Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 1

    Ás vésperas de um novo confinamento semelhante ao de Março, o governo notoriamente não quer encerrar as escolas.
    Percebe-se essa atitude, visto que tal tem um impacto muito grande na economia e na sociedade.
    Pessoalmente prefiro que continuem abertas, no entanto penso que são uma grande fonte de contágio.
    Penso que não faz sentido um novo confinamento sem encerrar as escolas, pois o que irá acontecer daqui a 15 dias é que se chegará á conclusão que os níveis de contágios continuam elevados e nessa altura as escolas serão encerradas, trazendo dessa forma prejuízos ainda maiores.
    Mas esta é a minha opinião.
    O que pensam?
    Encerramento das escolas.
    Sim ou não?
  2.  # 2

    Na minha opinião deviam ter adiado o início deste período uma semana pelo menos. Famílias que cumpriram agora estão com a vida suspensa novamente.
    Concordam com este comentário: mmarinho, lmcaet, RUIOLI, coelhinho78, SS1128
  3.  # 3

    Encerramento sim, mas só do ensino secundário e cursos profissionais.
    Nestas idades já têm autonomia suficiente para estarem em casa sozinhos e acompanharem as aulas online.
    Concordam com este comentário: Ana_Dado, luisms
  4.  # 4

    Colocado por: mmarinhono entanto penso que são uma grande fonte de contágio.


    e qual é o problema de apanhar o virus? Quanto mais depressa apanharmos o vírus e atingirmos a imunidade de grupo, mais depressa regressamos à normalidade. Protejam os idosos nos lares e as pessoas dos grupos de risco, porque quanto aos outros a probabilidade de acontecer alguma coisa é estupidamente baixa.

    e sim... neste momento estou em casa positivo, tive uns arrepios de frio e alguma congestão nasal. Já tive gripes piores.
    Concordam com este comentário: Belhinho, Nortenho, pauuula
  5.  # 5

    Colocado por: mmarinhopenso que são uma grande fonte de contágio.

    Em que é que se baseia para dizer isto? Tem dados que não conhecemos ?
  6.  # 6


    e qual é o problema de apanhar o virus? Quanto mais depressa apanharmos o vírus e atingirmos a imunidade de grupo, mais depressa regressamos à normalidade. Protejam os idosos nos lares e as pessoas dos grupos de risco, porque quanto aos outros a probabilidade de acontecer alguma coisa é estupidamente baixa.

    e sim... neste momento estou em casa positivo, tive uns arrepios de frio e alguma congestão nasal. Já tive gripes piores.


    Acho que o problema é não se saber.

    Hoje na reunião do Infarmed partilharam dados sobre um inquérito que fizeram a (se a memória não me trai) 1200 pessoas que estiveram infectadas (em Março/Abril/Maio) e como estavam 6/9 meses depois e 60% diziam que ainda mantinham pelo menos 1 sintoma de quando estavam doentes. Depois creio que eram 20% de pessoas que mantinham cefaleias, alterações ao olfacto e paladar e mais umas categorias que não me recordo... o resumo da conversa era que a covid estava a mostrar-se como uma doença "crónica" no pós infectado.

    Há os relatos das pessoas que várias semanas/meses depois que se dizem constantemente cansadas com esforço mínimo. Eu pessoalmente tenho um amigo (36 anos, saudável, sem algo conhecido que pudesse prever a coisa) que foi internado durante 3 semanas (quase que foi aos cuidados intensivos, não foi bonito) a oxigénio.

    Claramente há pessoas a que parece que não acontece nada (espero que seja o seu caso agora e no futuro), mas há outras que ainda não se sabe e ficam com marcas... é uma doença nova, estranha, ainda sabemos pouco e isso torna as decisões tão complicadas (e vê-se nos outros países que a coisa também não corre de forma fantástica)
  7.  # 7


    Pessoalmente prefiro que continuem abertas, no entanto penso que são uma grande fonte de contágio.

    Esta parte acho que nem os especialistas sabem bem... no outro dia alguém do instituto Ricardo Jorge a defender que as escolas eram um problema... hoje na parte que vi na reunião do Infarmed mostravam um estudo que foi feito e que dizia que o problema não eram as infecções nas escolas e que as crianças já chegam é infectadas à escola.
    Na presença de informações contraditórias... é dificil decidir bem. Intuitivamente eu diria que as escolas seriam um problema, mas a intuição muitas vezes não funciona e a ciência mostra o contrário... é complicado.
  8.  # 8

    Ouçam o que disse Dr João Ferreira do Hospital S. João ontem ou anteontem na SIC.
    • lmcaet
    • 12 Janeiro 2021 editado

     # 9

    Colocado por: JOCOR
    Em que é que se baseia para dizer isto? Tem dados que não conhecemos ?


    Artigo:
    "SE ESCOLAS FECHAREM, MAIS SE REDUZ A TRANSISSÃO

    Uma certeza: se nada for feito relativamente às escolas, “mantendo-se o valor do R [que determina a transmissibilidade do vírus], o número de hospitalizações e de casos vai aumentar de forma exponencial”, explicou Baltazar Nunes na reunião do Infarmed, a partir de uma modelação que foi realizada pela Faculdade de Ciências da Universidade Nova de Lisboa e pela Universidade de Trás-os-Montes.

    Os investigadores ponderaram três cenários: as escolas manterem-se abertas com um nível de contactos igual ao período pré-pandemia; outro em que se impõem o ensino a distância a partir dos 15 anos; e o último, em que todas as escolas são fechadas e se reduzem “todos os contactos associados às escolas”.

    Segundo Baltazar Nunes, “se implementarmos medidas por um período de duas semanas, aparentemente passado esse período, o R volta a apróximar-se de 1 em todos os cenários — exceto no fecho das escolas, que tem maior efeito prolongado no tempo. Se for por um mês, há uma redução mais generalizada em todos os cenários”, explicou o especialista. Ainda que, disse, “é claro que, quanto maior for o confinamento maior, será a redução da transmissão.”

    E se se fechar a transmissão noutros locais, mantendo as escolas abertas, “observa-se o valor do R abaixo de 1, mas não é tão pronunciada como se estas fecharem.”

    A conclusão do especialista da Escola Nacional de Saúde Pública foi apresentada na reunião que junta peritos e responsáveis políticos nacionais (incluindo os candidatos presidenciais) numa reunião no Infarmed na manhã desta terça-feira, 12 de janeiro."
    Concordam com este comentário: RUIOLI
  9.  # 10

    Sou da opinião de que se seguirmos o confinamento faz sentido encerrar as escolas mas defendo que em vez das aulas online que os miúdos vão agora de férias e que se compense na Páscoa e no verão as aulas que estão agora a perder.

    O que não pode acontecer é a palhaçada que aconteceu no ano passado em que os miúdos passaram de ano com pouco mais de metade da matéria aprendida.
  10.  # 11

    Colocado por: pauloagsantose qual é o problema de apanhar o virus? Quanto mais depressa apanharmos o vírus e atingirmos a imunidade de grupo, mais depressa regressamos à normalidad

    Pelo comentário deduzo que teve a felicidade de não ter visto alguem passar pelo sofrimento dos sintomas graves do COVID
  11.  # 12

    A fechar as escolas é já, e conter este virus para que ainda este período letivo possamos todos voltar á atividade "normal"... não é esperar que isto agrave e fecha-se tudo em finais de anos letivos
  12.  # 13

    É fechar tudo, e meter toda a gente dentro de uma bolha, ou em criopreservação até que o vírus desapareça. Fechar também os hospitais, que os auxiliares, técnicos, enfermeiros e médicos também tem que se proteger das infecções.
    Fazemos um RESET a tudo.
    Concordam com este comentário: cesarl, Nortenho
  13.  # 14

    O problema de confinar tudo, é que ha uns portugueses mais iguais que outros e nem todos vão sentir na pele os mesmos efeitos recessivos: alguns nada vão sentir, outros vão ser atirados para a miséria, apesar do que diz o artigo 13 da nossa constituição.
    A não ser que o estado esteja preparado para imputar a todos os portugueses as consequências económicas deste confinamento, não posso concordar com um confinamento total incluindo as escolas.
    Por outro lado os miúdos mais pobres, sem condições em casa, sem computador, sem internet, como ficam perante um segundo confinamento? De certeza que ficarão irremediavelmente atrasados face aos seus pares.

    Concordo sim com o confinamento obrigatório de todas as pessoas consideradas de risco.
    Concordam com este comentário: desofiapedro, Nortenho
  14.  # 15

    Proteger os grupos de risco! Com tantas (supostas) medidas, como é que continuam a existir tantos focos de infecção nos lares.
    Concordam com este comentário: PedroC93, cesarl
  15.  # 16

    Colocado por: HAL_9000O problema de confinar tudo, é que ha uns portugueses mais iguais que outros e nem todos vão sentir na pele os mesmos efeitos recessivos: alguns nada vão sentir, outros vão ser atirados para a miséria, apesar do que diz o artigo 13 da nossa constituição.
    A não ser que o estado esteja preparado para imputar a todos os portugueses as consequências económicas deste confinamento, não posso concordar com um confinamento total incluindo as escolas.
    Por outro lado os miúdos mais pobres, sem condições em casa, sem computador, sem internet, como ficam perante um segundo confinamento? De certeza que ficarão irremediavelmente atrasados face aos seus pares.

    Concordo sim com o confinamento obrigatório de todas as pessoas consideradas de risco.
    Concordam com este comentário:desofiapedro


    Nem mais HAL, é aquela tipica resposta ao "estamos todos no mesmo barco": "não, não estamos. Uns estão num bote de borracha, outros numa jangada, outros num catamarã, outros num iate de luxo"... enfim :(
    Concordam com este comentário: HAL_9000, Nortenho
  16.  # 17

    Respondendo ao título do tópico eu diria não ao encerramento das escolas. Façamos esforços maiores por proteger os mais frágeis, mas deixem os miúdos ir à escola... Pra muitos é o único escape. Não se esqueçam que, e pode soar cliché, os miudos são o futuro, e esta pandemia já vai ter efeitos nefastos suficientes pra eles resolverem mais tarde.
  17.  # 18

    Se em Março fui a favor do encerramento das escolas, até retirei o meu uns dias antes do encerramento, agora sou contra.

    Se o problema é o risco de contágio das crianças a familiares a montante, tem de se isolar as crianças/adultos desses familiares de risco. As crianças tanto transmitem o covid como outras gripes/doenças.

    Em 10 meses a nossa sociedade pouco aprendeu ou se preparou, é incrível, desde a população ao governo.

    O ministério da educação é uma palhaçada, pq é que as aulas n voltaram em meados de Maio? Podiam perfeitamente ter decorrido desde meados de Maio a fins de Junho, porque é que não se iniciaram no início de Setembro, prevendo-se já uma paragem maior no inverno?

    Queremos reduzir o número de contágios, para que os hospitais tenham a chance de atender a todos, ok concorde-se. Mas o que foi feito pelo ministério da saúde para aumentar a capacidade desses hospitais? O número de camas em intensivos? Acordos com os privados? Formação de profissionais?

    Fechar tudo às 13h e a malta ter de se amontoar nas filas? Qual o sentido disto!?
    Onde está a fiscalização ao cumprimento da distância de segurança e número de pessoas em alguns espaços?
    Concordam com este comentário: Vítor Magalhães, desofiapedro, Bricoleiro, Ruipsm, eu
    • lmcaet
    • 12 Janeiro 2021 editado

     # 19

    • RUIOLI
    • 12 Janeiro 2021 editado

     # 20

    Na prática (e já passei por isto em novembro e dezembro) as escolas ficam abertas, um infetado na turma todos para casa duas semanas, regressam e no segundo dia já há um novo infetado (provavelmente fora da escola) e vai tudo de novo para casa... no regresso seguinte o mesmo. Resultado, em mês e meio a minha filha foi à escola 4 dias, se é para isto, prefiro que fechem, até porque as indicações do delegado de saúde foi para enquanto não chegassem os resultados dos testes, os pais e irmão também "deviam" de estar em isolamento...

    Onde andam os testes rápidos para a comunidade escolar?

    Parece que se quer vencer uma guerra sem estratégia, sem armas, só a recuar...
    Concordam com este comentário: jfsmoreira