Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Olá a todos,

    Tenho 30 anos e um CH em conjunto com o meu marido de cerca de 150k a 40 anos, contratado em 2021.
    Temos um spread de 0,95 e seguros fora do banco. Atualmente pagamos cerca de 350 € mas em breve passaremos a pagar bem mais. Quando contratamos o crédito ninguém aconselhava taxa fixa e por isso optamos pela variável mas agora começo a ter medo de até quanto poderá subir a Euribor. Subindo aos 3, 4%, continuamos a conseguir pagar, embora com pouca folga mensal, mas se ascender aos 6%, 7%, 8%... já começa a ser complicado.

    Sei que isto não passam de suposições mas até quanto acham que poderá subir?
    Quais os valores de taxa fixa que estão a ser propostos neste momento pelos bancos?

    Obrigada.
  2.  # 2

    Concordam com este comentário: LrLisboa, ferreiraj125
  3.  # 3

    Colocado por: manelvc


    Sei que é impossível saber...

    Mas fiz uma segunda questão, que talvez alguém possa ajudar :)
  4.  # 4

    Colocado por: CL1990Sei que isto não passam de suposições mas até quanto acham que poderá subir?


    Isso ninguém sabe dizer.
    O objetivo é que ela se mantenha ao nível da inflação ideal de 2-3%. Acho que nem o BCE sabe o que vai dar, nem sei se os bancos centrais já entenderam todos os fatores que estão a contribuir para a subida da inflação para os valores mais altos dos últimos 50 anos.

    Pessoalmente não acredito que passemos dos 5%, que foi o máximo histórico.
    Se lá chegarmos perto é porque a inflação real é mesmo muito muito grande, e é possível que algumas economias da zona euro já estejam em falência técnica.
    Concordam com este comentário: CL1990
    • AMVP
    • 29 agosto 2022

     # 5

    Colocado por: hangasSe lá chegarmos perto é porque a inflação real é mesmo muito muito grande, e é possível que algumas economias da zona euro já estejam em falência técnica.

    Mas isso já estavam antes da subida dos juros, nós por exemplo.

    Colocado por: hangasPessoalmente não acredito que passemos dos 5%, que foi o máximo histórico.

    Da euribor, mas já havia taxas de juros antes.


    Colocado por: hangasAcho que nem o BCE sabe o que vai dar

    Também penso que tem toda a razão, não sabem bem o que fazer pois como se costuma dizer "se de um lado chove do outro tb não faz sol", ou seja, a receita conhecida é que é necessário aumentar a taxa de juro para diminuir o consumo e assim baixar a inflação, eu diria que isto será verdade em mercados a funcionar normalmente já tenho dúvidas que funcione assim num cenário como o que temos no presente, mas este aumento tem como consequência o abrandamento da economia, que já por si está a ocorrer, na verdade deveria era crescer.
    • hangas
    • 29 agosto 2022 editado

     # 6

    Colocado por: AMVPMas isso já estavam antes da subida dos juros, nós por exemplo.


    Sim, do ponto de vista técnico é um facto. E os mesmos do costume, os PIGS. Mas a nossa eram "gerível", dizem eles.
    Mas se no inicio do ano emitimos divida na casa do 1%, há coisa de 1 mês ou 2 já nos custou quase 2.50%.
    Basta ver o histórico da nossa para ver o que aumentou em 2008, altura em que a Euribor também bateu maximos.

    Colocado por: AMVP
    Também penso que tem toda a razão, não sabem bem o que fazer pois como se costuma dizer "se de um lado chove do outro tb não faz sol", ou seja, a receita conhecida é que é necessário aumentar a taxa de juro para diminuir o consumo e assim baixar a inflação, eu diria que isto será verdade em mercados a funcionar normalmente já tenho dúvidas que funcione assim num cenário como o que temos no presente, mas este aumento tem como consequência o abrandamento da economia, que já por si está a ocorrer, na verdade deveria era crescer.



    Acho que o principal problema é os mercados estão mais "evoluidos" e mais complexos e os bancos centrais ainda usam receitas clássicas.

    Quer o FED quer o BCE, todos eles, usam lagging indicators para tomar decisoes.
    Tomam decisões para o futuro com base em dados reais passados. No entanto os mercados hoje regulam-se mais por Futuros, o petróleo principalmente.

    Isto é como corrigir a trajetória de um avião em queda com um "delay" brutal entre o que dizem os instrumentos e os inputs que se dá. Eu percebo a ideia de decisão com base em dados reais, mas a experiência devias-lhe dar também aquele feeling quea algo não está bem.
  5.  # 7

    2,155%
    • hangas
    • 29 agosto 2022 editado

     # 8

    A emissão em si até pode ter sido efetivamente mais baixa, mas o valor de marcado anda algo acima. A próxima emissão pode não correr tão bem.

    https://eco.sapo.pt/2022/06/07/juros-da-divida-portuguesa-a-dez-anos-atingem-os-25/

  6.  # 9

    O Bankinter acho que anda com taxa fixa de uns 2.8%. É uma questão de verificar no site e ver se ainda mantêm a taxa.
    Noutro tópico disseram que um banco chamado Abanca (acho que era assim) tinha taxas fixas na casa dos 1.4%. Acho difícil, mas...

    É tudo uma questão de procurar.
  7.  # 10

    .
      bsa.PNG
  8.  # 11

    Colocado por: AMVPDa euribor, mas já havia taxas de juros antes.


    Sim, mas as taxas do tempo do escudo têm pouca base de comparação deste que estamos no euro. Eu lembro-me de créditos dos meus pais a 20 e tal %
    • AMVP
    • 29 agosto 2022

     # 12

    Colocado por: hangasMas se no inicio do ano emitimos divida na casa do 1%, há coisa de 1 mês ou 2 já nos custou quase 2.50%.

    E pq o BCE nos anda a salvar.



    Colocado por: hangasTomam decisões para o futuro com base em dados reais passados.
    iriam
    que decorrem de realidades distintas. Se andam sempre a apregoar que querem deixar de usar o petróleo e o gás os países produtores, naturalmente, iriam aproveitar enquanto dá.
    Concordam com este comentário: hangas
    • AMVP
    • 29 agosto 2022

     # 13

    Colocado por: hangas

    Sim, mas as taxas do tempo do escudo têm pouca base de comparação deste que estamos no euro. Eu lembro-me de créditos dos meus pais a 20 e tal %

    A questão é o último choque petrolífero (crise energética) é do tempo do escudo.
  9.  # 14

    Colocado por: CL1990Subindo aos 3, 4%, continuamos a conseguir pagar, embora com pouca folga mensal, mas se ascender aos 6%, 7%, 8%... já começa a ser complicado.

    É preciso é ter calma, a sua situação não é complicada, se subir um pouco aguentam-se, se subir para 7 ou 8 % deixa de pagar a prestação ao banco, tal como todos os portugueses que compraram casa a crédito, colapsa tudo e vamos começar todos do zero.
  10.  # 15

    Colocado por: Pickaxe
    É preciso é ter calma, a sua situação não é complicada, se subir um pouco aguentam-se, se subir para 7 ou 8 % deixa de pagar a prestação ao banco, tal como todos os portugueses que compraram casa a crédito, colapsa tudo e vamos começar todos do zero.


    Boa tarde,

    Sim, aguentamo-nos. Mas com a subida de tudo, até de bens essenciais, ficamos ali no limite...
    Mas pronto, não se pode fazer nada se não esperar para ver.
    A realidade é que com os preços a que estão a comprar as casas em Portugal, uma subida para os 2,5 ou 3% já vai fazer muita gente não conseguir pagar as prestações.
  11.  # 16

    Há receio dos governos com mais uma crise ao estilo 2008-2012, o BCE está a tentar não subir muito (aqui comete o erro de não subir rápido).

    Mas diria que a Europa não suporta algo acima de 3%, uma taxa referência de 3% pode significar euribor num pico de 3,5%.

    Diria que o pico tende a ser curto, mas ai já está dependente de como a inflação corrige ou não.
  12.  # 17

    Colocado por: CL1990Olá a todos,

    Tenho 30 anos e um CH em conjunto com o meu marido de cerca de 150k a 40 anos, contratado em 2021.
    Temos um spread de 0,95 e seguros fora do banco. Atualmente pagamos cerca de 350 € mas em breve passaremos a pagar bem mais. Quando contratamos o crédito ninguém aconselhava taxa fixa e por isso optamos pela variável mas agora começo a ter medo de até quanto poderá subir a Euribor. Subindo aos 3, 4%, continuamos a conseguir pagar, embora com pouca folga mensal, mas se ascender aos 6%, 7%, 8%... já começa a ser complicado.

    Sei que isto não passam de suposições mas até quanto acham que poderá subir?
    Quais os valores de taxa fixa que estão a ser propostos neste momento pelos bancos?

    Obrigada.


    Ainda não procurou melhores soluções para mudar para taxa fixa? Então boa sorte.. os juros vão subir e não vai ser pouco, possivelmente vai haver recessão na Europa e certamente não vai descer tão facilmente as taxas novamente, prevejo 3/4 anos de muita coisa a falir
  13.  # 18

    Se consegue pagar até aos 3%, eu fixava a taxa em uns 5 ou 10 anos...Podia perder alguma coisa? Podia.

    Mas ao menos não ficava ao sabor do vento, com o coração nas mãos, por um determinado período.
  14.  # 19

    Colocado por: xiripiti

    Ainda não procurou melhores soluções para mudar para taxa fixa? Então boa sorte.. os juros vão subir e não vai ser pouco, possivelmente vai haver recessão na Europa e certamente não vai descer tão facilmente as taxas novamente, prevejo 3/4 anos de muita coisa a falir


    O meu crédito é super recente, ainda não tenho propriamente margem de negociação, e tal como disse, subindo até aos 4% é gerível para nós. Portanto, nem que esteja 5 anos nos 4% continua a não compensar optar por fixa, pelo menos na totalidade do crédito.
    "Os juros vão subir e não vai ser pouco" - O que considera muito? É que o muito é relativo.
  15.  # 20

    Colocado por: CL1990

    O meu crédito é super recente, ainda não tenho propriamente margem de negociação, e tal como disse, subindo até aos 4% é gerível para nós. Portanto, nem que esteja 5 anos nos 4% continua a não compensar optar por fixa, pelo menos na totalidade do crédito.
    "Os juros vão subir e não vai ser pouco" - O que considera muito? É que o muito é relativo.


    Ninguém a obriga a fixar a taxa durante toda a extensão do CH.

    Leia os posts acima. Tem ofertas para fixar a taxa a 5 anos, a 10 anos, a 20, etc... Depois volta à taxa variável!
    Concordam com este comentário: CL1990
 
0.0394 seg. NEW