Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 121

    Colocado por: CMartinPor exemplo, no meu caso, sinto-me sempre em sintonia com o marco1, até que possamos discordar por vezes em soluções, percebo sempre o que ele pretende. Isto é muito importante entre profissionais, especialmente quando falamos em estéticas, porque é uma área tão subjectiva.
    Concordam com este comentário:nrodrigues55681


    assim à primeira vista para um leigo na matéria parece-me confuso alterar o sofá e a mesa de sitio, na minha cabeça nao parece lógico o sofá estar virado ao contário. mas isso sou eu que nao percebo nada disto :D acredito mais em designers e em arquitetos que na minha intuição :D
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 122

    Tudo se faz, acredite. Desde que com o sofá nessa outra disposição, faça com que a decoração e a disposição do mobiliário siga a mesma linguagem/sentido, nada é estranho :o) Tudo é possível e perfeitamente normal :o)
    Estas pessoas agradeceram este comentário: nrodrigues55681
  4.  # 123

    Colocado por: nrodrigues55681

    até gostava de saber como .... sendo você arquiteto se calhar tinha o seu trabalho em perigo.
    ;)

  5.  # 124

    Colocado por: joaosantos

    Que nao seja por isso...Vou mudar de nome...
    Concordam com este comentário:desofiapedro
    Estas pessoas agradeceram este comentário:desofiapedro

    LOLLLLL, também não é para tanto. Limitei-me a explicar que estava a citar o João errado
  6.  # 125

    Colocado por: O.Martins

    Uau!
    Concordam com este comentário:Joao Dias

    Eu antigamente também me espantava com o meu brilhantismo. Hoje em dia já me habituei LOL
  7.  # 126

    Colocado por: Joao Dias
    Eu antigamente também me espantava com o meu brilhantismo. Hoje em dia já me habituei LOL


    Bom sinal! Que perdure assim cheio dos twistes, daqueles que só vocês sabem!
    •  
      CMartin
    • 17 Janeiro 2020 editado

     # 127

    nrodrigues, vi esta estante no facebook (é da carpintaria (fabricante) portuguesa wewood) e lembrei-me do seu tópico.
    Imagine esta estante, desde o tecto até ao chão, à escala, ou então multiplicada na quantidade de prateleiras, a fazer o lugar de uma divisória. E com livros e uma ou outra peça decorativa.
    Até um elemento destes faz o efeito, não precisa de ser sempre as ripas.
    Claro que não estou a falar neste exemplo por preços, apenas para se ver que existem tantas maneiras - muito boas - de fazer uma divisória não óbvia.
      37873311_2208557085838707_8048089429266399232_o.jpg
      37847896_2208557075838708_1529846271135711232_n.jpg
      37854324_2208557192505363_5963045118167482368_o.jpg
      37960166_2208557202505362_5459815155988692992_o.jpg
  8.  # 128

    Colocado por: O.Martins

    Bom sinal! Que perdure assim cheio dos twistes, daqueles que só vocês sabem!

    Obrigado pelo carinho.
    Esperemos que sim.
    Um bem haja
    Estas pessoas agradeceram este comentário: O.Martins
  9.  # 129

    Colocado por: CMartin
    Claro que não estou a falar neste exemplo por preços, apenas para se ver que existem tantas maneiras - muito boas - de fazer uma divisória não óbvia.
      37873311_2208557085838707_8048089429266399232_o.jpg
      37847896_2208557075838708_1529846271135711232_n.jpg
      37854324_2208557192505363_5963045118167482368_o.jpg
      37960166_2208557202505362_5459815155988692992_o.jpg


    Esse "muito boas" é discutível.
    Há lá comparação entre um mono desses e um fasquiado ligeiro.

    Com isso na sala do NRodrigues quem teria de ser delgado era ele para se conseguir movimentar por ali.
    •  
      CMartin
    • 17 Janeiro 2020 editado

     # 130

    O.Martins. Desculpe a franqueza, mas o O.Martins não tem lá muita percepção estética ou artística em ambientes. Insiste nesta sua percepção "rígida".
    Quando damos um exemplo duma solução, uma imagem, não é para se "agarrar" tal e qual como está e usar. Tem que se trabalhar a ideia do exemplo dado para adaptarmos ao espaço em questão. A imagem é como que um primeiro esboço, que serve para semear ideias.
    Trabalha com arquitectos, deveria ter esta sensibilidade. Já não estou a entendê-lo. É preciso explicar-lhe tudo, que maçada.
  10.  # 131

    Colocado por: CMartin
    Trabalha com arquitectos, deveria ter esta sensibilidade. Já não estou a entendê-lo. É preciso explicar-lhe tudo, que maçada.


    Trabalho com arquitetos e com o resto da pandilha! :D isso não tem nada a ver.
    Não fosse o Benfas ter ganho hoje e ficaria ofendido ao dizer-me que não tenho percepção estética.

    Não apreciei essa estante de ripado quando visto como divisória para este exemplo.
    Entre a sala e as escadas? Não cabe.
    Entre o hall e a sala? Não cabe.
    Demasiado volume. E limpar o pó a uma brincadeira dessas?
    Em salões ou quartões pode resultar. Aqui neste exemplo não encontro "encaixe"
  11.  # 132

    O.Martins

    concordo com a C.Martin, muito rígido

    por exemplo se eu proponho madeira para uma parede, quantas e imaginárias maneiras de lá ter madeira consegue ver?
    a C.Martin apenas mostrou como algo assimétrico ( fora da linearidade de um ripado) até pode ser uma solução, se é uma questão de espessura, o mono como lhe chama pode ser menos espesso, enfim pensando fora da caixa até consigo imaginar para ali uma estrutura qualquer com reticulado aleatório que no fundo até vai fazer a funcionalidade de biombo mas com outra dimensão estética.
    olhe lembra-se aqui de uma casa no fórum que tinha uns volumes reticulados em betão pintados a branco?

    portanto trabalha com uma pandilha composta por arquitetos, e outros e qual é o seu papel no grupo, é empreiteiro ou o quê?
    Concordam com este comentário: CMartin
  12.  # 133

    Colocado por: nrodrigues55681Estou a tentar perceber o que se trata essa veneziana vertical mas já procurei no nosso amigo Google e não consigo perceber. Consegue me enviar uma imagem?

    Isto são paineis venezianas.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: O.Martins
      Imagem58.jpg
    •  
      CMartin
    • 18 Janeiro 2020 editado

     # 134

    Estas são soberbas. Vejam bem o efeito !
    Concordam com este comentário: joaosantos
    Estas pessoas agradeceram este comentário: desofiapedro
      3f89c35750cdf64416a8d2af0c0122bf.jpg
      MUXARABI 6.jpg
    •  
      CMartin
    • 18 Janeiro 2020 editado

     # 135

    Realmente há coisas ! Havendo imaginação !
    Concordam com este comentário: joaosantos
      imagem-2718.jpg
  13. Ícone informação Anunciar aqui?

  14.  # 136

    Colocado por: marco1

    portanto trabalha com uma pandilha composta por arquitetos, e outros e qual é o seu papel no grupo, é empreiteiro ou o quê?


    Sou o servente.
    Todos servimos para alguma coisa.
    O meu papel no grupo não é nenhum pq eu não pertenço a grupos.
  15.  # 137

    Colocado por: CMartin
    Isto são paineis venezianas.
      Imagem58.jpg


    Gosto bastante. Um pouco oriental. Mas gosto.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: CMartin
  16.  # 138

    O.Martins

    Grupo= intervenientes no processo disto da construção.
    portanto é o servente, ok , há deles muito bons e outros que era preciso estar ao lado permanentemente quase que a fazer o trabalho por eles,
    e não é por isso que os abomino, isto não há santos.

    boas pesquisas CMartin, sim senhora
    Estas pessoas agradeceram este comentário: CMartin
  17.  # 139

    Em Braga. Em termos de estabilidade e durabilidade se calhar uma viga metalica por exemplo em alumínio seria mais apropriado?

    Por acaso tenho a noção que depois de lacado tanto faz ser madeira ou metal mas na realidade não sei se é bem assim visto o metal ser mais condutor térmico.


    Bom dia NRodrigues e todos,

    Você está mesmo ao lado do viveiro das madeiras em PT e numa boa zona de carpintarias que lhe podem executar os projetos mais arrojados. Aliás a sofistificação do seu projeto, requer já alguma sensibilidade em marcenaria, digo eu...
    Ontem ia em viagem e de repente veio-me à ideia uma madeira com que fiz umas brincadeiras aqui há uns anos e que me apaixona.
    Tem caracteristicas impares para as suas ripas. Chama-se CRYPTOMÉRIA da familia dos cedros.
    Antigamente era exclusivamente importada porque é "japónica", mas atualmente é muito produzida nos Açores, sendo já uma espécie endógena. É uma madeira em que encontra facilmente os comprimentos que necessita, muito leve (quase ao nível da balsa), muito fácil de trabalhar e com um comportamento ímpar a influências climatéricas (calor/humidade). É qb resistente embora não para suportar grandes pesos, mas para os seus interiores e preocupações, dá perfeitamente.
    Aqui há uns anos (no final do século passado) fiz neste material umas ripas (ailettes) salvo erro de 3 cm x 11 cm x 260 cm com um perfil semelhante a asa de avião "()" e que visavam fazer o acompanhamento gradual do vão de uma escadaria em pedra. Na parte junto ao teto encaixavam em suportes de uma calha motorizada. Infelizmente não possuo fotos ou documentação que lhe possa postar, mas ficou a funcionar como uma espécie de brisa solar vertical (coisa de que na altura não se ouvia ainda falar).
    Ficou uma coisa gira pois tanto fechava totalmente o vão como na posição aberta dava quase a impressão de não existir a separação e podia-se perfeitamente vêr a escadaria em freixo que era esteticamente muito apelativa. Conseguiu-se aquele efeito UAUU!!!
    NB: Como é uma madeira beje pálido, pode ficar à vista e ajustada à cor do chão de que já se falou, ou pode também ser lacada, etc, etc..

    Enfim. É apenas mais uma ideia idiota...:)

    Se tiver tempo e oportunidade, passe por uma serração e peça uma amostra da madeira. Já fica a vêr o que é.
    Concordam com este comentário: desofiapedro
    Estas pessoas agradeceram este comentário: CMartin, O.Martins
    •  
      CMartin
    • 18 Janeiro 2020 editado

     # 140

    Colocado por: KduvidasBom dia NRodrigues e todos,

    Você está mesmo ao lado do viveiro das madeiras em PT e numa boa zona de carpintarias que lhe podem executar os projetos mais arrojados. Aliás a sofistificação do seu projeto, requer já alguma sensibilidade em marcenaria, digo eu...
    Ontem ia em viagem e de repente veio-me à ideia uma madeira com que fiz umas brincadeiras aqui há uns anos e que me apaixona.
    Tem caracteristicas impares para as suas ripas. Chama-se CRYPTOMÉRIA da familia dos cedros.
    Antigamente era exclusivamente importada porque é "japónica", mas atualmente é muito produzida nos Açores, sendo já uma espécie endógena. É uma madeira em que encontra facilmente os comprimentos que necessita, muito leve (quase ao nível da balsa), muito fácil de trabalhar e com um comportamento ímpar a influências climatéricas (calor/humidade). É qb resistente embora não para suportar grandes pesos, mas para os seus interiores e preocupações, dá perfeitamente.
    Aqui há uns anos (no final do século passado) fiz neste material umas ripas (ailettes) salvo erro de 3 cm x 11 cm x 260 cm com um perfil semelhante a asa de avião "()" e que visavam fazer o acompanhamento gradual do vão de uma escadaria em pedra. Na parte junto ao teto encaixavam em suportes de uma calha motorizada. Infelizmente não possuo fotos ou documentação que lhe possa postar, mas ficou a funcionar como uma espécie debrisa solarvertical (coisa de que na altura não se ouvia ainda falar).
    Ficou uma coisa gira pois tanto fechava totalmente o vão como na posição aberta dava quase a impressão de não existir a separação e podia-se perfeitamente vêr a escadaria em freixo que era esteticamente muito apelativa. Conseguiu-se aquele efeito UAUU!!!
    NB: Como é uma madeira beje pálido, pode ficar à vista e ajustada à cor do chão de que já se falou, ou pode também ser lacada, etc, etc..

    Enfim. É apenas mais uma ideia idiota...:)

    Se tiver tempo e oportunidade, passe por uma serração e peça uma amostra da madeira. Já fica a vêr o que é.

    Bom dia Kduvidas,
    Soa muito bem o exemplo concreto que deu, deve ter ficado realmente bonito. Aqui temos um desafio, que é, considerando os 3200€ do orçamento das ripas no formato actual (as plantas e 3D que o nrodrigues pos...) o que se poderia fazer em termos de solução mas para baixar o valor ? Sem perder o factor uau.
    A mim pessoalmente, torna-se de facto um desafio, porque, para se fazer algo deste género, pelo menos numa casa/ambiente que nos é transmitido pelo nrodigues e os seus 3D,lá está, é com factor "uau", como descreve. Se tiramos o factor "uau", perde a essencia e mais vale não colocar nada, que, não colocando nada, consegue maior sofisticação do que colocar algo corriqueiro. O que acha ? O plafond aqui é desafio - considerando o que poderia fazer se ele não existisse.
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">