Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 21

    Já tinha ido a dois bancos : BPI e BCP. Tanto um como outro não estavam muitos interessados, o BCP então só faltou mandar pela porta fora. Quanto ao BPI começaram com um spread de 3,3% e aí torci o nariz.

    Esta foi a primeira proposta que me pareceu razoável e irei continuar a procurar.

    Colocado por: bmxere enquanto o imóvel não for avaliado é tudo meramente especulativo...


    Vou ter isso em mente :).

    Obrigado.
  2. Ícone informação Anunciar aqui?

  3.  # 22

    Parece me um bom negocio. Assim como o spread, agora os pagamentos á cabeça é que estragam tudo é uma forma do banco sacar logo umas massas!
    Já agora quando diz que a patir do quinto ano já não tem de pagar pelo seguro de desemprego, mas continua a estar coberto pelo seguro?
    Estas pessoas agradeceram este comentário: perjac
  4.  # 23

    Colocado por: Cfinanceiroagora os pagamentos á cabeça é que estragam tudo é uma forma do banco sacar logo umas massas!


    Pois é o que me parece, e custa um pouco o pagamento assim à cabeça apesar de ter a possibilidade.

    Colocado por: CfinanceiroJá agora quando diz que a patir do quinto ano já não tem de pagar pelo seguro de desemprego, mas continua a estar coberto pelo seguro?


    Pelo o que me explicaram, deixo de estar coberto pelo seguro. É um ponto que ainda estou a tentar tornar mais claro.

    Obrigado :)

  5.  # 24

    Só mais umas coisas não perca tempo a ir à Caixa Geral a menos que esteja disposto a pagar um spread mínimo de 4% o Barclays acabou de subir o spread mínimo de 2.15% para 2.30% mas ainda tem uma campanha qualquer em vigor convém que se apresse.
    E os seguros de desemprego só cobrem os primeiros 5 anos que são os de maior risco eu pessoalmente acho que é uma boa aposta pois com o cross-selling, o que baixa no spread sai mais barato no final e é mais uma segurança que tem, só que tem de bater logo a nota.
  6.  # 25

    É campanha de 4,25% de taxa fixa nos primeiros 2 anos.
    Eu não concordo com o produto a 5 anos, deveria ser de renovação anual. Quando daqui a 2 ou 3 anos quiser transferir o crédito esse já lá está não lhe é devolvido! ;-)
  7.  # 26

    Umas perguntas para esclarecimento....

    Num pedido de empréstimo para compra de habitação em que é exigido fiadores, estes poderão estar reformados e com mais de 60 anos?
    E não deverão ter de fazer também exames médicos?
  8.  # 27

    Depende, se for só para "confortar" a operação e se forem familiares directos é suficiente senão depende do valor das reformas.
    Concordam com este comentário: SofiaPaula
  9.  # 28

    Colocado por: CfinanceiroEu não concordo com o produto a 5 anos, deveria ser de renovação anual. Quando daqui a 2 ou 3 anos quiser transferir o crédito esse já lá está não lhe é devolvido! ;-)


    Bem visto ainda não tinha pensado nesse aspecto.
  10.  # 29

    São familiares directos (pai e mãe).

    Então, imaginemos que os pais tem problemas graves de saúde.... o banco não quer saber?
    Que garantias terá o banco se os fiadores, probabilisticamente, não durarem o período de vida do crédito?
    E para que quer o banco saber o dinheiro que os fiadores tem?
    Para facilitar o crédito? Ou para que estes paguem o crédito em caso de incumprimento?

    Pensava que ser fiador era uma garantia para os bancos, assim não estou a perceber....
    • DCP
    • 30 Setembro 2011

     # 30

    Muito boa tarde,

    Também me encontro na demanda de tentar conseguir um crédito à habitação e confesso que nos tempos que correm, o desgaste que tem causado é já bastante... assim venho aqui ao fórum na tentativa de conseguir algum apoio de pessoas mais entendidas que eu na matéria :-)

    Pretendo adquirir um imóvel que custa 125.000, e que pressuponho que seja avaliado em 140.000 (o prédio é de 2008 e nessa altura iguais foram avaliados por cerca de 150.000).
    Pretendo pedir de empréstimo 100.000, dando o restante de entrada. O entrave tem estado no facto de nem eu, nem o meu namorado sermos efectivos onde trabalhamos (embora tenhamos um rendimento razoável); temos fiadores mas não são de família pois não temos pais, e os fiadores não têm situação muito superior à nossa...
    Assim, temos visto logo à partida entraves em dar entrada com o processo, dizem-nos que é imaturo e tudo mais, só que o problema está que ambos dificilmente ficaremos efectivos em menos de 3 anos e esta história dos empréstimos está cada vez pior... não vemos outra hipótese senão arriscar já.

    Então depois de várias tentativas, submetemos sem muita esperança o processo na Galicia, e temos como hipótese de recurso o BPI. Contudo, este último tem condições muito menos benéficas que o 1º, apresenta-nos um spread de 2,9%, com subscrição de montanhas de produtos, e com prestação mais acessível apenas por serem mistas. Já a Galicia apresenta-nos um spread de 1,65%!

    As minhas questões são:
    - A história das prestações mistas beneficia ou acaba por "sair mais caro", porque vai aumentando durante 10 anos uma percentagem?
    - Acham impossível nas nossas condições que algum banco aprove o nosso processo?
    - A Galicia será um banco fiável? Apresentam boas condições mas os custos de abertura do processo também não são nada meigos...

    Obrigada a quem ler o "testamento" e tiver a disponibilidade de nos dar uma luzinha.

    Cumpts,
    DCP.
  11.  # 31

    Colocado por: mafgodSão familiares directos (pai e mãe).

    Então, imaginemos que os pais tem problemas graves de saúde.... o banco não quer saber?
    Que garantias terá o banco se os fiadores, probabilisticamente, não durarem o período de vida do crédito?
    E para que quer o banco saber o dinheiro que os fiadores tem?
    Para facilitar o crédito? Ou para que estes paguem o crédito em caso de incumprimento?

    Pensava que ser fiador era uma garantia para os bancos, assim não estou a perceber....


    Olá,
    É como o Cfinanceiro disse, o interesse do banco nos fiadores está relacionado com o grau de risco do empréstimo. À partida, se não se armarem em esquisitos, poderão perfeitamente aceitar fiadores com mais de 60 anos e reformados, principalmente se forem os pais. Claro que vão olhar para o grau de estabilidade financeira dos proponentes e logo deduzem se os fiadores são ou não um factor muito importante na equação...
    O banco não pode nunca ter qualquer garantia no que diz respeito à esperança de vida de um fiador. Se falecer deixa de haver fiador. Estarei errada...?
    O banco quer sempre ter uma ideia do historial financeiro de qualquer proponente ou fiador, é suposto o fiador ter capacidade financeira para suportar as mensalidades em caso de incumprimento por parte dos proponentes.
    Os fiadores servem para facilitar o crédito precisamente porque, em caso de incumprimento, têm mais alguém a quem responsabilizar.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: mafgod
  12.  # 32

    Colocado por: DCP

    As minhas questões são:
    - A história das prestações mistas beneficia ou acaba por "sair mais caro", porque vai aumentando durante 10 anos uma percentagem?
    - Acham impossível nas nossas condições que algum banco aprove o nosso processo?
    - A Galicia será um banco fiável? Apresentam boas condições mas os custos de abertura do processo também não são nada meigos...


    Olá DCP,

    A meu ver as prestações mistas, como qualquer outro produto do mesmo tipo, são de evitar, pois encarecem o empréstimo... No entanto permitem uma prestação mais baixa nos primeiros anos, amortizando sempre algum (pouco) capital. Convém estar atento.
    Eu diria que nada é impossível =0)
    Pelo que tenho lido por aqui, a Caixa Galicia não é um mau banco mas é lento nos processos de crédito habitação.

    Boa sorte!
  13.  # 33

    Mafgod

    Claro que é uma garantia! Mas a questão a afectividade também é bastante importante! Quem é que acha que tenta fugir mais rápido com o "rabo á seringa" na hora de ter de pagar o crédito caso vocês não possam, familiares directos ou simples conhecidos?
    Em algumas situações os bancos pedem também seguro vida para os fiadores.
  14.  # 34

    Colocado por: DCPMuito boa tarde,

    Também me encontro na demanda de tentar conseguir um crédito à habitação e confesso que nos tempos que correm, o desgaste que tem causado é já bastante... assim venho aqui ao fórum na tentativa de conseguir algum apoio de pessoas mais entendidas que eu na matéria :-)

    Pretendo adquirir um imóvel que custa 125.000, e que pressuponho que seja avaliado em 140.000 (o prédio é de 2008 e nessa altura iguais foram avaliados por cerca de 150.000).
    Pretendo pedir de empréstimo 100.000, dando o restante de entrada. O entrave tem estado no facto de nem eu, nem o meu namorado sermos efectivos onde trabalhamos (embora tenhamos um rendimento razoável); temos fiadores mas não são de família pois não temos pais, e os fiadores não têm situação muito superior à nossa...
    Assim, temos visto logo à partida entraves em dar entrada com o processo, dizem-nos que é imaturo e tudo mais, só que o problema está que ambos dificilmente ficaremos efectivos em menos de 3 anos e esta história dos empréstimos está cada vez pior... não vemos outra hipótese senão arriscar já.

    Então depois de várias tentativas, submetemos sem muita esperança o processo na Galicia, e temos como hipótese de recurso o BPI. Contudo, este último tem condições muito menos benéficas que o 1º, apresenta-nos um spread de 2,9%, com subscrição de montanhas de produtos, e com prestação mais acessível apenas por serem mistas. Já a Galicia apresenta-nos um spread de 1,65%!

    As minhas questões são:
    - A história das prestações mistas beneficia ou acaba por "sair mais caro", porque vai aumentando durante 10 anos uma percentagem?
    - Acham impossível nas nossas condições que algum banco aprove o nosso processo?
    - A Galicia será um banco fiável? Apresentam boas condições mas os custos de abertura do processo também não são nada meigos...

    Obrigada a quem ler o "testamento" e tiver a disponibilidade de nos dar uma luzinha.

    Cumpts,
    DCP.


    Não sendo efectivos dificilmente passa na CG e na maioria dos bancos, depois também depende de como se defende o processo! As prestações mista como é obvio sai mais caro mas em comparação a outros produtos parecidos acaba por ter a vantagem de ir amortizando qualquer coisa.
  15.  # 35

    Colocado por: CfinanceiroEm algumas situações os bancos pedem também seguro vida para os fiadores.
    Pois o estranho é, aparentemente, não terem pedidos exames médicos aos fiadores.... e, tendo em conta a idade destes, não venho nenhuma mais valia para o banco em os ter como fiadores a médio/longo prazo....
  16. Ícone informação Anunciar aqui?

  17.  # 36

    Colocado por: mafgodPois o estranho é, aparentemente, não terem pedidos exames médicos aos fiadores.... e, tendo em conta a idade destes, não venho nenhuma mais valia para o banco em os ter como fiadores a médio/longo prazo....


    Não é estranho, normalmente só o fazem quando lhes exigem seguro vida.
  18.  # 37

    Colocado por: CfinanceiroAinda há instituições que pagam as despesas de transferência ao cliente! Mas nesta altura compensa lhe mudar?


    A transferência seria para o Cofre de Previdência... pelo que sei eles estão a demorar até 4 meses a aprovar créditos... por isso talvez avance com um banco e depois vá tentando a transferência da hipoteca... se custar 1000€ é algo que recuperaria em 2 anos dada a diferença das taxas aplicadas.
  19.  # 38

    Colocado por: SofiaPaula

    Pelo que tenho lido por aqui, a Caixa Galicia não é um mau banco mas é lento nos processos de crédito habitação.



    Atenção que o spread da Caixa Galicia é um chamariz... spread baixo, mas depois obrigam a seguro de crédito e a um seguro de vida que na simulação que fiz a 25 anos ficava em 20000€!!!... A TAE e a TAER ficam ao nível de bancos que praticam spreads 1% acima mas que têm pacotes de seguro mais baratos...

    Uma dúvida que tenho relativamente à Caixa Galicia é se eles não terão aquelas clausulas fantásticas que lhes permitem alterar o spread como entenderem... justificando-se com a crise e tal...

    Abraço

    Ambpaulo
    Concordam com este comentário: bino_
  20.  # 39

    Colocado por: ambpaulo

    Uma dúvida que tenho relativamente à Caixa Galicia é se eles não terão aquelas clausulas fantásticas que lhes permitem alterar o spread como entenderem... justificando-se com a crise e tal...


    Olá Ambpaulo,

    Sim, infelizmente parece que introduziram a dita cláusula. Pelo menos li testemunhos disso aqui no fórum, senão me engano em Junho... Na primeira parte deste tópico.
  21.  # 40

    Colocado por: ambpauloAtenção que o spread da Caixa Galicia é um chamariz... spread baixo, mas depois obrigam a seguro de crédito e a um seguro de vida que na simulação que fiz a 25 anos ficava em 20000€!!!... A TAE e a TAER ficam ao nível de bancos que praticam spreads 1% acima mas que têm pacotes de seguro mais baratos...


    E Entre pagar o mesmo e estar melhor coberto e usufruir de outras garantias que podem lhe deixar dormir mais descansado ou pagar e e receber zero em troca o que é que prefere?? Eu por acaso só não optei pela caixa galicia por não existir um balcão em 200kms, quanto à clausula não sei, sei que o barclays não tem.
data-ad-format="auto" data_ad_region="test">