Iniciar sessão ou registar-se
  1.  # 41

    Colocado por: AMVPComo e que a taxa de juro nao pode subir? Vamos pagar o diferencial através do oe?
    Ninguém parece ter reparado, nem sei se na pratica é relevante, mas quem o fizer vai passar a contar da lista de incumpridores Junto do BdP,segundo a noticia do link acima.


    Enquanto houver “bazuca”. Claro que vamos pagar..


    Quando o governo não “sabe gerir” como é que podemos esperar que as pessoas o saibam fazer com os ordenados?
  2.  # 42

    Colocado por: HAL_9000Controlar o custo e o consumo da energia. Regular margens, fiscalizar especulação de preços


    Resultou bem na Venezuela.
  3.  # 43

    Colocado por: ferreiraj125Resultou bem na Venezuela.
    já li a ladainha da Venezuela umas 5 ou 6 vezes hoje. Se for ver a miséria que as subidas de juros originaram ao longo da história vai ver que também tem exemplos engraçados.

    O Brasil já começou a subir os juros em Março de 2021 e ainda no mês passado li que por lá um ovo da para 3 almoços das crianças na escola. É uma pujança económica invejável.

    A especulação de preços devia ser crime e portanto devia ser controlada.
  4.  # 44

    Colocado por: QuilleuteJá estou como o user @HAL_9000, não sou economista mas até eu não compreendo como :
    Quando os governos europeus (mundiais ?) estão a tentar evitar uma recessão / contração económica com apoios ( apesar de parcos ), a solução de aumentar juros pelo BCE não é um completo contra-senso, pois a única coisa que atingirá é a dita contração do financiamento/ economias.

    Não faz qualquer sentido … venha um economista explicar-me plix .


    Durante a ultima decada o dinheiro esteve extremamente barato (baixos juros), o que levou a mais entidades pedirem dinheiro emprestado. Quando um banco empresta dinheiro, parte desse dinheiro é criado a partir do nada. Ou seja, efetivamente é "impresso" dinheiro quando se contrai divida. E juros baixos levam a haver mais divida.

    Entretanto houve uma pandemia e uma guerra, que levou a uma escassez de certos bens.

    Se duas pessoas quiserem comprar uma determinada casa, como é que se desempata? Simples, vende-se àquele que paga mais.

    Esta competição por bens faz subir o preço e quanto mais dinheiro estes compradores tiverem para pagar, mais o preço sobe.

    Ora, tendo em conta a quantidade de dinheiro que tinha sido criado na ultima decada e que estava disponivel, rapidamente os preços subiram.


    Como controlas isto? Removes a quantidade de dinheiro de forma a que não seja possivel, nem necessario, pagar tanto por esses bens.
    Concordam com este comentário: smart, eu, hsousa
  5.  # 45

    Colocado por: ferreiraj125Como controlas isto? Removes a quantidade de dinheiro de forma a que não seja possivel, nem necessario, pagar tanto por esses bens.
    tudo o que explicou fã sentido. O problema é que vai sentir essa subida mais profundamente na pele! Não são as mesmas pessoas que acumularam excesso de dinheiro durante a impressão desenfreada.

    Um alemão que tem até bastante liquidez ao fim do mês, não sente a subida da mesma maneira que um português que esticava o orçamento.

    O problema é que a teoria do livro, nem sempre se pode aplicar a papel químico na prática.
  6.  # 46

    Colocado por: HAL_9000MAs qual prejuízo? Neste momento já estamos num processo de inflação psicológica "eu aumento porque os outros vão aumentar".
    Se o aumento é especulativo, não implica prejuízo.



    A partir de que horas é que se começa a sentir? Que você dizer que estão a subir ás cegas então? já suspeitava...



    E se for a Europa a dizer? Podem dispensar assim um cliente desses? Querem ver que afinal os países estão todos a transbordar de dinheiro.

    Não sei até que ponto é que esta guerra energética à europa, não fica mesmo a dever-se ao facto de a UE estar a acelerar a descabonização...


    "Prejuizo" é só uma forma simplificada de explicar.

    Na realidade não é preciso ter prejuizo para os produtores não produzirem, basta que não dê tanto lucro quanto podem obter de outras formas.

    Imagina que podes produzir batatas e obter 50 000 € de lucro por ano, mas há escassez de batatas doces, e por isso se produzires batatas doces consegues 100 000 € de lucro por ano.

    Provavelmente optas por produzir batata doce. Tu e outros produtores. Isto leva a que a produção de batata doce aumente e a batata normal diminua, e por isso o preço da batata doce diminuir e o da batata normal aumenta, até que se atinge um equilibrio.

    Isto é a maravilha do mercado. A escassez aumenta os preços, o que aumenta os lucros, o que aumenta a produção, eliminando a escassez.


    A partir do momento em que começas a definir margens de lucro, estás a distorcer o mecanismo que permite ao mercado responder às necessidades das pessoas.

    Quando limitas o lucro para um determinado bem, corres o risco que se torne mais lucrativo simplesmente produzir outra coisa qualquer cujo lucro não seja limitado e por isso seja mais lucrativo, e inevitavelmente esse bem cujo lucro foi limitado vai
    acabar por escassear.
    Concordam com este comentário: eu, luisvv
  7.  # 47

    Colocado por: ferreiraj125ao mercado responder às necessidades das pessoas.
    o mercado não responde as necessidades das pessoas...o mercado responde aos interesses que quem tem o poder de o controlar. A falha no seu argumento está aí. Sempre que se deixou ser o mercado por si só a autorregular-se, a necessidade das pessoas foi a última coisa a que o mercado respondeu.

    Já que falou em batatas, não acredito que neste momento a inflação esteja a ser provocada pelos produtores. Pelas entrevistas que se vão vendo, não parece mesmo que sejam os produtores.
  8.  # 48

    Colocado por: HAL_9000o mercado não responde as necessidades das pessoas...o mercado responde aos interesses que quem tem o poder de o controlar. A falha no seu argumento está aí. Sempre que se deixou ser o mercado por si só a autorregular-se, a necessidade das pessoas foi a última coisa a que o mercado respondeu.

    Já que falou em batatas, não acredito que neste momento a inflação esteja a ser provocada pelos produtores. Pelas entrevistas que se vão vendo, não parece mesmo que sejam os produtores.


    Acho que não entendeste realmente o que escrevi.

    Nota-se que leste o texto, viste uma frase que acendeu uma luz qualquer na tua cabeça e só te focaste nisso, respondendo com um cliché. Entender realmente a totalidade do que escrevi, nepia.
    Concordam com este comentário: luisvv, hsousa
    • AMG1
    • 3 novembro 2022

     # 49

    Colocado por: ferreiraj125
    Quando um banco empresta dinheiro, parte desse dinheiro é criado a partir do nada. Ou seja, efetivamente é "impresso" dinheiro quando se contrai divida.


    Qual e a parte do dinheiro que o banco empresta e que nao constitui nesse momento um activo de alguém?
  9.  # 50

    Colocado por: ferreiraj125Entender realmente a totalidade do que escrevi, nepia.
    Nem toda a gente pode ser um supra sumo da economia como o ferreiraj125
  10.  # 51

    Colocado por: ferreiraj125

    Durante a ultima decada o dinheiro esteve extremamente barato (baixos juros), o que levou a mais entidades pedirem dinheiro emprestado. Quando um banco empresta dinheiro, parte desse dinheiro é criado a partir do nada. Ou seja, efetivamente é "impresso" dinheiro quando se contrai divida. E juros baixos levam a haver mais divida.

    Entretanto houve uma pandemia e uma guerra, que levou a uma escassez de certos bens.

    Se duas pessoas quiserem comprar uma determinada casa, como é que se desempata? Simples, vende-se àquele que paga mais.

    Esta competição por bens faz subir o preço e quanto mais dinheiro estes compradores tiverem para pagar, mais o preço sobe.

    Ora, tendo em conta a quantidade de dinheiro que tinha sido criado na ultima decada e que estava disponivel, rapidamente os preços subiram.


    Como controlas isto? Removes a quantidade de dinheiro de forma a que não seja possivel, nem necessario, pagar tanto por esses bens.


    Pra já , muito obrigado pela resposta .

    Ok , acho que percebi … mas…ao retirar essa facilidade de acesso ao dinheiro de forma a não haver essa procura desenfreada em busca do tal bem por parte dos compradores / revendedores está igualmente a retirar poder de compra ao consumidor ( base da cadeia ) , causando uma contração na economia ( certo ? ).

    Não havendo consumo , há diminuição de produção, leva a lay-off e aumento da taxa de desemprego, recessão …

    Pergunto ( e estou a tentar aprender ) :

    Não existe forma ( ferramenta económico-financeira ) de controlar a inflação ?
    Controlar preços “temporariamente” (exemplo : estados de emergência ) ou de certa forma afixar tetos de forma concertada a nível europeu parece-me muito mais vantajoso ( sem conversas de venezuelas , que isso é claramente um não argumento / punchline ).

    Eu percebi o conceito de tentar retirar o excesso de dinheiro que foi espalhado no tempo das vacas gordas, fazê-lo fe forma generalizada, parece um contra-senso económico.
    E a única razão pela qual vejo que não é tomada a opção de fixação de tetos é porque existem países mais ricos ( cough cough Alemanha ) que se podem dar ao luxo de comprar a preços mais altos que os restantes parceiros europeus.

    Atenção que também percebi o exemplo da “batata doce”😅, mas a medida não faria sentido em curto prazo ?
    • AMVP
    • 3 novembro 2022

     # 52

    Colocado por: Quilleutecausando uma contração na economia ( certo ? ).

    Certissimo

    Colocado por: QuilleuteNão havendo consumo , há diminuição de produção, leva a lay-off e aumento da taxa de desemprego, recessão …

    Certo

    Colocado por: QuilleuteNão existe forma ( ferramenta económico-financeira ) de controlar a inflação ?
    Controlar preços “temporariamente” (exemplo : estados de emergência ) ou de certa forma afixar tetos de forma concertada a nível europeu parece-me muito mais vantajoso ( sem conversas de venezuelas , que isso é claramente um não argumento / punchline ).

    Tem um problema, os investidores fogem desses paises.
  11.  # 53

    Colocado por: AMG1Qual e a parte do dinheiro que o banco empresta e que nao constitui nesse momento um activo de alguém?

    Na generalidade dos empréstimos (de reduzido montante) essa parte é 100%.

    Os bancos de retalho (mas nao só) são os principais criadores de dinheiro. Quando você pede um empréstimo para habitação, o banco escreve um número na sua conta bancária, e esse mesmo número como montante de crédito. É uma operação totalmente digital, e sem dinheiro prévio. Se você conseguir produzir riqueza para pagar o crédito, gera-se dinheiro na economia. Se você não conseguir pagar destrói-se dinheiro na economia.
    Estas pessoas agradeceram este comentário: ferreiraj125
    • AMG1
    • 3 novembro 2022

     # 54

    Colocado por: ricardo.rodrigues
    Na generalidade dos empréstimos (de reduzido montante) essa parte é 100%.

    Os bancos de retalho (mas nao só) são os principais criadores de dinheiro. Quando você pede um empréstimo para habitação, o banco escreve um número na sua conta bancária, e esse mesmo número como montante de crédito. É uma operação totalmente digital, e sem dinheiro prévio. Se você conseguir produzir riqueza para pagar o crédito, gera-se dinheiro na economia. Se você não conseguir pagar destrói-se dinheiro na economia.


    Nao percebo. Vamos simplificar
    No balanço dos bancos comerciais existe um passivo para com os depositantes e um axtivo constituido pelo credito. Nao havendo alanvacagem onde esta a necessidade de "emitir" dinheiro?
    Claro que tudo isto nao passa de uma operação contabilistica, mas espelha as responsabilidades de uns e os direitos se outros, ou estou a ver ma?
  12.  # 55

    Colocado por: AMG1Claro que tudo isto nao passa de uma operação contabilistica,


    Está a ver bem. O cliente que pede o crédito é simultaneamente um depositante, no montante de crédito que pediu.

    Depois o cliente vai gastar esse novo dinheiro num empreiteiro ou a comprar a casa... e deixa de ser depositante e passa a ser (apenas) devedor do banco.
    • AMG1
    • 4 novembro 2022

     # 56

    Pois mas nesses exemplo fico sem perceber em que se traduz essa emissao de dinheiro novo
    Eu depositei 100k no banco e simultaneamente o mesmo banco empresta-me 100k. O que se passa é que o banco me empresta o dinheiro que eu lá depositei. Ou seja eu sou simultaneamente credor e devedor do mesmo valor, o banco limitou-se a intermediar uma operação, que em abstrato e exactamente o que sempre faz. Ou seja os bancos transformam depositos em credito e, obvimente, nessa intermediação ficam com o diferencial entre juros devedores e juros credores. É este o negocio dos bancos comerciais, isto no que ao credito diz respeito.

    Mais uma vez nao estamos a complicar com alavancagens nem eventuais securitizacoes porque isso torna o processo mais complexo mas, na essência, nao o altera. Por isso é que eu nao percebo em que circunstância é que bancos comerciais "emitem" dinheiro.

    Os bancos tem de garantir a todo momento que os activos que detém (creditos, participacoes, reservas em bancos centrais, garantias em mecanismos compensação e liquidação interbancaria,...) sao suficientes para cobrir o valor depositado pelos seus clientes. O que se passa quando eu peço um credito ao banco é que eles creditam a minha conta pelo valor do emprestimo, por contrapartida do debito dessa verba na conta extrapatrimonial respetiva. Ou seja o banco nao empresta o mesmo dinheiro duas vezes, salvo se houver alavancagem, mas no nosso exemplo nao contamos com isso. Para além de que actualmente creio mesmo que estao proibidos de o fazer ou pelo menos estarão muito limitados.
    Mais uma vez eu posso nao estar a ver o filme todo, mas nao vejo como é que se cria dinheiro novo num empréstimo. Claro que estamos a libertar dinheiro para a economia, mas esse dinheiro é poupança de alguém e o banco assumiu perante esse alguém a responsabilidade do o devolver independentente do destino que lhe der enquanto o tiver à sua guarda. Se o empresta e o devedor nao lhe paga, problema do banco que tem de assumir a perda.

    Confesso que posso já estar destreinado de pensar nestes processos, mas mantenho a minha dúvida.
  13.  # 57

    Colocado por: HAL_9000Se for ver a miséria que as subidas de juros originaram ao longo da história vai ver que também tem exemplos engraçados.


    A américa latina está como está por causa dos juros ou da inflação?

    Colocado por: HAL_9000A especulação de preços devia ser crime e portanto devia ser controlada.


    E é precisamente isso que tentam fazer subindo os juros. Ou acha que os juros negativos não são também um modo de especulação?
    Isso e qualquer outro modo de operar que não se guie pela lógica mais elementar.

    Bem sabemos que alguma gente sofrerá com a acentuada subida dos juros. Paciência. Azar. É isso mesmo que quer dizer "taxa variável"... às vezes corre bem, outras não.
    Agora a Inflação, essa sim ataca qualquer um que consome. Pelo que a menos que viva na montanha, isolado do mundo, e cultive o que come... todos os demais sofrerão com a dita inflação. É isso que leva um país ao charco.
    Agora juros altos sempre houve, levamos foi tempo a mais com níveis incomportavelmente baixos. Algum dia chegaria a fatura.

    A especulação na construção vem também do facilitismo dos bancos. Se se sabe que o banco empresta e qualquer um pode sacar 300 ou 400k dum banco, passa a ser esse o valor das coisas. Não percebo o espanto.


    O modo mais natural de controlar a inflação é quando tem oferta suficiente dum determinado produto, seja alumino ou apartamento.
    Dizer que é "crime" especular é complicado de sustentar. Como prova que alguém é criminoso por vender caro algo que só ele vende?
    Como sustenta essa acusação?
    Já sei que não confia nos mercados, não precisa responder.
    Concordam com este comentário: eu, ferreiraj125, hsousa
    • AMVP
    • 4 novembro 2022

     # 58

  14.  # 59

    Colocado por: AMVPhttps://eco.sapo.pt/2022/11/04/estudo-do-bce-desmente-costa-procura-esta-a-puxar-pela-inflacao-tanto-como-a-oferta/


    Grande parte da confusão deste tópico (e aparentemente do Costa) resume-se à falha de conhecimentos básicos:

    1- Inflação é o aumento de moeda em circulação. É unica e exclusivamente causada pela criação de dinheiro. A melhor maneira de ilustrar é o método usado no tempo dos romanos. As moedas de ouro eram diluidas com outros metais, para com a mesma quantidade de ouro conseguirem produzir mais moedas. Hoje em dia com o dinheiro digital basta um simples click numa base de dados.

    2- Inflação não é o mesmo que subida de preços. A subida de preços é causada pela inflação.

    Em resumo, a subida de preços pode ter (e tem) duas origens: a inflação e a rutura de cadeias de distribuição. É triste ler noticias como essa do nosso primeiro ministro a insistir que a inflação é causada pela energia/guerra/cadeias de distribuição. Continuamos a deitar mais lenha ao fogo e com soluções tipo os 125€.

    Eu sei (e concordo) que no final do dia estas tretas não servem para nada e o que interessa é o que estamos a pagar pelos bens essenciais que estão a ficar absurdamente caros. Mas até termos uma visão nitida do problema, nunca vamos chegar à solução.
    Concordam com este comentário: eu, hsousa
    • AMVP
    • 4 novembro 2022

     # 60

    Colocado por: PedroNunes24Em resumo, a subida de preços pode ter (e tem) duas origens: a inflação e a rutura de cadeias de distribuição. É triste ler noticias como essa do nosso primeiro ministro a insistir que a inflação é causada pela energia/guerra/cadeias de distribuição. Continuamos a deitar mais lenha ao fogo e com soluções tipo os 125€.

    Ele, e governantes noutros países, está a lutar pelo posto de trabalho dele, é assim.
 
0.0250 seg. NEW