Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Preços as casas em Lisboa aumentam:

    https://observador.pt/2022/02/01/precos-das-casas-subiram-mais-de-12-no-terceiro-trimestre-lisboa-com-valorizacao-ainda-maior/#comment-post-5114143

    Modo "politicamente correcto":
    Isto e uma vergonha, está a ficar impossível para as pessoas comprar casa e a situação está ainda pior para os jovens que por este andar ficam em casa dos pais até aos 50 anos.
    Alguma coisa tem de ser feita quanto a esta matéria, o PS que aproveite a maioria absoluta para arrajar uma solução a curto prazo e acabar com esta especulação nojenta.

    Modo"hipocrisa-OFF":
    Deveriam era aumentar mais, quanto mais aumentam mais eu ganho. Se sobem de preço é porque há quem compre.
    Querem casas mais baratas vão para os suburbios e comprem o passe que é barato. Era o que faltava, todos queriam viver em Lisboa de borla ou quê? Muitos abandonam os seus lares no interior do país para vir para Lisboa trabalhar e agora estes meninos acham-se no direito de poder comparar casa acessível no meio de Lisboa porque não querem ir para a Amadora. Ganhem juízo.
  2.  # 2

    Colocado por: DuarteMMuitos abandonam os seus lares no interior do país para vir para Lisboa trabalhar e agora estes meninos acham-se no direito de poder comparar casa acessível no meio de Lisboa porque não querem ir para a Amadora. Ganhem juízo.

    Pois eu no inicio dos anos 80 casei e fui viver para um T1 na Reboleira alugado por especial favor por uma pessoa conhecida pelo valor de 620€ actuais. quando comprei o 1º apartamento a taxa de juro era 20,5%.
    Continuo a viver na Amadora num bom T3 já pago e tenho alugado um T2 em Benfica por 650€.
    Por isso não me comove o discurso dos "coitadinhos".
    Concordam com este comentário: DuarteM
  3.  # 3

    Colocado por: Carvai
    Pois eu no inicio dos anos 80 casei e fui viver para um T1 na Reboleira alugado por especial favor por uma pessoa conhecida pelo valor de 620€ actuais. quando comprei o 1º apartamento a taxa de juro era 20,5%.
    Continuo a viver na Amadora num bom T3 já pago e tenho alugado um T2 em Benfica por 650€.
    Por isso não me comove o discurso dos "coitadinhos".
    Concordam com este comentário:DuarteM


    A minha história é parecida, mas eu saí da Amadora.
    Cada vez há mais malta que o que quer é ser sustentada. Preferem ganhar 500 á boa vida do que ganhar 1500 a trabalhar. Esta é a verdade. Agora querem o quê? Viver á custa de quem se esforçou uma vida? Nasci pobre, filho de gente da lavoura mas com braços e saúde, não saou mais nem melhor que ninguém.

    Mas acho graça grande parte dos alentejanos, trás-montanos e outros esquecidos que vieram para Lisboa, safar-se melhor em meia dúzia de anos que muitos nascisdos em Lisboa e arredores. O tatinho faz muita falta, e ter uns pais "á antiga" também.
  4.  # 4

    Pois eu moro na cidade (V. N. Gaia), e vou trabalhar todos os dias para Lousada, e se tivesse emprego garantido para mim e para a minha mulher pela zona onde o rio Douro tem uma margem espanhola fazia as malas já hoje e começava a trabalhar amanhã às 9:00 😎
  5.  # 5

    Colocado por: CarvaiPor isso não me comove o discurso dos "coitadinhos".
    Resta saber se os coitadinhos têm a possibilidade de ter uma média salarial, poder de compra, estabilidade e acesso a carreira que o Carvai teve. Quer-me parecer que não.

    Quanto aos juros da altura, a inflação galopante, com os aumentos salariais a acompanhar, provavelmente também lhe permitiram abater o empréstimo mais rapidamente.

    Dito isto, compreendo a evolução dos preços e estou de bem com a realidade. Para estar financeiramente confortável, todos os dias faço 3h de transportes públicos para trabalhar em Lisboa. O que me custa é que a minha geração ganha tendencialmente pior que as anteriores, tem trabalhos mais precários, tem menor poder de compra, mas tem uma conta muito maior para pagar.
    Concordam com este comentário: Name, desofiapedro
  6.  # 6

    Colocado por: Vítor Magalhãese se tivesse emprego garantido para mim e para a minha mulher pela zona onde o rio Douro tem uma margem espanhola fazia as malas já hoje e começava a trabalhar amanhã às 9:00
    E vão 2 :) Tendo em conta o marasmo que se avizinha por mais 4 anos.
  7.  # 7

    Colocado por: HAL_9000Resta saber se os coitadinhos têm a possibilidade de ter uma média salarial, poder de compra, estabilidade e acesso a carreira que o Carvai teve. Quer-me parecer que não.


    Acho que não tem conhecimento dos "coitadinhos" que exigem casas baratas em Lisboa. E mais, porque raio querem viver no meio de Lisboa? Comprem um passe como a esmagadora maioria que não consegue ter uma casa no meio de Lisboa como eu.

    "Coitadinhos" a exigir casa onde querem e lhes apatece? Ponham-se na fila.
  8.  # 8

    Colocado por: HAL_9000Resta saber se os coitadinhos têm a possibilidade de ter uma média salarial, poder de compra, estabilidade e acesso a carreira que o Carvai teve. Quer-me parecer que não.

    Pois não, aos 20 anos estava na tropa em Angola (fui voluntário) e não nas ruas cor-de-rosa do Cais do Sodré. E isso de carreira era só da Rodoviária que fui trabalhando em várias empresas no Algarve e em Lisboa até conseguir a tal estabilidade e poder de compra. Que não espatifei em BM's ou MB's mas em colégios privados para o meu filho. Que começou a trabalhar num call-center mas agora é sócio numa Empresa Informática.
  9.  # 9

    Colocado por: Carvai
    Pois não, aos 20 anos estava na tropa em Angola (fui voluntário) e não nas ruas cor-de-rosa do Cais do Sodré. E isso de carreira era só da Rodoviária que fui trabalhando em várias empresas no Algarve e em Lisboa até conseguir a tal estabilidade e poder de compra. Que não espatifei em BM's ou MB's mas em colégios privados para o meu filho. Que começou a trabalhar num call-center mas agora é sócio numa Empresa Informática.


    Homem não diga disparates, então não se vê logo que os que conseguiram alguma coisa foi por sorte, boas possibilidades e acessos?
    Só gostava de saber quais as magnificas possibilidades e acessos de quem nasceu numa casa os país eram basicamente escravos, judas zero e comida na mesa era o objectivo diário.
  10.  # 10

    Colocado por: CarvaiPois não, aos 20 anos estava na tropa em Angola (fui voluntário) e não nas ruas cor-de-rosa do Cais do Sodré.
    Ok, não estamos a falar dos mesmos coitadinhos. Apesar de tudo houve uma altura em que de facto quem se esforçava a tranalhar conseguia progredir e ter poder de compra. Isso hoje está destinado, a quem tem os conhecimentos certos, a quem trabalha em determinadas áreas estratégicas e a quem é de facto excecional. A maioria dos jovens trabalhadores trabalha para pagar contas do dia a dia, restando pouco para projetos familiares, ou projetos futuros e nada para espatifar em BMWs. Não me parece que a maioria dos jovens sejam esses coitados que fala que andaram em colégios privados e passam a vida no cais do sodré.



    Colocado por: DuarteMAcho que não tem conhecimento dos "coitadinhos" que exigem casas baratas em Lisboa. E mais, porque raio querem viver no meio de Lisboa? Comprem um passe como a esmagadora maioria que não consegue ter uma casa no meio de Lisboa como eu.
    Não tinha interpretado que era desses coitadinhos que estava a falar. Contudo o preço do imobiliário em Lisboa acaba por influenciar tudo o resto. É um facto que o preço do imobiliário está desfasado do nosso real poder de compra, e isso é mau para o país, e para a própria cidade de Lisboa a vários níveis. Por exemplo o facto de muitos jovens estarem a trabalhar a uma hora ou mais do local de trabalho, muitas vezes sem background familiar, leva a que adiem planos de vida, como ter filhos, agravando o inverno demográfico do país. Daqui a uns anos, não sei se haverá contribuintes suficientes para tantos beneficiários.

    Eu se tivesse rendimentos de vendas e aluguer de imóveis, também acharia que os preços assim estão ótimos :). Mas pelo menos concordamos que ninguém tem direito a nada por existir, e todos nós temos de lutar pelo que queremos.
    Concordam com este comentário: desofiapedro
  11.  # 11

    Colocado por: DuarteMSó gostava de saber quais as magnificas possibilidades
    Nenhumas além de um país que de facto crescia e onde o contribuinte não era tão estrangulado com impostos (que de facto é a única possibilidade real uma pessoa trabalhadora precisa). Agora vive num país, onde trabalha para não passar fome.

    Eu ao dizer isto, não pense que a minha origem é muito diferente da sua, e aos 30 e poucos anos, já investi muito dinheiro em 2 casas. O problema é que ainda devo mais de metade delas, e vivo num país que me fica com metade do ordenado, e me oferece muito mais impostos diariamente, que reais possibilidades de crescer profissionalmente.
    Concordam com este comentário: Vítor Magalhães, desofiapedro
  12.  # 12

    Colocado por: DuarteMAcho que não tem conhecimento dos "coitadinhos" que exigem casas baratas em Lisboa. E mais, porque raio querem viver no meio de Lisboa? Comprem um passe como a esmagadora maioria que não consegue ter uma casa no meio de Lisboa como eu.

    Os centros das cidades têm, naturalmente, mais procura e em consequência preços altos que não acessíveis ao cidadão de rendimentos médios, é assim em Lisboa, no Porto, em Madrid, Barcelona, Londres, Paris, etc., etc.

    Bizarra era a situação que havia nos anos 80 e 90, com centros históricos a cair de podre, ninguém a querer lá morar e preços muitas vezes abaixo de certas periferias.
  13.  # 13

    Colocado por: HAL_9000Por exemplo o facto de muitos jovens estarem a trabalhar a uma hora ou mais do local de trabalho,

    Grande desgraça demorar uma hora para ir trabalhar. Durante dezenas de anos levantava-me TODOS os dias ás 7H00 da manhã para entrar ás 9H00.E á tarde era o mesmo.
    E nos últimos anos o meu estatuto permitia-me entrar e sair á hora que quisesse mas sempre fiz questão de ser dos primeiros a entrar e dos últimos a sair.
    • ibyt
    • 1 fevereiro 2022

     # 14

    Considero a perda de tempo dessa magnitude uma tragédia. Imagine que um milhão de portugueses "perdem" 4 horas por dia em deslocações e que seria possível reduzir este valor para uma hora diária e conseguem aumentar o seu rendimento diário em 5 euros (1,67 euros por hora). Como existem mais de 220 dias úteis por ano, o PIB sobe mais de mil milhões.
    Concordam com este comentário: HAL_9000, desofiapedro
  14.  # 15

    Colocado por: CarvaiTODOS os dias ás 7H00 da manhã para entrar ás 9H00.E á tarde era o mesmo.
    E quem ia levar o filho à creche/colégio privado se a esposa fizesse os mesmos horários? Ou então ganhava suficientemente bem para o colocar no colégio privado junto ao trabalho. Ainda assim tinha sorte, eu levanto-me às 6:30h para estar no trabalho as 9. A noite saio às 19 para estar em casa as 21h, já viu a minha sorte. Conclusão, quero ter filhos, mas com ambos a fazer este horário, e sem dinheiro de sobra para colégios, é um projeto adiado vai para 3 anos já.

    Agora o Carvai está só a ser do contra e a jogar o jogo do “quem é o mais coitadinho” , e não vê que o estado das coisas, a continuar assim só pode dar ****. O Carvai por exemplo ainda tem a sua reforma a tempo e horas, provavelmente com um valor próximo do seu último ordenado. O seu filho terá (mesmo pagando provavelmente mais impostos, em % de ordenado, que o Carvai pagava).
    Concordam com este comentário: desofiapedro
  15.  # 16

    Colocado por: HAL_9000Agora o Carvai está só a ser do contra e a jogar o jogo do “quem é o mais coitadinho”

    Não, não sou nem nunca fui "coitadinho" mas fui um gajo com sorte. A minha mulher entrava ás 8H30 mas o meu filho entrava ás 8H00 no colégio. Á tarde tive um apoio inestimável dos meus sogros. Agora sou eu a apoiar os meus netos.
    A minha reforma ficou a 50% dos meus rendimentos ( além do salário tinha carro, combustíveis, seguros, etc ) e trabalho no estrangeiro em África. Mas não me queixo pois tenho poupanças para viver bem e ajudar os meus netos.
    Mas não "compro" a ideia que a atual geração está pior que a minha geração nos anos 70 ou 80.
  16.  # 17

    Colocado por: Carvai
    Não, não sou nem nunca fui "coitadinho" mas fui um gajo com sorte. A minha mulher entrava ás 8H30 mas o meu filho entrava ás 8H00 no colégio. Á tarde tive um apoio inestimável dos meus sogros. Agora sou eu a apoiar os meus netos.
    A minha reforma ficou a 50% dos meus rendimentos ( além do salário tinha carro, combustíveis, seguros, etc ) e trabalho no estrangeiro em África. Mas não me queixo pois tenho poupanças para viver bem e ajudar os meus netos.
    Mas não "compro" a ideia que a atual geração está pior que a minha geração nos anos 70 ou 80.
    E que a sua geração nos anos 90-2005?

    Mas é o normal, como eu acho que vocês estavam melhores, o Carvai acha que nos é que estamos bem. Cada geração terá as suas dificuldades. A dificuldade do pessoal de agora é ter dinheiro que chegue para comprar casa ou o pão. Mas alguns antes disso ainda compram uns iphones, por isso nem digo nada.
    Concordam com este comentário: desofiapedro
  17.  # 18

    https://observador.pt/2022/02/01/caixa-passa-a-cobrar-comissao-a-idosos-com-mais-de-5-mil-euros-na-conta/#comment-post-5114553-3319899

    Ora bem, metade do aumento da reforma dado pelo Magnífico Deus Sol António Costa aos velhinhos pobrezinhos, já vai voltar para o estado se eles por acaso conseguiram fazer um pequeno pé de meia para algum imprevisto, ou para 2-3meses num lar. Genial este Costa.
  18.  # 19

    https://expresso.pt/economia/gasolina-em-portugal-17-centimos-por-litro-mais-cara-do-que-media-da-uniao-europeia-no-quarto-trimestre/

    Sobe sobe balão sobe. Eu não sei quanto aos restantes foristas, mas a mim já começa a ser complicado a despesa em combustíveis, tendo em conta que faço cerca de 3000 km mensais.
  19.  # 20

    Colocado por: HAL_9000https://expresso.pt/economia/gasolina-em-portugal-17-centimos-por-litro-mais-cara-do-que-media-da-uniao-europeia-no-quarto-trimestre/

    Sobe sobe balão sobe. Eu não sei quanto aos restantes foristas, mas a mim já começa a ser complicado a despesa em combustíveis, tendo em conta que faço cerca de 3000 km mensais.


    Tem de se aguentar, pois para a maioria dos eleitores o preço do combústivel está baixo.
    Concordam com este comentário: JotaP
 
0.0533 seg. NEW