainda que a diferença fosse minima (+-1cm) poderia fazer com que falhasse alguns furos, resolvi aplicar furo a furo "in loco". Deu mais trabalho, mas foi mais fácil corrigir na altura algum furo mais "torto".



    Caro CIMENTO,
    A bitola é apenas um detalhe que em situações particulares, como a que relata, até pode não ter qualquer interesse.

    Foram estas as buchas/parafuso que utilizou?
      BUCHACOMPARAFUSO.jpg
  14. Ícone informação Anunciar aqui?

  15.  # 116

    Colocado por: dutilleul
    Colocado por: CIMENTO

    Essa metodologia (usar a régua como bitola) também foi pensada, contudo e tendo em conta que as vigotas nem sempre tinham a mesma distância, ainda que a diferença fosse minima (+-1cm) poderia fazer com que falhasse alguns furos, resolvi aplicar furo a furo "in loco". Deu mais trabalho, mas foi mais fácil corrigir na altura algum furo mais "torto".


    Caro CIMENTO,
    A bitola é apenas um detalhe que em situações particulares, como a que relata, até pode não ter qualquer interesse.

    Foram estas as buchas/parafuso que utilizou?



    Caro CIMENTO,
    A bitola é apenas um detalhe que em situações particulares, como a que relata, até pode não ter qualquer interesse.

    Foram estas as buchas/parafuso que utilizou?
      BUCHACOMPARAFUSO.jpg


    Não foram esses ( acho que se chamam tapit ou algo do género ). Procurei imenso e acabei por utilizar parafusos/buchas normais, por causa das medidas que precisava (6mm diâmetro; 7 a 7,5 cm comprimento).
  16.  # 117

    Boas,

    Vindo de férias (soube mesmo a pouco), tenho algumas novidades dos trabalhos que tiveram desenvolvimentos, não tanto como esperava mas férias são férias e não pode ser só trabalhar :)

    A Abertura de Acesso ao Sótão, trabalhos com pladur, no geral correu tudo bem, no entanto tive algumas dificuldades com o barramento que efectivamente não é o meu forte, mas lá se fez e o resultado está, na minha perspectiva aceitável. Ainda não está 100% concluído mas dá para ter uma ideia.

    Tecto da Casa de Banho, está praticamente finalizado, sendo que só falta aplicar as sancas (daquelas de esferovite), sem problemas de maior.

    Armários (4 = 13 blocos) das partes baixas e aduelas/portas, ainda em trabalhos mas já se vê alguma coisa. São 4 armários, um para cada divisão (à excepção do open pequeno) todos com portas de correr e prateleira no meio, um deles (o maior) tem vidros espelhados.
      Image1.jpg
      Image2.jpg
      Image3.jpg
      Image4.jpg
      Image5.jpg
      Tecto1.jpg
      Tecto2.jpg
      Image12.jpg
      Image22.jpg
      Image32.jpg
      Image33.jpg
      Image42.jpg
      Image52.jpg
  17.  # 118

    As caixas dos armários: mdf?
  18.  # 119

    Colocado por: dutilleulAs caixas dos armários: mdf?


    Sim
    • fjl
    • 14 Agosto 2010 editado

     # 120

    Cimento, Excelente ideia essas caixas dos armários...todo o trabalho está realmente muito bom
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">