Iniciar sessão ou registar-se
    • AMVP
    • 19 dezembro 2022

     # 721

    Olhem, acabei de levar um choque com o preço dos quartos, acho que mais 1 ou 2 meses já nem para quartos há dinheiro, e não estou a falar do centro de Lisboa, Porto ou afins.
  1.  # 722

    Colocado por: N Miguel OliveiraOu vai-me dizer que você não construiu mais pequeno por causa do vizinho?
    Não construí mais pequeno, porque moro actualmente num apartamento de 65m2 e identifiquei algumas necessidades que aumentaram a area. Se podia ser mais pequeno que os 273,podia, mas foi onde parou tendo em conta o uso que quero dar ao edificado.

    Nem conhecia nenhum dos vizinhos para dizer a verdade



    Colocado por: N Miguel Oliveirae perceber porque os outros noutros países, muitas vezes com estatuta maior, conseguem viver com menos. E por vezes com mais filhos até. Ou esses não precisam de sitio para morar?
    e quantas pessoas aqui moram em casas pequenas? Isso haverá de tudo. Em Espanha, França, Itália, Alemanha o que não falta são casa grandes tb. Nas grandes cidades as casas serão mais pequenas devido ao custo do m2.

    Não desconsidero nada o tamanho como uma das causas.ja disse várias vezes que acham que construi metros a mais e a minha casa parece uma miniatura comparada com a dos vizinhos.as aí tb terá de ser um trabalho de mudar mentalidades no qual os arquitectos são um player importante. Conseguir demonstrar que uma casa pequena é funcional.

    Podemos sempre voltar a morar em casas de 60m2, mas temos de sacrificar alguns padrões actuais de conforto
  2.  # 723

    Colocado por: HAL_9000aí tb terá de ser um trabalho de mudar mentalidades no qual os arquitectos são um player importante.


    Aí concordo. Mas ainda há 10 minutos levei com esta resposta:

    Colocado por: HAL_9000E você a dar-lhe com o barraco.


    O produto em si é um ponto muito importante. E só vale a importância que cada um lhe dá.
    De pouco adianta culpar os bancos, ou o Estado, ou o Putin, sem analisar isso primeiro...
    • AMVP
    • 19 dezembro 2022

     # 724

    Colocado por: HAL_9000Podemos sempre voltar a morar em casas de 60m2,

    São mais fáceis de aquecer, já arrefecer é pior, de limpar, de manter e não se acumula tanta tralha, a menos que tenha arrecadação e aí... tudo é possível.
  3.  # 725

    Colocado por: HAL_9000Podemos sempre voltar a morar em casas de 60m2, mas temos de sacrificar alguns padrões actuais de conforto


    Bem porreirinho para um país de tesos.
    Já agora, uma casa grande até tende a ser menos funcional, tal são as distâncias entre as coisas, ou a manutenção que exige. Depende do ponto de vista.
  4.  # 726

    Eu depois de ler tanta coisa…as pessoas que contraem são adultos, a informação é democratizada como nunca…agora aguentem.

    Depois espaços, dimensões, opções que podiam ser assim e assado…mais uma vez, são todos crescidos e cada um valoriza coisas diferentes e tem vivências distintas.

    Não vejo onde este tipo de discussões leva…
    Concordam com este comentário: N Miguel Oliveira
  5.  # 727

    Colocado por: HAL_9000Não construí mais pequeno, porque moro actualmente num apartamento de 65m2 e identifiquei algumas necessidades que aumentaram a area. Se podia ser mais pequeno que os 273,podia, mas foi onde parou tendo em conta o uso que quero dar ao edificado.

    Nem conhecia nenhum dos vizinhos para dizer a verdade



    e quantas pessoas aqui moram em casas pequenas? Isso haverá de tudo. Em Espanha, França, Itália, Alemanha o que não falta são casa grandes tb. Nas grandes cidades as casas serão mais pequenas devido ao custo do m2.

    Não desconsidero nada o tamanho como uma das causas.ja disse várias vezes que acham que construi metros a mais e a minha casa parece uma miniatura comparada com a dos vizinhos.as aí tb terá de ser um trabalho de mudar mentalidades no qual os arquitectos são um player importante. Conseguir demonstrar que uma casa pequena é funcional.

    Podemos sempre voltar a morar em casas de 60m2, mas temos de sacrificar alguns padrões actuais de conforto


    Há uns tempos dizia que o governo devia ajudar a pagar o aumento dos juros. Eu que decidi pagar mais por taxa fixa o ano passado para comprar uma moradia t3 com menos de 100m2 por querer ter a certeza que vivia muito abaixo das minhas posses devia ajudar a pagar a sua casa de 273m2 que diz que "é mais pequena que a dos vizinhos"?? Mas está tudo doido?
    Concordam com este comentário: hsousa
  6.  # 728

    Já a minha posta de pescada sobre o assunto é que em Portugal ainda existe muito o estigma das casas grandes, como se casa grande fosse proporcional a estatuto e riqueza.

    Aliás, eu quando era miúdo já tinha esse espirito... Terei uma casa com N quartos, piscina, cinema, campo de tenis e tudo o possivel e imaginável.

    Hoje em dia, conto os tostoes para ver se realmente consigo construir uma moradia t3 com um máximo de 120m2.
    Concordam com este comentário: desofiapedro
    • AMG1
    • 19 dezembro 2022

     # 729

    Esta discussão está muito interessante, mas muito sinceramente é só mais do mesmo.

    - o rendimento da maioria dos portugueses é pequeno e depois do essencial sobra pouco;
    - as casas estao caras por causa do crédito;
    -a malta comprou e construiu como se não houvesse amanhã, porque "era para a vida";
    - os bancos tem culpa porque emprestaram o dinheiro que as pessoas queriam;
    - o governo tem culpa porque os impostos sao altos;
    - O BCE tem culpa porque sobe o juros;
    - todos tem culpa, menos eu que sou um desgraçado.

    Mas está tudo certo. Afinal fomos nós que inventámos o fado e nao deve ter sido por acaso!
  7.  # 730

    Colocado por: xaninhowJá a minha posta de pescada sobre o assunto é que em Portugal ainda existe muito o estigma das casas grandes, como se casa grande fosse proporcional a estatuto e riqueza.

    Aliás, eu quando era miúdo já tinha esse espirito... Terei uma casa com N quartos, piscina, cinema, campo de tenis e tudo o possivel e imaginável.

    Hoje em dia, conto os tostoes para ver se realmente consigo construir uma moradia t3 com um máximo de 120m2.

    Então você ainda nao conta para a estatística das casas pequenas.
    Veremos se durante o projeto consegue continuar com a mesma ideia :)
  8.  # 731

    Colocado por: N Miguel Oliveira

    Precisamente. O CH serve para eliminar um gasto fixo de valor significativo, a renda.
    Agora, a percepção que tenho é que as pessoas ultrapassam e de que maneira essa necessidade básica, mas a culpa recai sobre o banco regra geral. Ou seja, nem pelo facto de termos tido anos e anos de taxas negativas, a malta se preveniu minimamente. Agora sobem as taxas... a meu ver, apenas se estabiliza a ordem natural das coisas.


    Ainda assim as que compraram acida do que precisaram e agora tem que fazer um esforço maior para pagar o CH, fizeram isso num bom investimento.

    Penso que vai ser cada vez mais dificil aceder a um CH para comprar casa, e portugal que estava em contra ciclo porque em Portugal a percentagem de pessoas com habitação propria (75%) é das maiores, vai começar a aproximar-se de paises como UK, US, etc que andam nos 65% ou alemanha com 50%
  9.  # 732

    Colocado por: Jose_BMfizeram isso num bom investimento.


    Pois, depende se o faz no sentido dum investimento (para ter retorno), ou um gasto (para suprir uma necessidade).
    Porque até pode ter um palácio, mas se não o vende/aluga em tempo de fome, também de pouco adianta o tal "investimento".
    Concordam com este comentário: WarrenG, Jose_BM
  10.  # 733

    Colocado por: N Miguel Oliveira

    Bem porreirinho para um país de tesos.
    Já agora, uma casa grande até tende a ser menos funcional, tal são as distâncias entre as coisas, ou a manutenção que exige. Depende do ponto de vista.


    Acho que tambem é influenciado pelo tamanho dos terrenos, quando há muito espaço ha mais tendência para fazer grande..

    E depois as pessoas pensam na casa com os filhos e não se lembram que isso é passageiro, os meus pais construíram no inicio da década de 90, cerca de 300 m2+ divididos por res de chão e primeiro andar, vivemos lá 4 pessoas uns 10 anos e agora eles vivem os 2 e usam apenas uns 50 m2 no rés de chão, e como diz a manutenção daquilo é brutal, se fosse hoje tinham construído apenas o res de chão.
  11.  # 734

    Colocado por: N Miguel Oliveira

    Pois, depende se o faz no sentido dum investimento (para ter retorno), ou um gasto (para suprir uma necessidade).
    Porque até pode ter um palácio, mas se não o vende/aluga em tempo de fome, também de pouco adianta o tal "investimento".
    Concordam com este comentário:WarrenG,Jose_BM


    Mas tem sempre essa opção de vender, pior são os que pediram o emprestimo para o bmw pagaram juros bem mais altos e agora o bmw vale 1000 euros.
  12.  # 735

    Colocado por: Jose_BMAcho que tambem é influenciado pelo tamanho dos terrenos, quando há muito espaço ha mais tendência para fazer grande..

    E depois as pessoas pensam na casa com os filhos e não se lembram que isso é passageiro, os meus pais construíram no inicio da década de 90, cerca de 300 m2+ divididos por res de chão e primeiro andar, vivemos lá 4 pessoas uns 10 anos e agora eles vivem os 2 e usam apenas uns 50 m2 no rés de chão, e como diz a manutenção daquilo é brutal, se fosse hoje tinham construído apenas o res de chão.


    Os meus idem, 1996-1998, 315m2, 2 pisos. Viveram para manter e limpar a casa. 90% do tempo dentro de casa é passado entre cozinha, wc e quarto. Se fosse hoje, nem um 1/3 tinham feito e sobrava mais terreno para se entreterem agora na reforma. Se ainda pusessem parte a alugar... mas que ninguem lhes fale nisso sequer.
    Concordam com este comentário: HAL_9000, pguilherme
  13.  # 736

    Colocado por: Jose_BMMas tem sempre essa opção de vender,


    Pois. Mas também é preciso que haja quem a compre.
    Suprir uma necessidade basica não deveria implicar o endividamento duma vida inteira... muito menos sem questionar o que é preciso (a nivel de área, tipologia, etc...)
    Por isso digo, eu desconheço a estatistica, mas duvido que seja tanta gente assim que venda a casa que contruiu para a vida. Porque nesse caso, não estamos a falar dum inventimento mas sim dum gasto.

    Colocado por: Jose_BMpior são os que pediram o emprestimo para o bmw pagaram juros bem mais altos e agora o bmw vale 1000 euros.

    Depende uma vez mais, se o BMW fosse para trabalhar pela Uber ou aluga-lo por exemplo talvez fosse um investimento. Regra geral acho que é um gasto pois serve apenas para suprir uma necessidade, como o é o gasoil por exemplo.
    Concordam com este comentário: pguilherme
  14.  # 737

    Colocado por: N Miguel OliveiraO produto em si é um ponto muito importante. E só vale a importância que cada um lhe dá.
    Nada a argumentar contra. Mas o N Miguel Oliveira diz amiúde que as pessoas querem é fazer o barraco, investir no barraco, comprar o barraco. Mas não há um português que construa uma casa em condições em Portugal?



    Colocado por: N Miguel OliveiraDe pouco adianta culpar os bancos, ou o Estado, ou o Putin, sem analisar isso primeiro...
    A minha argumentação que tenho com os bancos têm a ver com a taxa fixa vs variável. Os portugueses, na sua maioria, contratam o que os bancos oferecem, é só isso.

    Ou seja se houvesse aposta na fixa como há em outros países, nos não teríamos 90% dos CH indexados a variável.

    Agora os bancos não teem culpa do valor pedido, nem do que as pessoas compram ou constroem com esse valor.
    • Squire
    • 20 dezembro 2022 editado

     # 738

    Colocado por: pguilherme
    Debatível pelos próprios, na primeira pessoa.
    Squire é que afirmou que reduzir um pouco os custos na casa, significaria obrigatoriamente numa degradação da qualidade. Não concordo.


    Errado. O Pguilherme continua numa estratégia de não ouvir o outro interveniente. Portanto está num circulo vicioso em que acredita que está certo, independentemente do que a outra pessoa diz.
    Já lhe disse 30 vezes e ainda lhe posso dizer mais uma, já que pelos vistos não quer chegar lá. No âmbito de uma discussão sobre a definição de classe média baixa, parte-se do pressuposto que uma família toma as suas decisões com base na sua escala de valores, e que tais decisões implicam por exemplo uma baixa poupança. Este tipo de pessoas caiu numa determinada classificação, segundo a minha opinião. Vale o que vale. Mas é a minha opinião.

    E o pguilherme agora está a dizer que é possível ter mais poupança. E a minha resposta a isto é que o senhor é um génio. Porque descobriu e somente o senhor descobriu que é possível, imagine-se, reduzir gastos, fazendo sacrifícios (ou não). Portanto o seu argumento é de uma lapalissada tão grande que não tem sequer discussão possível.
    Isto é a mesma coisa que eu dizer que o Manel não conseguiu matar o Zé porque só tinha uma bala. E o Pguilherme diz-me que isto é falso, porque era possível ter mais balas se fosse comprar. Enfim.


    Colocado por: pguilhermeNão é "menos 100€", mas sim "uma casa cujo CH não ultrapasse os 600€/mês".
    Que agora será uma casa a rondar os 190k. Para uma mensalidade de 700€/mês, nas mesmas condições, dá para uma casa de 220k€.
    1) Está a dizer que não existem casas à venda até 190k€?
    2) Acha que, em circunstâncias semelhantes, haverá uma diferença assim tão significativa entre uma casa de 190k e uma de 220k?


    Eu percebi muito bem que era a prestação. Nem percebo como pode ter achado que eu presumi que eram menos 100 Euros ao valor total de um imóvel.
    Talvez explique porque acha que os outros não têm a capacidade de tomar as melhores decisões.

    Há casas à venda por 190 mil Euros. Até 20 mil Euros, imagine. A questão é se as famílias estão dispostas a isso. Uma família quando compra uma casa de 220 mil Euros é porque a pode pagar e porque a quer. E se escolheu aquela casa é porque preteriu outras. O seu argumento é que podia comprar uma de 190 mil Euros? Mas que raio de argumento é este? Até podia nem comprar, mas sim arrendar. Podia fazer mil e uma coisas. Mas se comprou aquela é porque queria aquela.
    A diferença significativa é avaliada por cada pessoa, não por si. Se para si não há diferença, para outros pode haver. O que faz de si melhor juiz?



    Colocado por: pguilhermeÉ curioso mencionar isso, pois parece nitidamente uma reprovação do "teste do marshmellow". Aquele que defronta a gratificação imediata com uma maior recompensa no futuro.
    Por um lado tem o "consumir produtos de marca" e "ter uma casa com aquela característica" e por outro temos aqueles que temporariamente sacrificam isso para poderem investir, na expectativa de conseguir uma recompensa maior no futuro.


    Está a levar a discussão para outros temas que não são aqueles que estamos a discutir. Há coisas na vida que fazemos por prazer e são decisões emotivas. Há outras que são puramente racionais. O ser humano é capaz de ambas. Mas já percebi que o senhor consegue ser uma máquina e ser 100% racional. Parabéns.
    A procura de qualidade é basilar no ser humano. Tentar contestar esta assunção com pensamentos racionais e emocionais é delirante. A qualidade procura-se sempre. Ficar com a mediocridade (mas evitando o usufruto, claro) para obter qualidade no futuro, não contradiz em nada a minha perspetiva, aliás só prova aquilo que eu disse.




    Colocado por: pguilhermeA sério? Aceitar cegamente como verdade absoluta? Não me parece.
    É precisamente para trocar ideias que escrevemos aqui, ou não?


    Eu estabeleci uma definição de um conceito com base num pressuposto. E o senhor está-me a dizer que estou errado porque parti de um pressuposto que por acaso não se esgota em si, mas é correto? Já viu o absurdo disto?



    Colocado por: pguilhermeAfirmações que continuo a achar falsas e absurdas. Dei inclusive um exemplo de como esbater a diferença sem sacrificar a qualidade: ao comprar uma casa ligeiramente mais barata, um carro ligeiramente mais barato, etc.
    Se na sua opinião existe obrigatoriamente um sacrifício de qualidade nestes casos, é a sua opinião que aceito mas não partilho.



    Mas quem é o senhor para dizer a uma família que não sacrifica qualidade em pagar menos? A sua escala de valores é diferente da dos outros. Ainda não percebeu isso?
    Mais uma vez: eu nunca disse que havia obrigatoriamente um sacrifício de qualidade. Pode haver um sacrifício ou não. Mas para efeitos de estabelecer um conceito de classe média-baixa é necessário estabelecer um pressuposto. E o pressuposto é que a família tomou a melhor decisão, para si. Já repeti isto mil vezes.


    Colocado por: pguilhermeTerminando, aquilo que é óbvio mas que parece ter-lhe escapado nas suas afirmações: não é só o rendimento, mas o controlo de custos são fundamentais para a poupança. Senão nunca teria afirmado taxativamente que as poupanças apenas eram possíveis com 2000€, e impossíveis com 1600€.


    Pelo contrário, não escapou porque todo o seu argumento é tão obvio é que uma tremenda lapalissada. "Se diminuo os gastos aumento o dinheiro disponível". O senhor é um génio.
    Obvio que se uma família paga 700 €, mais 400 Euros por um carro, etc… ou seja com todos aqueles pressupostos, se tiver um acréscimo de 400 € líquidos passa para classe média alta. Foi esse o meu argumento. Porque toda a minha definição foi nessa base.
  15.  # 739

    Colocado por: WarrenGpor querer ter a certeza que vivia muito abaixo das minhas posses devia ajudar a pagar a sua casa de 273m2 que diz que "é mais pequena que a dos vizinhos"?? Mas está tudo doido?
    e quando disse isso não deixei bem claro que no meu caso não se aplicaria porque se trata de uma segunda habitação? Esteja descansado que não quero os seus impostos para pagar a minha casa, apesar dos meus estarem a ajudar a pagar a de alguns( tal como os seus, para o caso de não saber).

    Eu tb tentei pedir taxa fixa para ter essa segurança que diz, mas para construção não praticavam essa modalidade.

    Quanto ao governo ajudar quem não conseguir pagar as casas de primeira habitação, vai ajudar sempre, se não é de uma maneira é de outra. Aliás é a sua obrigação tendo em conta o sauqem em impostos que faz, numa economia anémica. Os gajos ainda agora andaram a dar dinheiro a pressa para não ter um défice demasiado baixo, que tomaria difícil se explicar como é que o estado sacou tanto dinheiro num ano em que as pessoas passam e passaram tantas dificuldades. E que tal fomentar uma uma subida de ordenado ( via exemplo, benefícios fiscais, etc) para o pessoal poder pagar o custo de vida?

    Quanto ao tamanho da casa face a dos vizinhos leia a sequência da conversa e percebe de onde vem o comentário. Se mesmo assim preferir destilar ódio, está à vontade, durmo descansado na mesma.

    Dá-me a impressão que algum pessoal que fez taxa fixa se acha agora dono da verdade tal como há dois anos outros tantos defendiam com unhas e dentes a taxa variável. Olhe eu fiz o que achei melhor para mim e para a minha família, e agora giro as consequências boas ou más das minhas decisões, mas isso não me impede de ter uma opinião acerta dos temas da actualidade.


    Tenha lá calminha com as flexas que eu tenho um escudo para rechaçar as mesmas.
  16.  # 740

    Colocado por: AMVP
    São mais fáceis de aquecer, já arrefecer é pior, de limpar, de manter e não se acumula tanta tralha, a menos que tenha arrecadação e aí... tudo é possível.
    Como já referi antes eu moro numa de 65 m2 e sem previsões de mudança, por isso eu sei o que é viver numa casa pequena. Quais as vantagens e as desvantagens. É uma casa perfeita para uma família até 3 pessoas ( na minha opinião), mas se a família for de 5 pessoas ( como já aconteceu por aqui em diversas no verão), torna-se pequena, com pouca privacidade. Por exemplo este verão tinha um prazo importante para cumprir, e tinha a casa cheia. Trabalhar em casa? Era mentira.

    Portanto como vê, não falo de cor.

    Depois tem de se ter em atenção a localização, além da área, 200m2 no interior do país, serão bem mais baratos que 60m2 em Odivelas.
    As áreas teem de ser ajustadas as necessidades e ao orçamento das famílias.
 
0.2649 seg. NEW